Jornal Página 3
Cidade

Desta vez será com hoteleiros e donos de restaurantes


Geral

Por sorte não houve feridos. Empresa emitiu nota sobre o ocorrido. 


Saúde

Organizações habilitadas poderão administrar hospital e unidades de pronto atendimento


Cidade

Ela quer propor a separação de resíduos em três níveis


Geral

Da praça Tamandaré até a praça das Figueiras  


Cidade

Supervisor dos agentes de trânsito solicita colaboração da população


Esportes

Equipe de atletismo da Fundação de Esportes se destacou


Geral


Empregos

Santa Catarina tem segundo melhor saldo de empregos no país em agosto


Publicidade


Publicidade

Leia a publicação do Convention Bureau 


publicidade

PF relaciona 'bunker' de Geddel com corrupção de PMDB da Câmara
Valor/Folhapress.

REYNALDO TUROLLO, CAMILA MATTOSO, BELA MEGALE E RUBENS VALENTE
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A Polícia Federal relaciona, em relatório concluído nesta segunda (11), o "bunker" do ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB) com a atuação do grupo do PMDB na Câmara.

O operador Lucio Funaro havia afirmado em depoimento em junho que repassou R$ 20 milhões de propina ao peemedebista em troca de aprovação de empréstimos na Caixa Econômica Federal.

A PF diz, então, que como os valores encontrados no "bunker" superam a cifra citada por Funaro "faz inferir que o saldo remanescente pode ter se originado de outros esquemas ilícitos destacados ao longo do relatório, relacionados com a atuação do grupo do PMDB na Câmara", diz trecho do documento.

"Inclusive envolvendo a ciência e participação do irmão de Geddel, o deputado Lucio Vieira Lima", completa.

Não há, porém, no relatório prova ou outro indício concreto que aponte que o dinheiro achado é o mesmo dos esquemas narrados pela polícia.
Geddel foi preso na última sexta (8), por decisão da Justiça Federal de Brasília.

É a segunda vez que ele vai para o presídio da Papuda -na primeira, ficou apenas 8 dias e conseguiu um habeas corpus para cumprir prisão domiciliar, situação que se encontrava até ser preso de novo.

BUNKER

A PF encontrou na terça-feira (5) o "bunker" com milhares de notas em reais que, segundo a investigação, tinham impressões digitais do ex-ministro.

A operação, nomeada de Tesouro Perdido, foi autorizada pela 10ª Vara Federal de Brasília.

O total contabilizado foi de R$ 51 milhões, em reais e dólares.

Os valores apreendidos foram depositados em conta judicial.

Segundo a PF, após as últimas fases da Operação Cui Bono, foi possível chegar a um endereço, em Salvador, que seria utilizado para armazenagem de dinheiro.

OUTRO LADO

A defesa do ex-ministro disse em nota divulgada no domingo (10) que "mais uma vez, foram violados direitos que lhe são assegurados por lei".

A nota da defesa traz ainda que, "além de ter sido impedido o acesso e a entrevista pessoal dos advogados constituídos por Geddel, ainda foi impossibilitada a participação na sua oitiva perante a autoridade policial".

E que a "suposta emoção" atribuída a Geddel durante o depoimento divulgada por "fontes ligadas à investigação", foi "mais um atentado à sua dignidade e integridade moral, mediante a indevida exposição de uma pessoa submetida à custódia e responsabilidade do Estado."

"Geddel irá refutar as consequências jurídicas que lhe são indevidamente imputadas, em momento oportuno, perante as autoridades competentes", conclui a nota. 


Terça, 12/9/2017 6:45.




publicidade




Fale Conosco - Anuncie no Página 3 - Normas de Uso
© Desenvolvido por Página 3

Endereço: Rua 2448, 360 - Balneário Camboriú - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: jornal@pagina3.com.br