Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Cidade
IMA sugeriu à Emasa que faça algo sério no canal do Marambaia

Engenheiro da Secretaria de Obras teve ideia luminosa

Quarta, 3/10/2018 19:39.
Google.
Emissário correrá por dentro da galeria que fica abaixo da ciclovia.

Publicidade

O Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina, IMA (antiga Fatma), sugeriu à Emasa que apresente um Projeto de Recuperação de Área Degradada (PRAD) para o canal do Marambaia.

A manifestação foi em resposta à pretensão da Emasa de usar biorremediador para tratar aquele canal que hoje em alguns pontos é um esgoto a céu aberto.

O caminho para uma atitude séria já foi encontrado dias atrás numa reunião na Secretaria do Planejamento quando o engenheiro Jaildo da Silva, diretor de drenagem da Secretaria de Obras, sugeriu a construção de um emissário de esgoto da Barra Norte até a estação elevatória da rua 3700 correndo por dentro da galeria pluvial da Avenida Atlântica que é larga o suficiente.

A Emasa estava licitando um emissário convencional com custo estimado em R$ 12 milhões, mas Jaildo teve essa ideia luminosa que possibilitará economia estimada em R$ 5 milhões, numa obra limpa e rápida.

PRESSÃO E BIZARRICES

Pressionada há mais de um ano por um grupo de moradores a Emasa tem apresentado soluções bizarras porque elas não eliminam as causas da poluição, apenas tratam os efeitos, num pequeno trecho ao final do canal.

Dentre essas soluções surgiram a instalação de aeradores, já cancelada; a implantação de uma estação de tratamento, adiada e talvez no futuro cancelada e o uso de biorremediadores que depende de concordância do IMA.

Essa concordância parece distante. O IMA está disposto a aprovar qualquer projeto de recuperação do canal do Marambaia, desde que tenha consistência técnica e não ideias que vão se sucedendo sem qualquer estudo que as ampare.

Os biorremediadores estão nessa categoria, a Emasa não fez testes práticos de uso no Marambaia.

A maior fonte de poluição do canal é a própria Emasa. Seu sistema não suporta a carga e contamina o Marambaia através de extravasores que foram abertos para evitar que o esgoto brotasse em bueiros na região central.

Esse diagnóstico é conhecido há algum tempo, por isso a necessidade de um novo emissário para reforçar um sistema que tem cerca de 30 anos e foi projetado para outra realidade.

O Página 3 apurou que o projeto do novo emissário está sendo desenvolvido internamente pelo engenheiro de carreira da Emasa Felippo Ferreira Brognoli e a compra dos materiais para o emissário deverá ocorrer em breve.
 


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

IMA sugeriu à Emasa que faça algo sério no canal do Marambaia

Google.
Emissário correrá por dentro da galeria que fica abaixo da ciclovia.
Emissário correrá por dentro da galeria que fica abaixo da ciclovia.

Publicidade

Quarta, 3/10/2018 19:39.

O Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina, IMA (antiga Fatma), sugeriu à Emasa que apresente um Projeto de Recuperação de Área Degradada (PRAD) para o canal do Marambaia.

A manifestação foi em resposta à pretensão da Emasa de usar biorremediador para tratar aquele canal que hoje em alguns pontos é um esgoto a céu aberto.

O caminho para uma atitude séria já foi encontrado dias atrás numa reunião na Secretaria do Planejamento quando o engenheiro Jaildo da Silva, diretor de drenagem da Secretaria de Obras, sugeriu a construção de um emissário de esgoto da Barra Norte até a estação elevatória da rua 3700 correndo por dentro da galeria pluvial da Avenida Atlântica que é larga o suficiente.

A Emasa estava licitando um emissário convencional com custo estimado em R$ 12 milhões, mas Jaildo teve essa ideia luminosa que possibilitará economia estimada em R$ 5 milhões, numa obra limpa e rápida.

PRESSÃO E BIZARRICES

Pressionada há mais de um ano por um grupo de moradores a Emasa tem apresentado soluções bizarras porque elas não eliminam as causas da poluição, apenas tratam os efeitos, num pequeno trecho ao final do canal.

Dentre essas soluções surgiram a instalação de aeradores, já cancelada; a implantação de uma estação de tratamento, adiada e talvez no futuro cancelada e o uso de biorremediadores que depende de concordância do IMA.

Essa concordância parece distante. O IMA está disposto a aprovar qualquer projeto de recuperação do canal do Marambaia, desde que tenha consistência técnica e não ideias que vão se sucedendo sem qualquer estudo que as ampare.

Os biorremediadores estão nessa categoria, a Emasa não fez testes práticos de uso no Marambaia.

A maior fonte de poluição do canal é a própria Emasa. Seu sistema não suporta a carga e contamina o Marambaia através de extravasores que foram abertos para evitar que o esgoto brotasse em bueiros na região central.

Esse diagnóstico é conhecido há algum tempo, por isso a necessidade de um novo emissário para reforçar um sistema que tem cerca de 30 anos e foi projetado para outra realidade.

O Página 3 apurou que o projeto do novo emissário está sendo desenvolvido internamente pelo engenheiro de carreira da Emasa Felippo Ferreira Brognoli e a compra dos materiais para o emissário deverá ocorrer em breve.
 


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade