Jornal Página 3
Cidade

Desta vez será com hoteleiros e donos de restaurantes


Geral

Por sorte não houve feridos. Empresa emitiu nota sobre o ocorrido. 


Saúde

Organizações habilitadas poderão administrar hospital e unidades de pronto atendimento


Cidade

Ela quer propor a separação de resíduos em três níveis


Geral

Da praça Tamandaré até a praça das Figueiras  


Cidade

Supervisor dos agentes de trânsito solicita colaboração da população


Esportes

Equipe de atletismo da Fundação de Esportes se destacou


Geral


Empregos

Santa Catarina tem segundo melhor saldo de empregos no país em agosto


Publicidade


Publicidade

Leia a publicação do Convention Bureau 


publicidade

PT prepara ato menor para Lula em Curitiba, mas teme hostilidade
Reprodução.

ANA LUIZA ALBUQUERQUE, CATIA SEABRA E ESTELITA HASS CARAZZAI
CURITIBA, PR (FOLHAPRESS) - O ato para receber o ex-presidente Lula em seu segundo depoimento ao juiz Sergio Moro, em Curitiba, nesta quarta (13), será menor que o primeiro -mas os organizadores, ainda assim, temem hostilidade.

Em maio, pelo menos 5.000 manifestantes participaram dos atos pró-Lula, segundo a PM. A organização estimou 50 mil pessoas. Grupos a favor e contra o petista não chegaram a se encontrar, mas havia entre alguns militantes a expectativa até de que o ex-presidente fosse preso durante o depoimento.

Desta vez, a tensão entre os dirigentes petistas é bem menor. Lula fez questão de ir pessoalmente ao depoimento a Moro, e não se fala em risco de prisão.

A prioridade no partido é dar visibilidade às caravanas do pré-candidato, como a ocorrida no Nordeste no mês passado.

"É outra conjuntura, outro momento político", disse o presidente do PT Paraná, Dr. Rosinha. "Está claro que há uma perseguição ao governo Lula. Não podemos nos mover na lógica dessa repetição."

O PT reservou uma praça menor para o ato com Lula após o depoimento, a Generoso Marques, encravada em meio a prédios históricos do centro.

O partido estima que 2.500 pessoas compareçam ao ato, a maioria do interior do Paraná. Atos culturais e debates sobre o governo de Michel Temer (PMDB) estão na programação.

HOSTILIDADE

Mesmo com um evento menor e depoimento sob esquema de segurança da Polícia Militar, dirigentes reconhecem o risco de atos de hostilidade.

Outdoors foram espalhados por Curitiba em apoio à Operação Lava Jato, em especial no trajeto do aeroporto ao centro, com frases como "A República de Curitiba te espera de grades abertas".

Assim como no primeiro depoimento, organizações como o MBL (Movimento Brasil Livre) e o Curitiba contra a Corrupção programam atos em apoio à operação, mas em locais distintos da manifestação petista.

Por motivos de segurança, nem a data de chegada de Lula ou o local onde se hospedaria foram divulgados. Tampouco se confirmou se o ex-presidente chega de carro ou de avião.

"É uma questão de segurança do presidente", afirmou Rosinha.

Uma das principais preocupações da segurança de Lula é com o ato na praça Generoso Marques. O petista discursará em um caminhão de som, que deve ser posicionado em frente a um prédio de 18 andares.

Há a preocupação de que algum objeto possa atingir o petista, em caso de protesto.

Em 2010, a então presidente Dilma Rousseff foi atingida por bexigas d'água a uma quadra dali, enquanto fazia uma carreata em sua campanha à reeleição.

Segundo Rosinha, a orientação aos manifestantes é "não aceitar provocação", tampouco incitar algum tipo de rivalidade ou acenar com gestos agressivos.

"Não aceitaremos provocadores. Se tiver, a gente vai pedir que se retirem", afirmou o presidente do PT no Paraná.

O ato deve ser acompanhado pela Polícia Militar. 


Terça, 12/9/2017 15:05.




publicidade




Fale Conosco - Anuncie no Página 3 - Normas de Uso
© Desenvolvido por Página 3

Endereço: Rua 2448, 360 - Balneário Camboriú - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: jornal@pagina3.com.br