Jornal Página 3

Calçadão continua sem regras e mudanças serão discutidas novamente
Renata Rutes Henning
Calçadão é tipo terra de ninguém.
Calçadão é tipo terra de ninguém.

Quarta, 11/1/2017 11:04.

O Calçadão da Avenida Central continua como nas temporadas anteriores: barulhento, com lixo mal resolvido e sem nenhuma regra.

O passeio é ocupado por mesas e cadeiras de restaurantes e bares que fazem o que bem entendem.

A previsão é que isso mude nesse ano. O prefeito Fabrício Oliveira ordenou que até o Carnaval sejam intensificadas as rondas policiais e fiscalizações no local.

Relembre

Há tempos se discute a necessidade de se reestruturar o ponto mais famoso de Balneário Camboriú. No ano passado, foi inclusive criada a Associação dos Comerciantes do Calçadão de Balneário Camboriú (ACCBC), especialmente para tratar desse assunto. Os comerciantes se reuniram com os vereadores e arquitetos da prefeitura, mas nada saiu do papel.

A ideia é demarcar espaço para a entrada e saída de carros (de moradores e hóspedes de hotéis do Calçadão) e de mesas e cadeiras, além de construir uma cobertura.

Os comerciantes se inspiraram até no Passeio San Miguel (privado e organizado) e pensaram em fazer uma praça de alimentação compartilhada. 

Reunião com o prefeito

O advogado que representa a ACCBC, Juliano Cavalcanti, foi convocado junto com os comerciantes, que foram representados pela vice-presidente da entidade, a participarem de uma reunião com o prefeito Fabrício Oliveira.

O encontro aconteceu ontem (10), e também contou com a presença da Polícia Militar, Polícia Civil, Secretaria de Segurança, Procuradoria Geral, Secretaria da Fazenda, Secretaria de Planejamento Urbano e Conselho Tutelar.

Juliano explica que o objetivo foi tentar encontrar uma maneira para qualificar o Calçadão e seu entorno, que hoje estão abandonados. “Discutimos a necessidade de estabelecer um horário de funcionamento para os estabelecimentos comerciais do local. Pois no verão eles ficam abertos até tarde e atrapalham os moradores. Mas ainda não chegamos a um acordo”, comentou.

Outro ponto discutido foi a segurança já que há muitas denúncias sobre tráfico, uso de drogas, furtos e outros delitos. “Dentro disso, falamos sobre a venda de bebida alcoólica para menores, que é um problema antigo e conhecido por todos. A associação se colocou a disposição para colaborar com o poder público”, acrescentou.

O advogado disse ter percebido que o prefeito Fabrício quer resolver essa situação e espera que isso aconteça ainda neste ano, para que na próxima temporada o Calçadão esteja de cara nova.

“O MP pede demarcação do espaço para carros e das mesas e cadeiras, que hoje geram conflitos. Vamos tomar essas providências. Analisaremos cada comércio do Calçadão e ver o que podemos fazer. Há comerciantes que gostariam de colocar mesas e cadeiras e que hoje não podem porque não há espaço”, finalizou.


Publicidade


Colunistas
por Fernando Baumann
por Sonia Tetto
por Saint Clair Nickelle
por Augusto Cesar Diegoli
por Marcos Vinicios Pagelkopf
por Enéas Athanázio
Cidade

PIB cresceu forte sob Pavan e Spernau e desacelerou entre 2010 e 2015


Cidade

Crise econômica impacta negativamente nas contas públicas  


Cidade

Vigoroso trabalho de recuperação está em andamento 


Policia

Soldados tiveram sete meses de aulas práticas e teóricas no 12º Batalhão


Guia Legal BC

Banda se apresenta no dia 5 de janeiro


Geral

Consórcio pode ser o fato mais relevante desde que as duas cidades se separaram 53 anos atrás 


Publicidade