Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Cidade
Antaq admite duas instalações para receber navios em Balneário Camboriú

Devido a declarações falsas, BC Port é alvo de investigação

Sexta, 19/10/2018 8:58.
JC Drones

Publicidade

A Agência Nacional de Transportes Aquaviários, Antaq, em resolução publicada na última quarta-feira admitiu a possibilidade do Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil celebrar contrato de concessão com a Bontur para uma Instalação Portuária de Turismo na foz do Rio Camboriú.

Essa instalação, o Atracadouro Barra Sul, já existe e funciona com licenças temporárias que lhe permitiram receber mais de 80.000 passageiros na última temporada e reservar datas para 29 escalas nesse verão.

Também foi publicada pela Antaq a admissibilidade de construção do BC Port, um porto para navios de cruzeiro no prolongamento do molhe da Barra Sul.

Nesse caso, no entanto, a Antaq anunciou a abertura de processo para investigar a autenticidade de documentos juntados ao processo.

Trata-se de três declarações falsas: que o projeto foi aprovado pelo Conselho da Cidade; que a empresa possuía contrato para usar como estacionamento um grande terreno na Barra Sul e que o empreendimento foi aprovado em audiência pública pelo Poder Público Municipal e pelo Poder Legislativo Municipal.

A admissibilidade por parte da Antaq é um dos passos. O próximo é obter a concessão do Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil.
Parece evidente que Balneário Camboriú não necessita de dois pontos para recepção de navios de cruzeiro, portanto um deles teria que ser descartado.

O secretário de Turismo, Miro Teixeira, informou que o BC Port não é prioridade porque antes disso vem o engordamento da praia central, sua reurbanização e as definições de como as pontas sul e norte serão ocupadas.

Miro destacou que hoje já recebemos navios com segurança no Atracadouro Barra Sul e um porto como proposto pelo BC Port, que prevê também hotel, shopping e outras atividades, envolve riscos urbanísticos e ambientais que devem ser discutidos com cautela.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
JC Drones

Antaq admite duas instalações para receber navios em Balneário Camboriú

Devido a declarações falsas, BC Port é alvo de investigação

Publicidade

Sexta, 19/10/2018 8:58.

A Agência Nacional de Transportes Aquaviários, Antaq, em resolução publicada na última quarta-feira admitiu a possibilidade do Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil celebrar contrato de concessão com a Bontur para uma Instalação Portuária de Turismo na foz do Rio Camboriú.

Essa instalação, o Atracadouro Barra Sul, já existe e funciona com licenças temporárias que lhe permitiram receber mais de 80.000 passageiros na última temporada e reservar datas para 29 escalas nesse verão.

Também foi publicada pela Antaq a admissibilidade de construção do BC Port, um porto para navios de cruzeiro no prolongamento do molhe da Barra Sul.

Nesse caso, no entanto, a Antaq anunciou a abertura de processo para investigar a autenticidade de documentos juntados ao processo.

Trata-se de três declarações falsas: que o projeto foi aprovado pelo Conselho da Cidade; que a empresa possuía contrato para usar como estacionamento um grande terreno na Barra Sul e que o empreendimento foi aprovado em audiência pública pelo Poder Público Municipal e pelo Poder Legislativo Municipal.

A admissibilidade por parte da Antaq é um dos passos. O próximo é obter a concessão do Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil.
Parece evidente que Balneário Camboriú não necessita de dois pontos para recepção de navios de cruzeiro, portanto um deles teria que ser descartado.

O secretário de Turismo, Miro Teixeira, informou que o BC Port não é prioridade porque antes disso vem o engordamento da praia central, sua reurbanização e as definições de como as pontas sul e norte serão ocupadas.

Miro destacou que hoje já recebemos navios com segurança no Atracadouro Barra Sul e um porto como proposto pelo BC Port, que prevê também hotel, shopping e outras atividades, envolve riscos urbanísticos e ambientais que devem ser discutidos com cautela.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade