Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Cidade
Rio Camboriú permanece em estado de atenção, é preciso economizar

Prefeitos nunca investiram em reservação de água bruta

Segunda, 17/12/2018 5:29.
John Doe
Apelos para a população economizar são inúteis.

Publicidade

As chuvas fracas e a abertura de barreiras e desvios feitos por agricultores melhoraram o nível na captação de água do rio Camboriú que no entanto permanece em estado de atenção.

Mais de 200 mil moradores de Camboriú e Balneário Camboriú dependem da água desse rio para seu abastecimento, além de 300 mil a 400 mil pessoas que devem afluir à região nos próximos dias, o período de Natal e Ano Novo.

O rio Camboriú tem água de sobra, mas as duas cidades não possuem reservação de água bruta, por isso dependem das chuvas para manter o abastecimento.

O problema se repete sem que as autoridades encaminhem soluções.

No dia 15 de dezembro de 2012 o Página 3 publicou em manchete que poderia haver racionamento e pelos mesmos motivos de agora: falta de chuvas; abuso no uso por parte dos agricultores e falta de reservação.

De lá para cá se passaram seis anos, quatro sob o governo Edson Piriquito e dois sob Fabrício Oliveira sem qualquer encaminhamento prático para resolver a carência de armazenamento.

Em verdade Camboriú construiu, ainda no governo Luzia Coppi Mathias, um parque de armazenamento, mas ele é modesto, suportaria a demanda total das duas cidades a plena carga durante menos de dois dias.

Nessa situação, as duas cidades dependem da chuva para não ficarem desabastecidas.

A previsão da meteorologia é positiva, nos próximos 10 dias são esperados mais de 100 mm de chuvas, água suficiente, se confirmada, para garantir o estoque da virada do ano.

O “estresse” ficaria então não com o nível da água e sim com o funcionamento das máquinas de captação e tratamento.

A Emasa acredita que, após melhorias que foram realizadas, poderá bater seu recorde de produção, chegando a 1.200 litros/segundo.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
John Doe
Apelos para a população economizar são inúteis.
Apelos para a população economizar são inúteis.

Rio Camboriú permanece em estado de atenção, é preciso economizar

Prefeitos nunca investiram em reservação de água bruta

Publicidade

Segunda, 17/12/2018 5:29.

As chuvas fracas e a abertura de barreiras e desvios feitos por agricultores melhoraram o nível na captação de água do rio Camboriú que no entanto permanece em estado de atenção.

Mais de 200 mil moradores de Camboriú e Balneário Camboriú dependem da água desse rio para seu abastecimento, além de 300 mil a 400 mil pessoas que devem afluir à região nos próximos dias, o período de Natal e Ano Novo.

O rio Camboriú tem água de sobra, mas as duas cidades não possuem reservação de água bruta, por isso dependem das chuvas para manter o abastecimento.

O problema se repete sem que as autoridades encaminhem soluções.

No dia 15 de dezembro de 2012 o Página 3 publicou em manchete que poderia haver racionamento e pelos mesmos motivos de agora: falta de chuvas; abuso no uso por parte dos agricultores e falta de reservação.

De lá para cá se passaram seis anos, quatro sob o governo Edson Piriquito e dois sob Fabrício Oliveira sem qualquer encaminhamento prático para resolver a carência de armazenamento.

Em verdade Camboriú construiu, ainda no governo Luzia Coppi Mathias, um parque de armazenamento, mas ele é modesto, suportaria a demanda total das duas cidades a plena carga durante menos de dois dias.

Nessa situação, as duas cidades dependem da chuva para não ficarem desabastecidas.

A previsão da meteorologia é positiva, nos próximos 10 dias são esperados mais de 100 mm de chuvas, água suficiente, se confirmada, para garantir o estoque da virada do ano.

O “estresse” ficaria então não com o nível da água e sim com o funcionamento das máquinas de captação e tratamento.

A Emasa acredita que, após melhorias que foram realizadas, poderá bater seu recorde de produção, chegando a 1.200 litros/segundo.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade