Jornal Página 3
Colunistas
Cidade

Município terá autonomia para realizar concessões e permitir eventos


Policia

Objetivo é passar por todos os bairros antes do verão


Saúde

Saúde reativou a programação após revogação de liminar


Geral


Geral


Cultura

Projeções são gratuitas e acontecem nos meses de outubro, novembro e dezembro


Publicidade

Resort de Balneário Camboriú terá programação especial para crianças e adultos


publicidade

Segundo a PF Cunha recebeu R$ 57 milhões após Lava Jato
EBC.

RUBENS VALENTE
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Relatório da Polícia Federal aponta que o corretor de valores e delator Lúcio Funaro, preso em Brasília, pagou ao ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) R$ 56,9 milhões mesmo depois de a Lava Jato ter sido deflagrada, em março de 2014.

O valor corresponde ao que foi registrado em planilhas apreendidas na casa da irmã do corretor. "Não podemos afirmar que as mesmas correspondem ao total das entregas de dinheiro efetuadas, mas apenas as localizadas até o presente momento", diz o relatório de 184 páginas datado do último dia 4.

Do valor pago durante a Lava Jato, R$ 1,3 milhão foram entregues por Funaro quando Cunha era o presidente da Câmara dos Deputados, em 2015.

As informações extraídas de material apreendido foram comparadas com declarações que o próprio Funaro forneceu à PF na fase de negociações para seu acordo de delação.

As planilhas foram apreendidas por ordem do juiz Vallisney Oliveira, da 10ª Vara Federal de Brasília. Nos papéis, Cunha é identificado pelo apelido de "Bob".

Os pagamentos, segundo o relatório que foi anexado à denúncia feita na semana passada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra o que chamou de "quadrilha do PMDB", ocorreram na maior parte das vezes por entregas em espécie ao auxiliar de Cunha chamado Altair Pinto, investigado em outras fases da Lava Jato.

Mais pagamentos ocorreram por meio de depósitos a empresas e "laranjas" vinculados ao doleiro Claudio Fernando Barbosa. Também houve entregas por meio de Sidney Roberto Szabo, que trabalhou para o fundo de pensão dos servidores da Cedae, companhia de águia e esgoto do Rio de Janeiro.

Funaro fazia pagamentos de boletos em nome de empresas ou depositava em contas de "laranjas", o que gerava um crédito dele junto ao doleiro, que depois fazia o saque em espécie e gerava o caixa para a propina.

As planilhas registram pagamentos de Funaro para Cunha desde 2011. Daquele ano até 2015 há anotações de pagamentos de R$ 89 milhões para Cunha, incluídos cerca de R$ 7 milhões pagos a outros políticos, mas que Funaro considerou como recursos de Cunha, pois teriam ocorrido a pedido do ex-deputado.

Também entraram na conta R$ 30 milhões que Funaro recebeu de Joesley Batista, da JBS, para repassar a políticos nas eleições de 2014.

Segundo a PF, os pagamentos de Funaro para Cunha foram assim distribuídos: R$ 920 mil em seis entregas ocorridas em 2011, R$ 13,6 milhões por meio de 34 entregas em 2012, R$ 16,4 milhões em 63 entregas no ano de 2013, mais R$ 57,2 milhões no ano de 2014 e outros R$ 1,3 milhões por meio de 12 entregas no ano de 2015.

Em 2016, Cunha caiu em desgraça após ter sido afastado da presidência da Câmara por decisão do então ministro do STF, Teori Zavascki. Meses depois foi preso por ordem do juiz Sergio Moro.

GEDDEL

Em outro relatório técnico, a respeito do ex-ministro Geddel Vieira Lima, preso em Brasília após a descoberta de R$ 51 milhões em dinheiro em endereço a ele relacionado, a PF também identificou registros de pagamentos de Funaro.

Segundo a PF, os repasses somaram "mais de R$ 17 milhões" de 2012 a 2015. "Não é possível afirmar se tais repasses esgotam todos os eventos ocorridos. Observa-se que o repasse no ano de 2014 representou a maioria dos valores, ano que Geddel foi candidato a senador [pela Bahia]", diz o relatório.

O esquema era igual ao empregado no caso de Cunha. Funaro emitia notas fiscais "para as empresas que pagariam a propina". Para dar liquidez aos valores, diz a PF, "Funaro recorria a doleiros, os quais, por sua vez, emitiam notas fiscais para as empresas do colaborador. Ao pagar as notas emitidas pelos doleiros, estes ficavam com o percentual e repassavam o dinheiro em espécie a Funaro, o qual efetuava as entregas de dinheiro vivo a pessoas como Geddel".

A defesa de Cunha e Geddel não foi localizada. A reportagem não conseguiu contato com Barbosa e Szabo. 


Segunda, 18/9/2017 7:45.


publicidade






publicidade





Fale Conosco - Anuncie no Página 3 - Normas de Uso
© Desenvolvido por Página 3

Endereço: Rua 2448, 360 - Balneário Camboriú - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: jornal@pagina3.com.br