Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Cidade
Parada gay começa a ser articulada, mas organização reclama de falta de apoio

Foi necessário recorrer à justiça nos últimos anos para garantir a realização do evento

Terça, 7/8/2018 17:46.

Publicidade

A organização da 6ª Parada da Diversidade de Balneário Camboriú se reuniu na noite de segunda-feira (6), para tratar sobre o planejamento do evento que acontecerá no dia 18 de novembro. O tema deste ano é “Por uma vida TRANSbordante: travestis, mulheres e homens trans existem e resistem”, contemplando o segmento trans, que também é vítima da transfobia.

O percurso será o mesmo do ano passado com concentração na Avenida Atlântica, na Barra Sul a partir das 14h, e caminhada com saída às 17h pela mesma via, seguindo em direção a Praça Almirante Tamandaré em apenas umas das pistas, onde acontecerá o encerramento às 19h.

Indefinição com poder público

Em nota enviada à imprensa, a organização do evento alega que já enfrenta resistência por parte da prefeitura de Balneário Camboriú.

Segundo o presidente da Associação da Parada da Diversidade, Ney Laurentino, a organização não pede dinheiro para o evento, mas que o município auxilie na logística e na estrutura, com banheiros químicos.

De acordo com o secretário de Turismo, Miro Teixeira, “o pedido chegou recentemente na prefeitura e não houve ainda deliberação sobre o assunto. Dentro de alguns dias essa pauta entrará em discussão”.

No ano passado a prefeitura não apoiou a realização da Parada e justificou na imprensa que o evento não traz benefícios ao turismo e que ainda atrapalharia o trânsito. O Ministério Público ingressou com mandado de segurança e o evento aconteceu após a justiça conceder liminar.

A programação

“Haverá trios elétricos temáticos e presença de artistas da cidade e região. Blocos das transexuais e lésbicas e festa de encerramento em uma casa noturna. Estamos buscando apoio de empresas, bem como de alguns aplicativos. Além disso, vamos realizar uma palestra sobre o tema homofobia e trabalho aos gays”, disse Fernando Lisboa, um dos organizadores.

A reunião de organização contou com a participação da Associação das Mães Pela Diversidade, que abrirá a caminhada deste ano; Grupo Amigos & Tribos; Plastine Eventos Drag Night; Grupo Semear Diversidade e Associação da Parada da Diversidade, que é a organizadora oficial.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Parada gay começa a ser articulada, mas organização reclama de falta de apoio

Publicidade

Terça, 7/8/2018 17:46.

A organização da 6ª Parada da Diversidade de Balneário Camboriú se reuniu na noite de segunda-feira (6), para tratar sobre o planejamento do evento que acontecerá no dia 18 de novembro. O tema deste ano é “Por uma vida TRANSbordante: travestis, mulheres e homens trans existem e resistem”, contemplando o segmento trans, que também é vítima da transfobia.

O percurso será o mesmo do ano passado com concentração na Avenida Atlântica, na Barra Sul a partir das 14h, e caminhada com saída às 17h pela mesma via, seguindo em direção a Praça Almirante Tamandaré em apenas umas das pistas, onde acontecerá o encerramento às 19h.

Indefinição com poder público

Em nota enviada à imprensa, a organização do evento alega que já enfrenta resistência por parte da prefeitura de Balneário Camboriú.

Segundo o presidente da Associação da Parada da Diversidade, Ney Laurentino, a organização não pede dinheiro para o evento, mas que o município auxilie na logística e na estrutura, com banheiros químicos.

De acordo com o secretário de Turismo, Miro Teixeira, “o pedido chegou recentemente na prefeitura e não houve ainda deliberação sobre o assunto. Dentro de alguns dias essa pauta entrará em discussão”.

No ano passado a prefeitura não apoiou a realização da Parada e justificou na imprensa que o evento não traz benefícios ao turismo e que ainda atrapalharia o trânsito. O Ministério Público ingressou com mandado de segurança e o evento aconteceu após a justiça conceder liminar.

A programação

“Haverá trios elétricos temáticos e presença de artistas da cidade e região. Blocos das transexuais e lésbicas e festa de encerramento em uma casa noturna. Estamos buscando apoio de empresas, bem como de alguns aplicativos. Além disso, vamos realizar uma palestra sobre o tema homofobia e trabalho aos gays”, disse Fernando Lisboa, um dos organizadores.

A reunião de organização contou com a participação da Associação das Mães Pela Diversidade, que abrirá a caminhada deste ano; Grupo Amigos & Tribos; Plastine Eventos Drag Night; Grupo Semear Diversidade e Associação da Parada da Diversidade, que é a organizadora oficial.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade