Jornal Página 3
Cientista brasileira está entre mais influentes da 'Time'
Reprodução Facepe.

(FOLHAPRESS) - A epidemiologista brasileira Celina Turchi está entre as cem pessoas mais influentes do mundo, segundo a revista "Time". Na lista, só há dois brasileiros: Turchi e Neymar, jogador do Barcelona e da seleção brasileira. A escolha se deve ao trabalho da cientista na associação entre microcefalia e o vírus da zika.

Em dezembro de 2016, pelo mesmo motivo, Turchi entrou na lista, produzida pela revista científica "Nature", dos dez cientistas mais influentes do mundo. Ela era a única brasileira naquela seleção.

Segundo a revista "Time", após a epidemiologista percebeu que algo estava errado com seus pequenos pacientes com microcefalia e, "contra o relógio e perdendo refeições e noites de sono", buscou entender o que estava acontecendo.

"Ela entendeu que se tratava de uma crise global que exigiria uma colaboração também global. Por isso, ela buscou contato com especialistas ao redor do mundo, facilitou o trabalho deles e a colaboração com o Brasil. Além disso, compartilhou abertamente o que ela e seus colegas estavam descobrindo, assim o mundo todo poderia aprender sobre essa ameaça sem precedentes", diz a revista.

"Turchi é apaixonada, determinada e é um modelo do tipo de liderança global e colaboração necessários para proteção da saúde humana", afirma a revista.

O perfil de Turchi para a "Time" foi escrito por Thomas Frieden, ex-diretor dos CDC (Centros de Controle e Prevenção de Doenças, dos EUA), que deixou o cargo em janeiro deste ano.

HISTÓRICO

Médica pela Universidade Federal de Goiás, mestre em epidemiologia pela London School of Hygiene & Tropical Medicine e doutora pelo departamento de medicina preventiva da Universidade de São Paulo, a brasileira Celina Turchi já desenvolveu pesquisas em diversas instituições nacionais e internacionais.

Com experiência na área de epidemiologia de doenças infecciosas, atualmente Turchi atua como pesquisadora no Centro de Pesquisa Aggeu Magalhães -Fiocruz no Estado de Pernambuco.

À época em que entrou no ranking da revista científica inglesa "Nature", Turchi falou sobre a velocidade com que se deu a associação entre o vírus da zika e o surto de microcefalia.

"É um novo capítulo da medicina quando pensamos que em menos de um ano levantamos a hipótese e conseguimos estabelecer o vínculo de associação entre a infecção congênita e a doença", disse Turchi à agência de notícias Lusa.

Ela se lamentava, contudo, pelo atraso ao atendimento na saúde pública. "Do ponto de vista das ações e aporte de recursos, ainda não temos a preparação suficiente para respostas imediatas", disse a cientista. 


Sexta, 21/4/2017 6:10.




Policia

Focos principais do Gaeco parecem ser G.Laffitte e a ex-prefeita Luzia Coppi Mathias 


Geral

Festa da Tainha encerra as festividades dos 157 anos de Itajaí


Cidade

Haverá um depósito central, de onde sairão os materiais para todas as áreas


Cidade

Campanhas estão fortes nas ruas


Cidade

Virada esportiva e cultural está entre as novidades


Geral

Eles se preparam para concurso promovido pelo legislativo


Policia

Ele se machucou, roubou e tentou esfaquear uma pessoa 


Geral


Geral

“Mesa Redonda” do Curso de Relações Internacionais ocorre dia 28, aberta à comunidade  


Publicidade

A nova agência está funcionando na avenida Osmar Souza Nunes, 290


Publicidade


Colunistas

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

Fale Conosco - Anuncie no Página 3 - Normas de Uso
© Desenvolvido por Página 3

Endereço: Rua 2448, 360 - Balneário Camboriú - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: jornal@pagina3.com.br