Jornal Página 3
Cidade

Desta vez será com hoteleiros e donos de restaurantes


Geral

Por sorte não houve feridos. Empresa emitiu nota sobre o ocorrido. 


Saúde

Organizações habilitadas poderão administrar hospital e unidades de pronto atendimento


Cidade

Ela quer propor a separação de resíduos em três níveis


Geral

Da praça Tamandaré até a praça das Figueiras  


Cidade

Supervisor dos agentes de trânsito solicita colaboração da população


Esportes

Equipe de atletismo da Fundação de Esportes se destacou


Geral


Empregos

Santa Catarina tem segundo melhor saldo de empregos no país em agosto


Publicidade


Publicidade

Leia a publicação do Convention Bureau 


publicidade

ONU relata abusos graves na Venezuela
EBC.
Maduro, o ditador da Venezuela.
Maduro, o ditador da Venezuela.

(FOLHAPRESS) - O alto comissário da ONU para os Direitos Humanos, Zeid Ra'ad al-Hussein, disse nesta segunda-feira (11) que o governo venezuelano pode ter cometido crimes contra a humanidade ao reprimir protestos e perseguir a oposição.

"Minha investigação sugere a possibilidade de que tenham sido cometidos crimes contra a humanidade, o que só pode ser confirmado por uma investigação criminal subsequente", disse Hussein durante a abertura da 36ª sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU, em Genebra, na Suíça.

"Há um perigo real de que as tensões aumentem e que o governo esmague as instituições democráticas e as vozes críticas", disse o jordaniano Hussein.

Segundo ele, o governo do ditador Nicolás Maduro instalou procedimentos criminais contra líderes da oposição, fez detenções arbitrárias e usou maus-tratos em presos como forma de tortura.

Um relatório da agência de direitos humanos das Nações Unidas do fim de agosto já tinha criticado a Venezuela por ações contra os direitos humanos e pedido uma investigação sobre os casos. Na ocasião, Hussein disse que houve uma "erosão da vida democrática" na Venezuela.

A ONU também já tinha declarado que as forças de segurança venezuelana usaram tortura e força excessiva para reprimir os protestos contra o governo.

As manifestações contra Maduro se intensificaram após o ditador anunciar a convocação de uma Assembleia Nacional Constituinte, instalada no início de agosto.

RESPOSTA

Presente ao encontro em Genebra, o ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza, defendeu o regime de Maduro. Segundo ele, a instalação da Constituinte ajudou a pacificar o país. "Nosso país agora está em paz", disse o diplomata,afirmando que a última morte registrada nos protestos aconteceu em 30 de julho.

Segundo a ONU, 124 pessoas morreram nas manifestações no primeiro semestre do ano. Dessas, pelo menos 73 foram vítimas das forças de segurança ou de grupos de apoio a Maduro -a responsabilidade das outras 51 mortes não foi determinada.

Para Arreaza, a diminuição no número de vítimas mostra que o país está no caminho certo. "A oposição na Venezuela está de volta no caminho da lei e da democracia e veremos um diálogo surgindo graças a mediação de nossos amigos", disse ele.

Em eventro paralelo também em Genebra nesta segunda, Diego Arria, embaixador venezuelano na ONU entre 1991 e 1994, defendeu que Maduro seja denunciado ao Tribunal Penal Internacional.

"Estou convencido de que matar nas ruas é equivalente a um crime contra a humanidade", disse ele. 


Terça, 12/9/2017 6:51.




publicidade




Fale Conosco - Anuncie no Página 3 - Normas de Uso
© Desenvolvido por Página 3

Endereço: Rua 2448, 360 - Balneário Camboriú - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: jornal@pagina3.com.br