Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Cidade
Rotativo de Balneário Camboriú tem recursos de três licitantes

Vencedora oferece preço abaixo do que terá que investir

Quinta, 25/10/2018 18:14.
Reprodução

Publicidade

A prefeitura realizou nesta quinta-feira (25) pregão para o estacionamento rotativo de Balneário Camboriú e a empresa que apresentou o menor valor foi a TecnoPark Soluções LTDA., de Curitiba e que opera estacionamento rotativo no Estado do Rio de Janeiro. Três licitantes entraram com recursos contra o resultado.

A TecnoPark fez uma proposta no valor de R$ 1,3 milhão, o que parece incompatível com o edital porque os parquímetros precisam ser novos, e os preços desses equipamentos no mercado variam em torno de R$ 25 mil.

Portanto 140 aparelhos novos, como exigidos no edital, custariam R$ 3,5 milhões. Dessa forma, só nesses equipamentos, a Tecnoark teria um prejuízo de R$ 2,2 milhões, além de uma série de outros serviços que ela deve executar como, por exemplo, recolher o dinheiro e as moedas dos parquímetros, por um ano, que é a duração do contrato.

Isso reforça a reportagem do Página 3 publicada na semana passada, apontando que a licitação com prazo inicial de um ano era inexequível, porque o vencedor só poderia fechar negócio com a prefeitura se tivesse garantia de que o contrato fosse prorrogado por mais alguns anos, senão o prejuízo é garantido.

Há episódios envolvendo a TecnoPark com acusações de não pagamentos de salários e direitos trabalhistas a funcionários no interior do Rio de Janeiro que serão investigados e, se verdadeiros, podem inabilitar a empresa por inidoneidade.

O desfecho da licitação só será conhecido depois de feitas essas investigações, examinados os recursos dos licitantes e apresentados os equipamentos para análise por parte do município. 

Essa licitação foi peculiar porque exigiu 140 parquímetros e a lançada semanas atrás, cancelada por recomendação do Tribunal de Contas, previa apenas 18 parquímetros. 

Isso faz substancial diferença porque 18 parquímetros custam cerca de R$ 450.000,00 e 140 ficam em R$ 3.500.000,00.

Até hoje integrantes da administração municipal não apresentaram qualqur explicação sobre a mudança na quantidade de parquímetros.  
 

   

 


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Rotativo de Balneário Camboriú tem recursos de três licitantes

Reprodução

Publicidade

Quinta, 25/10/2018 18:14.

A prefeitura realizou nesta quinta-feira (25) pregão para o estacionamento rotativo de Balneário Camboriú e a empresa que apresentou o menor valor foi a TecnoPark Soluções LTDA., de Curitiba e que opera estacionamento rotativo no Estado do Rio de Janeiro. Três licitantes entraram com recursos contra o resultado.

A TecnoPark fez uma proposta no valor de R$ 1,3 milhão, o que parece incompatível com o edital porque os parquímetros precisam ser novos, e os preços desses equipamentos no mercado variam em torno de R$ 25 mil.

Portanto 140 aparelhos novos, como exigidos no edital, custariam R$ 3,5 milhões. Dessa forma, só nesses equipamentos, a Tecnoark teria um prejuízo de R$ 2,2 milhões, além de uma série de outros serviços que ela deve executar como, por exemplo, recolher o dinheiro e as moedas dos parquímetros, por um ano, que é a duração do contrato.

Isso reforça a reportagem do Página 3 publicada na semana passada, apontando que a licitação com prazo inicial de um ano era inexequível, porque o vencedor só poderia fechar negócio com a prefeitura se tivesse garantia de que o contrato fosse prorrogado por mais alguns anos, senão o prejuízo é garantido.

Há episódios envolvendo a TecnoPark com acusações de não pagamentos de salários e direitos trabalhistas a funcionários no interior do Rio de Janeiro que serão investigados e, se verdadeiros, podem inabilitar a empresa por inidoneidade.

O desfecho da licitação só será conhecido depois de feitas essas investigações, examinados os recursos dos licitantes e apresentados os equipamentos para análise por parte do município. 

Essa licitação foi peculiar porque exigiu 140 parquímetros e a lançada semanas atrás, cancelada por recomendação do Tribunal de Contas, previa apenas 18 parquímetros. 

Isso faz substancial diferença porque 18 parquímetros custam cerca de R$ 450.000,00 e 140 ficam em R$ 3.500.000,00.

Até hoje integrantes da administração municipal não apresentaram qualqur explicação sobre a mudança na quantidade de parquímetros.  
 

   

 


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade