Jornal Página 3
Colunistas
Justiça

Leco, Lequinho e Everton são acusados de repetidos golpes contra compradores de imóveis 


Política

Apesar de fazer parte do governo, ele defende a livre manifestação


Cidade

Serão apresentados dados técnicos e detalhes sobre as escalas da temporada


Variedades

Confira a programação


Geral


Cultura

Já foram 50 livros publicados e mais de duas décadas de coluna no Página 3


Publicidade

Leia a publicação do Convention Bureau 


publicidade

Busto de jornalista Mário Filho é furtado dentro do Maracanã
Reprodução.
Mario Filho, deu nome ao estádio do Maracanã.
Mario Filho, deu nome ao estádio do Maracanã.

SÉRGIO RANGEL
RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A empresa responsável pela segurança do Maracanã registrou nesta terça-feira (10) um boletim de ocorrência informando o furto de dois bustos do acervo da arena.

Um deles é do jornalista Mario Filho, que dá o nome oficial ao estádio. A peça era de cobre.

O outro busto furtado foi o de Ângelo Mendes de Morais, prefeito do Rio durante a construção do Maracanã nos anos 40.

Agentes da 18ª Delegacia de Polícia realizaram perícia no estádio nesta terça.

Em nota, a Ferj (federação de Futebol do Rio de Janeiro) informou que está preocupada "com o presente e o futuro do estádio".

O Maracanã sofre com o sucateamento há pouco mais de três anos de sua reinauguração.

O estádio ainda está sem luz por causa da falta de manutenção de um dos equipamentos de energia.

Operadora do complexo durante os Jogos Olímpicos, a Rio 2016 entregou a arena ao Governo do Rio há cerca de um mês.

A Odebrecht, que administra o local, já anunciou que pretende se desfazer do negócio. A empresa tenta vender o Maracanã. Dois grupos estão interessados. Um é liderado pela Lagardère. O outro pelo Flamengo, que conta com a CSM e com a GL Eventos.

Caso o negócio não seja fechado, o Governo do Rio já anunciou que pretende fazer uma nova licitação. O vencedor só deverá ser definido no final do ano.

O Rio gastou cerca de R$ 1,2 bilhão para reformar o estádio.

"Se não houver intervenção imediata do governo para impedir os saques e a destruição do Maracanã, talvez de nada adiante a nossa reunião do dia 17", disse o presidente da Ferj, Rubens Lopes.

Neste dia, os clubes vão se reunir na sede da entidade para tentar encontrar uma solução para o estádio. 


Quarta, 11/1/2017 5:35.




publicidade




Fale Conosco - Anuncie no Página 3 - Normas de Uso
© Desenvolvido por Página 3

Endereço: Rua 2448, 360 - Balneário Camboriú - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: jornal@pagina3.com.br