Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Cidade
Alerta de falta d´água em Camboriú e Balneário é exagerado

Estiagem é tipica do inverno e nível em vários pontos de monitoramento está normal 

Terça, 24/7/2018 8:32.
Epagri.
Apenas o rio Canoas, em vermelho, está em situação crítica.

Publicidade

A prefeitura de Camboriú emitiu nota (reproduzida mais abaixo) alertando que o nível do rio Camboriú é crítico e a população de Camboriú e Balneário Camboriú deve economizar para evitar desabastecimento.

A previsão de faltar água é exagerada.

Dos quatro pontos de monitoramento da Epagri na bacia do Camboriú, três (Braço, Rio Pequeno e captação no Colégio Agrícola) apresentam nível normal e apenas o rio Canoas está em nível crítico.

O rio Canoas sempre que ocorre estiagem, como é típico no inverno, entra em nível crítico, isso ocorreu repetidas vezes e nunca faltou água nas duas cidades por falta de estoque na bacia em toda sua história.

O diretor geral da Emasa, Douglas Costa Beber, disse ao Página 3 na manhã desta terça-feira que não há risco de faltar água e que economizar é uma recomendação permanente, não apenas em períodos de estiagem.

A Epagri prevê chuvas fracas nos próximos dias e passado o inverno chuvas abundantes, dentro da média histórica.

Ao contrário do que costumam afirmar alguns especialistas os municípios de Camboriú e Balneário Camboriú não têm problemas de falta de água bruta e sim de reservação porque toda a chuva que cai na bacia e não é captada se desperdiça no mar.

Nenhum projeto de reservação de água bruta anunciado até hoje, inclusive um grande lago nas regiões arrozeiras de Camboriú, saiu do papel.

O alerta emitido pela prefeitura de Camboriú foi esse:

Fucam, Defesa Civil, Emasa e Águas de Camboriú trabalham juntas para regularizar a situação. Moradores devem adotar medidas de consumo consciente para evitar a falta de água

A Prefeitura de Camboriú informa que o Rio Camboriú está em nível crítico. O canal está com 1,27 metro de altura. Com isso, o abastecimento de água de residências do município e de Balneário Camboriú pode ser afetado. A Fundação do Meio Ambiente (Fucam) e a Secretaria de Proteção e Defesa Civil, em parceria com a Emasa e a concessionária Águas de Camboriú, realizam medidas preventivas para contornar a situação.

A orientação aos moradores é que façam o consumo consciente da água. Entre as medidas que podem ser adotadas pelos moradores estão evitar banhos longos, escovar os dentes de torneira fechada, não lavar veículos e calçadas com mangueira e fechar possíveis vazamentos. “Essas ações de consumo consciente devem ser aplicadas todos os dias, não somente em momentos de secas do rio”, orienta a presidente da Fucam, Liara Rotta Padilha Schetinger.

Devido à falta de água, a coloração do Rio Camboriú também foi afetada. O pouco nível de água impossibilita a diluição dos esgotos do município, que não tem cobertura de rede de tratamento. Outra orientação aos moradores é que regularizem o sistema de tratamento unitário de suas residências – fossa séptica e filtro anaeróbico. A comunidade pode procurar a Secretaria de Saneamento Básico para mais informações.


 


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Alerta de falta d´água em Camboriú e Balneário é exagerado

Epagri.
Apenas o rio Canoas, em vermelho, está em situação crítica.
Apenas o rio Canoas, em vermelho, está em situação crítica.

Publicidade

Terça, 24/7/2018 8:32.

A prefeitura de Camboriú emitiu nota (reproduzida mais abaixo) alertando que o nível do rio Camboriú é crítico e a população de Camboriú e Balneário Camboriú deve economizar para evitar desabastecimento.

A previsão de faltar água é exagerada.

Dos quatro pontos de monitoramento da Epagri na bacia do Camboriú, três (Braço, Rio Pequeno e captação no Colégio Agrícola) apresentam nível normal e apenas o rio Canoas está em nível crítico.

O rio Canoas sempre que ocorre estiagem, como é típico no inverno, entra em nível crítico, isso ocorreu repetidas vezes e nunca faltou água nas duas cidades por falta de estoque na bacia em toda sua história.

O diretor geral da Emasa, Douglas Costa Beber, disse ao Página 3 na manhã desta terça-feira que não há risco de faltar água e que economizar é uma recomendação permanente, não apenas em períodos de estiagem.

A Epagri prevê chuvas fracas nos próximos dias e passado o inverno chuvas abundantes, dentro da média histórica.

Ao contrário do que costumam afirmar alguns especialistas os municípios de Camboriú e Balneário Camboriú não têm problemas de falta de água bruta e sim de reservação porque toda a chuva que cai na bacia e não é captada se desperdiça no mar.

Nenhum projeto de reservação de água bruta anunciado até hoje, inclusive um grande lago nas regiões arrozeiras de Camboriú, saiu do papel.

O alerta emitido pela prefeitura de Camboriú foi esse:

Fucam, Defesa Civil, Emasa e Águas de Camboriú trabalham juntas para regularizar a situação. Moradores devem adotar medidas de consumo consciente para evitar a falta de água

A Prefeitura de Camboriú informa que o Rio Camboriú está em nível crítico. O canal está com 1,27 metro de altura. Com isso, o abastecimento de água de residências do município e de Balneário Camboriú pode ser afetado. A Fundação do Meio Ambiente (Fucam) e a Secretaria de Proteção e Defesa Civil, em parceria com a Emasa e a concessionária Águas de Camboriú, realizam medidas preventivas para contornar a situação.

A orientação aos moradores é que façam o consumo consciente da água. Entre as medidas que podem ser adotadas pelos moradores estão evitar banhos longos, escovar os dentes de torneira fechada, não lavar veículos e calçadas com mangueira e fechar possíveis vazamentos. “Essas ações de consumo consciente devem ser aplicadas todos os dias, não somente em momentos de secas do rio”, orienta a presidente da Fucam, Liara Rotta Padilha Schetinger.

Devido à falta de água, a coloração do Rio Camboriú também foi afetada. O pouco nível de água impossibilita a diluição dos esgotos do município, que não tem cobertura de rede de tratamento. Outra orientação aos moradores é que regularizem o sistema de tratamento unitário de suas residências – fossa séptica e filtro anaeróbico. A comunidade pode procurar a Secretaria de Saneamento Básico para mais informações.


 


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade