Jornal Página 3
Cidade

Desta vez será com hoteleiros e donos de restaurantes


Geral

Por sorte não houve feridos. Empresa emitiu nota sobre o ocorrido. 


Saúde

Organizações habilitadas poderão administrar hospital e unidades de pronto atendimento


Cidade

Ela quer propor a separação de resíduos em três níveis


Geral

Da praça Tamandaré até a praça das Figueiras  


Cidade

Supervisor dos agentes de trânsito solicita colaboração da população


Esportes

Equipe de atletismo da Fundação de Esportes se destacou


Geral


Empregos

Santa Catarina tem segundo melhor saldo de empregos no país em agosto


Publicidade


Publicidade

Leia a publicação do Convention Bureau 


publicidade

Bolsa bate recorde e supera 74 mil pontos com otimismo dos investidores

DANIELLE BRANT
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Bolsa brasileira bateu seu recorde histórico nesta segunda-feira (11) com a avaliação dos investidores de que uma segunda denúncia da PGR (Procuradoria-Geral da República) contra o presidente Michel Temer está mais distante, após a suspensão parcial do acordo dos delatores da JBS, e com o cenário externo favorável.

O Ibovespa, índice que reúne as ações mais negociadas, fechou em alta de 1,70%, para 74.319 pontos. O volume financeiro negociado foi de R$ 9,6 bilhões, acima da média diária do ano, que é de R$ 8,12 bilhões.

No mercado cambial, o dólar chegou a ser cotado a R$ 3,08 na mínima, mas acabou ganhando força no final da tarde. O dólar comercial se valorizou 0,32%, para R$ 3,105. O dólar à vista subiu 0,04%, para R$ 3,089.

O otimismo dos investidores com o noticiário político que alivia o cenário para o presidente Michel Temer ajudou a Bolsa brasileira a atingir seu maior nível histórico. O pico anterior havia sido registrado em 20 de maio de 2008, quando o Ibovespa alcançou 73.516 pontos.

O mercado repercutiu a decisão do ministro Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal), de decretar a prisão dos delatores Joesley Batista e Ricardo Saud, afirmando que há "indícios suficientes de que os colaboradores omitiram" informações sobre a participação do ex-procurador Marcello Miller no processo de delação premiada da JBS.

Na decisão, Fachin usa a expressão "parcial suspensão" porque, por ora, continuam válidos os acordos celebrados por outros dois delatores do grupo, Francisco Assis e Silva e Wesley Batista.

O ministro decidiu suspender o acordo dos delatores até o fim da apuração sobre o caso.

"Até Joesley deu uma flechada nele mesmo, o que tira força da segunda denúncia do [procurador-geral da República Rodrigo] Janot. Ele tem praticamente essa semana para fazer alguma coisa. Me parece que, do lado político, Temer já está mais forte para seguir adiante", afirma Pedro Galdi, analista-chefe da Magliano Corretora. Com isso, o presidente poderia, em tese, conseguir mais apoio para tocar a agenda reformista.

ECONOMIA

Dados econômicos também deram subsídio a esse patamar histórico, afirma Ronaldo Patah, estrategista de investimentos do UBS Wealth Management.

"O principal motivo seria a volta do crescimento econômico. Tivemos um primeiro trimestre de 2017 com crescimento após trimestres negativos. O PIB (Produto Interno Bruto) do segundo trimestre deu mais base para dizermos com convicção que a economia está com uma retomada sólida", afirma. "É o primeiro sinal positivo para a volta do crescimento dos lucros das empresas listadas na Bolsa."

Apesar do recorde histórico, ainda há espaço para a Bolsa crescer, de acordo com a consultoria Economática. Em seu maior patamar em dólares, registrado em 19 de maio de 2008, o Ibovespa atingiu 44.616 pontos. Nesta segunda, ficou em torno de 24 mil pontos, o que significa que há um espaço de 20 mil pontos de valorização.

Além do fator local, um cenário mais favorável do exterior também colaborou para esse otimismo dos investidores. "A percepção de risco está caindo não só no Brasil, mas nos emergentes. Há uma diminuição da tensão envolvendo a Coreia do Norte, que não fez testes nucleares, como era temido. O furacão Irma está perdendo força nos EUA, o que diminui o estrago sobre a economia americana, e há uma agenda de indicadores na Europa e nos Estados Unidos que sustentam essa alta", ressalta Ignácio Crespo, economista da Guide Investimentos.

No mercado cambial, o dólar se valorizou ante 23 das 31 principais divisas do mundo.

Aqui, o CDS (credit default swap, espécie de seguro contra calote de um país) recuou 0,53%, para 180,51 pontos. É o menor nível desde 9 de dezembro de 2014.

No mercado de juros futuros, os contratos mais negociados fecharam com sinais distintos. A taxa para janeiro de 2018 se manteve estável em 7,660%. A taxa para janeiro de 2019 avançou de 7,620% para 7,680%.

AÇÕES

Das 59 ações do Ibovespa, 51 subiram, 5 caíram e três se mantiveram estáveis.

As ações da Petrobras subiram cerca de 2%, ajudadas pela alta do petróleo no exterior. A estatal informou nesta segunda que iniciou processo para vender duas fábricas de fertilizantes.

Os papéis mais negociados da estatal avançaram 1,90%, para R$ 14,99. As ações que dão direito a voto ganharam 2,17%, para R$ 15,52.

As ações da Vale encerraram o dia no azul, com a alta dos preços do minério de ferro no exterior. Os papéis ordinários da empresa subiram 1,77%, para R$ 35,09. As ações preferenciais subiram 1,01%, para R$ 32,16.

No setor financeiro, as ações do Itaú Unibanco avançaram 1,69%. Os papéis preferenciais do Bradesco se valorizaram 3,85%. As ações ordinárias tiveram alta de 2,10%. O Banco do Brasil ganhou 3,58%, e as units -conjunto de ações- do Santander Brasil fecharam com valorização de 1,68%. 


Segunda, 11/9/2017 18:11.




publicidade




Fale Conosco - Anuncie no Página 3 - Normas de Uso
© Desenvolvido por Página 3

Endereço: Rua 2448, 360 - Balneário Camboriú - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: jornal@pagina3.com.br