Jornal Página 3
Vale sobe mais de 6% e impulsiona Bolsa; dólar fica quase estável

EULINA OLIVEIRA
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - As ações da Vale foram o destaque da Bolsa nesta terça-feira (10). Os papéis PNA da mineradora foram os mais negociados nesta sessão e tiveram alta de 6,29%, a R$ 26,17, enquanto os ON ganharam 7,69%, a R$ 28,54.

O motivo para a forte alta foi o avanço de mais de 2% do minério de ferro na China, principal mercado da Vale. Também animou os investidores o índice de preços ao produtor da China, que, impulsionado pela maior demanda por matérias-primas, saltou 5,5% em dezembro na comparação com o ano anterior. Foi a maior alta desde setembro de 2011.

O dado chinês superou as expectativas de analistas consultados pela agência Bloomberg, que esperavam aumento de 4,6% do índice.

Com a forte valorização dos papéis da Vale, o Ibovespa encerrou o pregão em alta de 0,70%, aos 62.131,80 pontos. O giro financeiro foi de R$ 6,1 bilhões.

As ações da Petrobras subiram 0,97% (PN) e 1,67% (ON), apesar da queda do petróleo no mercado internacional. Analistas consideraram positiva a captação externa de US$ 4 bilhões realizada na véspera pela estatal, com o alongamento de sua dívida.

No setor financeiro, Itaú Unibanco PN caiu 0,33%; Bradesco PN e ON ficaram estáveis; Banco do Brasil ON subiu 1,36%; Santander unit caiu 0,16% e BM&FBovespa ON, +1,87%.

As maiores quedas do Ibovespa foram lideradas por Cielo ON, com -3,34%.

CÂMBIO E JUROS

O dólar terminou a sessão praticamente estável ante o real. A moeda americana à vista caiu 0,01%, a R$ 3,1979, enquanto o dólar comercial subiu 0,03%, a R$ 3,1990.

Para Cleber Alessie, operador de câmbio da corretora H.Commcor, os investidores preferiram a cautela, aguardando os eventos desta quarta-feira (11). "Teremos amanhã o IPCA de dezembro, que pode recalibrar as apostas para o corte da taxa básica dos juros, a decisão do Copom à noite e, no cenário externo, a fala de Trump", afirma.

O presidente eleito dos EUA, Donald Trump dará uma entrevista coletiva, e os investidores aguardam indicações de como será o seu governo. As expectativas são de que o republicano eleve os gastos públicos, aquecendo a economia e acelerando a inflação, o que levaria a uma alta mais rápida dos juros americanos.

O mercado de juros futuros negociados na BM&FBovespa fechou em queda, refletindo as estimativas de um corte de pelo menos 0,50 ponto percentual taxa básica de juros nesta quarta-feira. Atualmente, a taxa está em 13,75% ao ano.

O contrato de DI para janeiro de 2018 recuou de 11,365% para 11,330%; o DI para janeiro de 2021 caiu de 11,190% para 11,100%; e o DI para janeiro de 2026 cedeu de 11,510% para 11,400%.

Se o IPCA de dezembro vier abaixo do esperado, as apostas de redução de 0,75 ponto percentual da Selic devem ganhar mais força, e os juros futuros devem cair ainda mais. As projeções de analistas consultados pela Bloomberg são de que o índice oficial de inflação tenha ficado em 0,34% em dezembro e em 6,34% em 2016. 


Quarta, 11/1/2017 5:38.




Geral

Situação é de alerta especialmente em encostas


Política

Eles terão que apresentar resposta à acusação nos próximos dias


Geral

Algumas informações foram omitidas por terem caráter pessoal


Policia


Geral

Sepultamento será às 17h


Política


Esportes

Agora começam os preparativos para 2ª etapa, de julho


Impresso

Edição mergulha nos acontecimentos de maio: veja onde adquirir o seu exemplar 


Publicidade

E tenha acesso a conteúdos exclusivos bem antes de cair na rede


Publicidade


Publicidade


publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

Fale Conosco - Anuncie no Página 3 - Normas de Uso
© Desenvolvido por Página 3

Endereço: Rua 2448, 360 - Balneário Camboriú - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: jornal@pagina3.com.br