Jornal Página 3

Dono da JBS depõe à PF e confirma teor de delação
Reprodução

Sexta, 16/6/2017 15:55.

LETÍCIA CASADO, RUBENS VALENTE E REYNALDO TUROLLO
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A Polícia Federal está tomando depoimentos de delatores da JBS e de investigados no inquérito que envolve o presidente Michel Temer com o objetivo de descobrir se ele sabia dos pagamentos para comprar o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e do doleiro Lúcio Funaro.

Nesta sexta (16), a PF ouviu um dos donos da JBS, Joesley Batista. A reportagem apurou que ele confirmou o teor de sua delação premiada, que envolve o presidente Michel Temer (PMDB).

Os delegados já tinham ouvido os delatores Francisco de Assis, diretor jurídico do grupo, e Florisvaldo Caetano, ex-conselheiro fiscal da JBS.

A PF cruza os depoimentos para encontrar eventuais brechas e confirmar informações sobre outros implicados, como o ex-ministro Geddel Vieira Lima.

Os investigadores apuram se Geddel repassava informações sobre a compra do silêncio de Funaro e Cunha ao presidente Temer.

Querem saber, por exemplo, qual o papel de Geddel no esquema: se ele perguntava aos funcionários da JBS e aos familiares do doleiro sobre pagamentos; se ele foi apontado representante de Temer junto à JBS, conforme Batista disse à PGR (Procuradoria-Geral da República); e se o presidente indicou seu ex-assessor Rodrigo Rocha Loures, preso em Brasília, para substituir Geddel no relacionamento com a empresa.

A PF apura a participação dos irmãos Funaro nos pagamento. Quer saber como eles foram colocados em contato com a JBS e as razões para Roberta ter substituído Dante no recolhimento do dinheiro. Ela foi filmada recebendo mala com R$ 400 mil dentro de um carro e está em prisão domiciliar.

O próprio Lúcio Funaro já prestou depoimento no inquérito.

Os delegados também querem detalhes sobre pagamentos que Florisvaldo Caetano disse ter feito: a Altair Alves Pinto, emissário de Cunha, e ao coronel aposentado da Polícia Militar João Baptista Lima Filho, amigo de Temer, durante a campanha de 2014 como parte de um acordo entre Temer e Joesley.

A PF tem até segunda (19) para encerrar o inquérito, aberto em abril. Os delegados enviaram 82 perguntas ao presidente, que se recusou a responder. Temer e o Palácio do Planalto já negaram quaisquer irregularidades na relação com Joesley Batista.


Publicidade


Colunistas
por Fernando Baumann
por Sonia Tetto
por Saint Clair Nickelle
por Augusto Cesar Diegoli
por Marcos Vinicios Pagelkopf
por Enéas Athanázio
Cidade

PIB cresceu forte sob Pavan e Spernau e desacelerou entre 2010 e 2015


Cidade

Crise econômica impacta negativamente nas contas públicas  


Cidade

Vigoroso trabalho de recuperação está em andamento 


Policia

Soldados tiveram sete meses de aulas práticas e teóricas no 12º Batalhão


Guia Legal BC

Banda se apresenta no dia 5 de janeiro


Geral

Consórcio pode ser o fato mais relevante desde que as duas cidades se separaram 53 anos atrás 


Publicidade