Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Cidade
Emasa planeja estação de tratamento para o Canal do Marambaia

Em janeiro esta estação foi descartada por não ser uma boa opção  

Sexta, 3/8/2018 11:32.
Arquivo Histórico.
Canal do Marambaia antes de virar esgoto a céu aberto.

Publicidade

O novo diretor técnico da Emasa, Sérgio Juk, disse ao Página 3 nesta semana que os três aeradores previstos para o Canal do Marambaia não serão mais instalados e que a empresa planeja colocar uma estação de tratamento de esgotos na Avenida Brasil.

Juk é novo no cargo e desconhecia que a Emasa adquiriu os aeradores e pretendia instalá-los em dezembro passado.

Segundo Juk a estação compacta de tratamento, cujo valor ainda será apurado, mas ele acredita rondar R$ 10 milhões, é solução ideal para evitar que a água poluída do Canal chegue ao mar e polua a Barra Norte.

Ele também desconhecia que água do Canal será direcionada pelo Molhe da Barra Norte que possui verba disponível e aguarda apenas trâmites burocráticos para sua execução que deveria ter iniciado ainda no governo Edson Piriquito.

A implantação de uma estação de tratamento foi descartada em reunião de moradores e ex-diretores da Emasa realizada em 8 de janeiro deste ano porque “foi unânime que isto não é uma boa opção”.

E parece não ser mesmo porque o canal é poluído principalmente por esgotos clandestinos que deveriam ser identificados e reprimidos pela administração municipal.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Emasa planeja estação de tratamento para o Canal do Marambaia

Arquivo Histórico.
Canal do Marambaia antes de virar esgoto a céu aberto.
Canal do Marambaia antes de virar esgoto a céu aberto.

Publicidade

Sexta, 3/8/2018 11:32.

O novo diretor técnico da Emasa, Sérgio Juk, disse ao Página 3 nesta semana que os três aeradores previstos para o Canal do Marambaia não serão mais instalados e que a empresa planeja colocar uma estação de tratamento de esgotos na Avenida Brasil.

Juk é novo no cargo e desconhecia que a Emasa adquiriu os aeradores e pretendia instalá-los em dezembro passado.

Segundo Juk a estação compacta de tratamento, cujo valor ainda será apurado, mas ele acredita rondar R$ 10 milhões, é solução ideal para evitar que a água poluída do Canal chegue ao mar e polua a Barra Norte.

Ele também desconhecia que água do Canal será direcionada pelo Molhe da Barra Norte que possui verba disponível e aguarda apenas trâmites burocráticos para sua execução que deveria ter iniciado ainda no governo Edson Piriquito.

A implantação de uma estação de tratamento foi descartada em reunião de moradores e ex-diretores da Emasa realizada em 8 de janeiro deste ano porque “foi unânime que isto não é uma boa opção”.

E parece não ser mesmo porque o canal é poluído principalmente por esgotos clandestinos que deveriam ser identificados e reprimidos pela administração municipal.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade