Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Cidade
Suelen de Oliveira, “Balneário Camboriú = sonhos e independência”

#BC54anos

Terça, 7/8/2018 10:50.
Arquivo Pessoal

Publicidade

No Campeonato Mundial de Jovens Paratletas, realizado na Suíça, em agosto de 2017, a velocista Suelen Marcheski de Oliveira, 20, realizou o sonho de ganhar sua primeira medalha de ouro fora do país. Mas ela quer mais: está sonhando e já treina pensando na Olimpíada de Tóquio, em 2020.

Sonhos que exigem independência.

Independência que ela define como mais uma conquista que alcançou desde que veio morar em Balneário Camboriú com seus pais, há seis anos.

Mas por quê Balneário?

Quando nasceu, a menina foi diagnosticada com meningite e hidrocefalia, o que exigiu o implante de uma válvula no cérebro com três meses de idade. Até hoje ela tem uma pequena deficiência no andar e este foi o motivo que trouxe a família para Balneário Camboriú. A cidade gaúcha de Ijuí onde moravam tem muitas lombadas, a garota tropeçava muito e seus pais conheciam Balneário Camboriú, uma cidade plana, que facilitaria a vida da filha.

Deu certo

Logo que chegou foi encaminhada para a Afadefi e começou a praticar atletismo, provas de velocidade, sua especialidade. Não demorou já estava conquistando pódios em competições regionais e estaduais. Dali para o cenário nacional foi rápido. Logo tornou-se recordista brasileira dos 100m rasos (ela compete também os 200m e os 400m rasos). Na Suíça, bateu seu próprio recorde e buscou o primeiro ouro mundial com o tempo de 14´4.

Suelen treina todos os dias de manhã. A tarde fica reservada para os estudos (está terminando o terceirão e se preparando para ingressar na faculdade). Tem várias competições pela frente, as principais são o Circuito Caixa em agosto e novembro e os ParaJasc. Mas a maior competição da sua vida será em 2020, quando quer levar o nome de Balneário Camboriú para o Japão.

O que ela diz de Balneário

... “Devo todas as conquistas a Balneário Camboriú. A maior delas é a minha independência. Aqui consigo andar sozinha, consigo pegar ônibus sozinha, isso é muito importante”.
... “Fico feliz em poder levar o nome de Balneário para o mundo”.
... “Balneário representa a oportunidade que eu não tive no sul, onde morava”.
... “Sempre agradeço tudo o que Balneário Camboriú me proporcionou”.
... “Ficar aqui fez toda a diferença”.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Suelen de Oliveira, “Balneário Camboriú = sonhos e independência”

Arquivo Pessoal

Publicidade

Terça, 7/8/2018 10:50.

No Campeonato Mundial de Jovens Paratletas, realizado na Suíça, em agosto de 2017, a velocista Suelen Marcheski de Oliveira, 20, realizou o sonho de ganhar sua primeira medalha de ouro fora do país. Mas ela quer mais: está sonhando e já treina pensando na Olimpíada de Tóquio, em 2020.

Sonhos que exigem independência.

Independência que ela define como mais uma conquista que alcançou desde que veio morar em Balneário Camboriú com seus pais, há seis anos.

Mas por quê Balneário?

Quando nasceu, a menina foi diagnosticada com meningite e hidrocefalia, o que exigiu o implante de uma válvula no cérebro com três meses de idade. Até hoje ela tem uma pequena deficiência no andar e este foi o motivo que trouxe a família para Balneário Camboriú. A cidade gaúcha de Ijuí onde moravam tem muitas lombadas, a garota tropeçava muito e seus pais conheciam Balneário Camboriú, uma cidade plana, que facilitaria a vida da filha.

Deu certo

Logo que chegou foi encaminhada para a Afadefi e começou a praticar atletismo, provas de velocidade, sua especialidade. Não demorou já estava conquistando pódios em competições regionais e estaduais. Dali para o cenário nacional foi rápido. Logo tornou-se recordista brasileira dos 100m rasos (ela compete também os 200m e os 400m rasos). Na Suíça, bateu seu próprio recorde e buscou o primeiro ouro mundial com o tempo de 14´4.

Suelen treina todos os dias de manhã. A tarde fica reservada para os estudos (está terminando o terceirão e se preparando para ingressar na faculdade). Tem várias competições pela frente, as principais são o Circuito Caixa em agosto e novembro e os ParaJasc. Mas a maior competição da sua vida será em 2020, quando quer levar o nome de Balneário Camboriú para o Japão.

O que ela diz de Balneário

... “Devo todas as conquistas a Balneário Camboriú. A maior delas é a minha independência. Aqui consigo andar sozinha, consigo pegar ônibus sozinha, isso é muito importante”.
... “Fico feliz em poder levar o nome de Balneário para o mundo”.
... “Balneário representa a oportunidade que eu não tive no sul, onde morava”.
... “Sempre agradeço tudo o que Balneário Camboriú me proporcionou”.
... “Ficar aqui fez toda a diferença”.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade