Jornal Página 3
Cidade

Desta vez será com hoteleiros e donos de restaurantes


Geral

Por sorte não houve feridos. Empresa emitiu nota sobre o ocorrido. 


Saúde

Organizações habilitadas poderão administrar hospital e unidades de pronto atendimento


Cidade

Ela quer propor a separação de resíduos em três níveis


Geral

Da praça Tamandaré até a praça das Figueiras  


Cidade

Supervisor dos agentes de trânsito solicita colaboração da população


Esportes

Equipe de atletismo da Fundação de Esportes se destacou


Geral


Empregos

Santa Catarina tem segundo melhor saldo de empregos no país em agosto


Publicidade


Publicidade

Leia a publicação do Convention Bureau 


publicidade

Após relatório da PF, Temer diz que "facínoras roubam do país a verdade"
EBC.

GUSTAVO URIBE
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente Michel Temer reagiu nesta terça-feira (12) a relatório da Polícia Federal que aponta que o peemedebista tinha poder de decisão no chamado "quadrilhão do PMDB".

Em nota divulgada aos veículos de imprensa, o Palácio do Planalto critica "facínoras" que "roubam do país a verdade" e diz que "bandidos constroem versões 'por ouvir dizer'" com o objetivo de garantir a própria impunidade ou "alcançar um perdão, mesmo que parcial, por seus inúmeros crimes".

"Reputações são destroçadas em conversas embebidas em ações clandestinas", afirma o texto.

O documento, contudo, não cita diretamente nem a Polícia Federal nem o corretor de valores Lúcio Funaro, segundo o qual o peemedebista teria autorizado caixa 2 para a campanha de Gabriel Chalita, em 2012.

O presidente também afirma que garantias individuais estão sendo "violentadas diuturnamente sem que haja a mínima reação".

"Chega-se ao ponto de se tentar condenar pessoas sem sequer ouvi-las. Portanto, sem se concluir investigação, sem se apurar a verdade, sem verificar a existência de provas reais. E, quando há testemunhos, ignora-se toda a coerência de fatos e das histórias narradas por criminosos renitentes e persistentes", disse.

O peemedebista afirma que "muda-se o passado sob a força de falsos testemunhos" e que o país tem assistido, nas últimas semanas, a uma ameaça ao estado democrático de direito no país.

"Vazamentos apresentam conclusões que transformam em crimes ações que foram respaldas em lei: o sistema de contribuição empresarial a campanhas políticas era perfeitamente legal, fiscalizado e sob instrumentos de controle da Justiça Eleitoral. Desvios devem ser condenados, mas não se podem criminalizar aquelas ações corretas protegidas pelas garantias constitucionais", disse.

Segundo a conclusão da investigação feita pela Polícia Federal, há indícios de que o presidente tenha recebido vantagens de R$ 31,5 milhões.

Ele nega.

O relatório servirá para embasar provável nova denúncia do procurador-geral, Rodrigo Janot, contra Temer.

O inquérito, conhecido como "quadrilhão do PMDB", tem ainda como alvos os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral) e os ex-deputados Eduardo Cunha (RJ), Geddel Vieira Lima (BA) e Henrique Alves (AL) -os três últimos presos devido a diferentes investigações-, todos do PMDB.

Leia a íntegra da nota do Planalto:

"O Estado Democrático de Direito existe para preservar a integridade do cidadão, para coibir a barbárie da punição sem provas e para evitar toda forma de injustiça. Nas últimas semanas, o Brasil vem assistindo exatamente o contrário.

Garantias individuais estão sendo violentadas, diuturnamente, sem que haja a mínima reação. Chega-se ao ponto de se tentar condenar pessoas sem sequer ouvi-las. Portanto, sem se concluir investigação, sem se apurar a verdade, sem verificar a existência de provas reais. E, quando há testemunhos, ignora-se toda a coerência de fatos e das histórias narradas por criminosos renitentes e persistentes. Facínoras roubam do país a verdade. Bandidos constroem versões "por ouvir dizer" a lhes assegurar a impunidade ou alcançar um perdão, mesmo que parcial, por seus inúmeros crimes. Reputações são destroçadas em conversas embebidas em ações clandestinas.

Muda-se o passado sob a força de falsos testemunhos. Vazamentos apresentam conclusões que transformam em crimes ações que foram respaldas em lei: o sistema de contribuição empresarial a campanhas políticas era perfeitamente legal, fiscalizado e sob instrumentos de controle da Justiça Eleitoral. Desvios devem ser condenados, mas não se podem criminalizar aquelas ações corretas protegidas pelas garantias constitucionais." 


Terça, 12/9/2017 11:33.




publicidade




Fale Conosco - Anuncie no Página 3 - Normas de Uso
© Desenvolvido por Página 3

Endereço: Rua 2448, 360 - Balneário Camboriú - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: jornal@pagina3.com.br