Jornal Página 3
Cidade

Desta vez será com hoteleiros e donos de restaurantes


Geral

Por sorte não houve feridos. Empresa emitiu nota sobre o ocorrido. 


Saúde

Organizações habilitadas poderão administrar hospital e unidades de pronto atendimento


Cidade

Ela quer propor a separação de resíduos em três níveis


Geral

Da praça Tamandaré até a praça das Figueiras  


Cidade

Supervisor dos agentes de trânsito solicita colaboração da população


Esportes

Equipe de atletismo da Fundação de Esportes se destacou


Geral


Empregos

Santa Catarina tem segundo melhor saldo de empregos no país em agosto


Publicidade


Publicidade

Leia a publicação do Convention Bureau 


publicidade

FHC pede 'união' de Doria e Alckmin contra 'narrativas falsas'
Brazil Photo Press/Folhapress.

THAIS BILENKY
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso pediu nesta segunda-feira (11) a união do governador Geraldo Alckmin e do prefeito João Doria para evitar "narrativas falsas" em 2018.

Em almoço do Lide, organização de empresários fundada por Doria, FHC disse que "o novo não são pessoas novas ou jovens, são ideias. Ideias de vanguarda".

Olhando para os dois tucanos lado a lado, FHC disse que, "diante dos líderes aqui presentes, eu confio que eles serão capazes de se unir e de nos unir a eles".

"Unimo-nos. Senão, os riscos estão aí de uma narrativa falsa que possa embalar todos nós", afirmou o ex-presidente.

FHC citou Alckmin três vezes em sua fala de 40 minutos, e não mencionou Doria, salvo nos agradecimentos iniciais.

A jornalistas, o ex-presidente disse ser favorável a prévias para a escolha do presidenciável tucano, como quer Alckmin. Mas também concordou com Doria sobre a importância de se considerar pesquisas de intenção de votos.

PESQUISAS

"Pode ter pesquisa de opinião, isso vai ter peso, sempre tem peso", afirmou. "Será suficiente para se impor à decisão dos militantes do partido? É outra questão. Aí pode ter prévia também."

FHC disse achar "boa" a concorrência entre Alckmin e Doria pelo posto, embora veja "a disputa muito mais na boca dos outros do que na deles".

"É natural que as pessoas aspirem posições. Que se faça no momento apropriado e de forma aberta. E que o partido tome decisão. Reitero: feliz o partido que tenha muitos com vontade e possibilidade de ser presidente."

Ele defendeu que as prévias sejam realizadas entre dezembro e março. Alckmin já pediu que a eleição partidária ocorra ainda neste ano, o que constrangeria Doria a deixar a prefeitura menos de um ano depois de assumi-la.

Fernando Henrique minimizou a fala do presidente interino do PSDB, Tasso Jereissati, segundo quem Alckmin está em primeiro na fila.
"Geraldo está há mais tempo na vida eleitoral. Isso quer dizer que está garantido? Não", disse ele.

CLIMA

O clima entre prefeito e governador melhorou nos últimos dias para evitar uma ruptura mais brusca, segundo aliados do governador.

Os dois estiveram juntos publicamente nos últimos três dias. Nesta segunda-feira (11), Alckmin afagou Doria, o que não vinha fazendo, apesar dos elogios frequentes do prefeito.

Ao fazer um discurso breve antes de FHC no almoço do Lide, o governador falou "primeiro da alegria de estar com João Doria três dias seguidos, disputando com a Bia [mulher do prefeito]". Ouviu risos e aplausos da plateia.

Alckmin não quis falar com a imprensa e Doria voltou a negar disputas com o padrinho político. 


Segunda, 11/9/2017 17:48.




publicidade




Fale Conosco - Anuncie no Página 3 - Normas de Uso
© Desenvolvido por Página 3

Endereço: Rua 2448, 360 - Balneário Camboriú - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: jornal@pagina3.com.br