Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Cidade
Prefeitura de Balneário deu licença suspeita para obra milionária

O assunto está sendo agora investigado pelo Ministério Público

Quarta, 10/6/2015 9:06.

Publicidade

A secretaria do Meio Ambiente de Balneário Camboriú aprovou a construção do edifício Yachthouse Residence Club, sem que a obra tivesse a licença ambiental, um documento indispensável para esse tipo de aprovação.

A forma como foram concedidas as licenças para construção desse prédio na Barra Sul, que seria o maior da cidade, está sob investigação da área de moralidade do Ministério Público.

No dia 15 de março de 2013 a secretária do meio ambiente, Osnilda Amorim, assinou parecer negando a aprovação da obra, porque faltavam duas licenças ambientais que são concedidas pela Fatma, além de alguns detalhes burocráticos.

Espantosamente, na mesma data a secretária alterou seu parecer, agora aprovando a obra.

Fontes ligadas à reportagem disseram que naquela tarde Osnilda foi pressionada por pessoas ligadas ao gabinete do prefeito Edson Piriquito para mudar seu parecer.

Osnilda disse ao Página 3 que não sofreu pressões e que o fato é normal porque mais de 20 obras tiveram trâmite semelhante sob sua gestão nos últimos três anos.

O promotor Jean Michel Forest, o mesmo que comandou a Operação Trato Feito e que identificou uma organização criminosa atuando na prefeitura de Balneário Camboriú, pediu uma série de documentos para aprofundar a investigação sobre o assunto.

A Câmara de Vereadores está analisando a autorização de um adicional construtivo para este obra e a assessoria do prefeito sugerirá aos vereadores que adiem a votação da matéria até o término das investigações do Ministério Público.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3

Prefeitura de Balneário deu licença suspeita para obra milionária

O assunto está sendo agora investigado pelo Ministério Público

Publicidade

Quarta, 10/6/2015 9:06.

A secretaria do Meio Ambiente de Balneário Camboriú aprovou a construção do edifício Yachthouse Residence Club, sem que a obra tivesse a licença ambiental, um documento indispensável para esse tipo de aprovação.

A forma como foram concedidas as licenças para construção desse prédio na Barra Sul, que seria o maior da cidade, está sob investigação da área de moralidade do Ministério Público.

No dia 15 de março de 2013 a secretária do meio ambiente, Osnilda Amorim, assinou parecer negando a aprovação da obra, porque faltavam duas licenças ambientais que são concedidas pela Fatma, além de alguns detalhes burocráticos.

Espantosamente, na mesma data a secretária alterou seu parecer, agora aprovando a obra.

Fontes ligadas à reportagem disseram que naquela tarde Osnilda foi pressionada por pessoas ligadas ao gabinete do prefeito Edson Piriquito para mudar seu parecer.

Osnilda disse ao Página 3 que não sofreu pressões e que o fato é normal porque mais de 20 obras tiveram trâmite semelhante sob sua gestão nos últimos três anos.

O promotor Jean Michel Forest, o mesmo que comandou a Operação Trato Feito e que identificou uma organização criminosa atuando na prefeitura de Balneário Camboriú, pediu uma série de documentos para aprofundar a investigação sobre o assunto.

A Câmara de Vereadores está analisando a autorização de um adicional construtivo para este obra e a assessoria do prefeito sugerirá aos vereadores que adiem a votação da matéria até o término das investigações do Ministério Público.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade