Jornal Página 3
Cidade

Desta vez será com hoteleiros e donos de restaurantes


Geral

Por sorte não houve feridos. Empresa emitiu nota sobre o ocorrido. 


Saúde

Organizações habilitadas poderão administrar hospital e unidades de pronto atendimento


Cidade

Ela quer propor a separação de resíduos em três níveis


Geral

Da praça Tamandaré até a praça das Figueiras  


Cidade

Supervisor dos agentes de trânsito solicita colaboração da população


Esportes

Equipe de atletismo da Fundação de Esportes se destacou


Geral


Empregos

Santa Catarina tem segundo melhor saldo de empregos no país em agosto


Publicidade


Publicidade

Leia a publicação do Convention Bureau 


publicidade

Brasília rejeita recomendação do Vaticano na ONU
EBC.

PATRÍCIA CAMPOS MELLO
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Brasil rejeitou recomendação do Vaticano que pedia a proteção dos nascituros e da "família formada por marido e mulher", parte da Revisão Periódica Universal do Conselho de Direitos Humanos da ONU.

Em relatório divulgado nesta segunda-feira (11), o governo brasileiro reagiu às recomendações feitas por países membros da ONU em sua revisão sobre direitos humanos, realizada a cada quatro anos e meio. O país aceitou todas, exceto quatro das 246 recomendações.

A do Vaticano, não acatada pelo governo brasileiro, era: "Continuar a proteger a família natural e o casamento, formado por marido e mulher, como a unidade fundamental da sociedade, e também os nascituros".

"É positivo que o Brasil tenha rejeitado recomendação claramente discriminatória do Vaticano contra as populações LGBT e contra as mulheres. Com essa proposta, o Vaticano pretendia barrar o casamento igualitário e o direito ao aborto mesmo nos casos já previstos por lei", disse Caio Borges, coordenador do programa de empresas e direitos humanos da ONG Conectas.

"Por outro lado, o governo brasileiro não tem demonstrado empenho em barrar propostas legislativas como o Estatuto da Família e do Nascituro, que contrariam sua posição perante a comunidade internacional."

Na revisão periódica anterior, em 2012, o governo brasileiro havia aceitado parcialmente a recomendação do Vaticano de "proteger a família natural e o casamento, formado por marido e mulher, como a célula básica da sociedade na medida em que oferece as melhores condições para se criar filhos".

Na época, o governo brasileiro afirmou que apoiava parcialmente a recomendação, porque "as instituições brasileiras reconhecem que também merecem proteção outros arranjos familiares, como mulheres sozinhas criando seus filhos".

Até as 20h, o Itamaraty não havia explicado a mudança no posicionamento brasileiro.

O governo brasileiro também rejeitou duas recomendações da Venezuela, uma que pedia o "restabelecimento da democracia" e criticava "o golpe de Estado parlamentar contra a presidente Dilma Rousseff".

A outra pedia que fosse interrompido o plano de congelamento dos investimentos sociais por 20 anos, previsto na emenda constitucional do teto de gasto. "O controle de gastos afeta desproporcionalmente grupos mais vulneráveis", diz Borges.

A última recomendação rejeitada pelo Brasil foi de autoria do Reino Unido e pedia que "os candidatos nacionais para órgãos da ONU fossem selecionados por um processo transparente e baseado em mérito." 


Terça, 12/9/2017 6:36.




publicidade




Fale Conosco - Anuncie no Página 3 - Normas de Uso
© Desenvolvido por Página 3

Endereço: Rua 2448, 360 - Balneário Camboriú - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: jornal@pagina3.com.br