Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Conceder o rotativo por 15 anos pode ser nocivo ao interesse público
Divulgação.
Rotativo fiscalizado por leitura de caracteres.

Segunda, 12/3/2018 7:52.

A prefeitura de Balneário Camboriú apresentou em audiência pública a proposta de conceder o estacionamento rotativo pelo prazo de 15 anos, com tarifa “mais alta”, alegando que essas condicionantes visam cobrir os investimentos que serão realizados pelo concessionário.

Essas alegações contradizem o edital lançado pela prefeitura e posteriormente cancelado por determinação do Tribunal de Contas do Estado em novembro passado.

Naquele edital estavam previstas 2.800 vagas ao custo de R$ 2,00 por hora e a justificativa de preço era exatamente a mesma, a necessidade de cobrir o investimento, mas em vez de 15 anos de concessão o prazo eram seis meses.

Conceder por 15 anos além de aumentar o risco de um serviço que já não deu certo em duas ocasiões anteriores, vai contra a lógica do desenvolvimento tecnológico.

Em prazo tão longo é possível, por exemplo, que os veículos sejam todos elétricos ou que a leitura da sua posição no sistema seja feita não por monitores e sim por satélites ou outras formas, inclusive algumas já disponíveis como leitores de placas.

Como a mão de obra, segundo a prefeitura, representa quase 70% do custo, qualquer licitação longa e baseada nessa forma de operação significa prejudicar os usuários em favor do concessionário.

O rotativo continuará sendo discutido. No final de semana o Página 3 recebeu diversas mensagens de vereadores e lideranças comunitárias que não gostaram do projeto e pretendem se posicionar contra ele.

O argumento em comum das críticas é que o objetivo do serviço não é gerar lucro excessivo e sim promover a democratização do uso das vagas.

Abaixo a tabela de despesas que integrou a licitação de novembro de 2017:


 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Geral

20 são em uma lojas de fast food Burguer King  


Justiça

Acusado diz que falará primeiro com seu advogado antes de se manifestar. Ele foi penalizado com advertência.


Cidade

Esta é uma das últimas etapas para obtenção da Bandeira Azul


Cidade

Lei municipal que favorecia os consumidores foi derrubada pelo Supremo 


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Conceder o rotativo por 15 anos pode ser nocivo ao interesse público

Divulgação.
Rotativo fiscalizado por leitura de caracteres.
Rotativo fiscalizado por leitura de caracteres.

A prefeitura de Balneário Camboriú apresentou em audiência pública a proposta de conceder o estacionamento rotativo pelo prazo de 15 anos, com tarifa “mais alta”, alegando que essas condicionantes visam cobrir os investimentos que serão realizados pelo concessionário.

Essas alegações contradizem o edital lançado pela prefeitura e posteriormente cancelado por determinação do Tribunal de Contas do Estado em novembro passado.

Naquele edital estavam previstas 2.800 vagas ao custo de R$ 2,00 por hora e a justificativa de preço era exatamente a mesma, a necessidade de cobrir o investimento, mas em vez de 15 anos de concessão o prazo eram seis meses.

Conceder por 15 anos além de aumentar o risco de um serviço que já não deu certo em duas ocasiões anteriores, vai contra a lógica do desenvolvimento tecnológico.

Em prazo tão longo é possível, por exemplo, que os veículos sejam todos elétricos ou que a leitura da sua posição no sistema seja feita não por monitores e sim por satélites ou outras formas, inclusive algumas já disponíveis como leitores de placas.

Como a mão de obra, segundo a prefeitura, representa quase 70% do custo, qualquer licitação longa e baseada nessa forma de operação significa prejudicar os usuários em favor do concessionário.

O rotativo continuará sendo discutido. No final de semana o Página 3 recebeu diversas mensagens de vereadores e lideranças comunitárias que não gostaram do projeto e pretendem se posicionar contra ele.

O argumento em comum das críticas é que o objetivo do serviço não é gerar lucro excessivo e sim promover a democratização do uso das vagas.

Abaixo a tabela de despesas que integrou a licitação de novembro de 2017:


 

Publicidade

Publicidade