Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Cidade
Prefeitura deve investir mais de R$ 600 mil em projetos para reestruturar Praia Central

Objetivo é liberar engordamento da faixa de areia e Molhe do Pontal Norte

 

Terça, 18/9/2018 16:35.
Power Produtora/PMBC
Com a reestruturação, a Praia Central deverá ficar com cerca de 50 metros a mais de faixa de areia. Atualmente, há trechos com apenas 25 metros.

Publicidade

A prefeitura de Balneário Camboriú acaba de publicar três licitações para contratação de consultorias de projetos para reestruturação da praia Central. Juntas as licitações terão um investimento estimado de cerca de R$ 650 mil.

A decisão de terceirizar o serviço foi justificada nos editais e se baseou na falta de tempo e pessoal especializado dentro da própria prefeitura para elaboração dos projetos.

De acordo com a diretora de Desenvolvimento Ambiental da Secretaria do Meio Ambiente, Maria Heloisa Furtado Lenzi, os termos de referência para as licitações demandam tempo para serem realizados, pois são específicos.

Ela destaca que desde que o município recebeu a Licença Prévia não parou de trabalhar nos trâmites, mas a parte burocrática segue ritos e leva mais tempo. "Nada acontece de um dia para o outro", pontuou.

Requisitos para licenças

Os objetos de todas licitações abertas são relatórios técnicos para obtenção de licenças, etapas cruciais para liberação de obras de impacto ambiental como o Molhe do Pontal Norte e o Alargamento da Praia Central.

Em nota a prefeitura informou que em abril o Instituto do Meio Ambiente do Estado, antiga Fatma, aprovou a Licença Ambiental Prévia (LAP) para o engordamento. Agora, o Município precisa solicitar a Licença Ambiental de Instalação (LAI). Porém, precisa atender um longo dossiê, com cerca de 60 condicionantes que incluem autorizações de outras entidades governamentais e entrega de projetos e planos ambientais.

As três licitações visam atender algumas dessas condicionantes. Uma das licitações, a Tomada de Preços nº 182/2018, tem por objeto a contratação de empresa especializada para prestação de serviços de consultoria em engenharia, para assessorar na preparação da documentação exigida no Licenciamento Ambiental Prévio. O prazo de cadastramento termina às 17h do dia 1º de outubro. A data de entrega e abertura dos envelopes será em 02 de outubro, até as 10h30.

Já a Tomada de Preços nº 184/2018 objetiva a contratação de empresa especializada para prestação de serviços de consultoria técnica, para assessorar na elaboração do Plano Básico Ambiental (PBA) das obras do prolongamento do molhe na foz do Rio Marambaia.

O prazo de cadastramento também se encerra às 17h do dia 1º de outubro. A data de entrega e abertura dos envelopes será em 02 de outubro, até às 14h30.

O Município também irá contratar uma empresa especializada para prestação de serviços de consultoria técnica, que vai assessorar na Elaboração do Plano Básico Ambiental (PBA) das obras de Alimentação Artificial da Praia Central, conforme a Tomada de Preços nº 185/2018.

O prazo de cadastramento termina às 17h do dia 02 de outubro. A data de entrega e abertura dos envelopes será em 03 de outubro, até às 10h30.

Os editais e termos de referências podem ser obtidos via e-mail compras@bc.sc.gov.br ou pelo site www.bc.sc.gov.br, no link licitações.

Próximos passos

Duas outras licitações devem ser lançadas em breve, sendo uma delas referente aos estudos arqueológicos da enseada. A diretora de Desenvolvimento Ambiental adianta que a exigência é de uma varredura subaquática, o que exige pessoal e equipamentos que a prefeitura não tem.

Com a reestruturação, a Praia Central deverá ficar com cerca de 50 metros a mais de faixa de areia. Atualmente, há trechos com apenas 25 metros.

No local, serão colocados 2,4 milhões de metros cúbicos de material trazidos de jazidas localizadas a cerca de 15 km da costa. Esse material serão semelhante ao existente na faixa de areia.

De acordo com a administração municipal, a obra em si está orçada em cerca de R$ 70 milhões. Ela deve ser iniciada após a liberação das licenças. O prazo total previsto para a execução é de nove meses.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Opinião

"Com estes valores, nenhuma unidade de saúde consegue se manter como PORTA ABERTA"


Cidade

Prefeitura é dona de terreno, próximo ao local, que poderia receber o Mercado


Brasil


Política

O vereador aproveitou que estava em Brasília pra falar sobre o saneamento básico de Camboriú


Cidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Prefeitura deve investir mais de R$ 600 mil em projetos para reestruturar Praia Central

Power Produtora/PMBC
Com a reestruturação, a Praia Central deverá ficar com cerca de 50 metros a mais de faixa de areia. Atualmente, há trechos com apenas 25 metros.
Com a reestruturação, a Praia Central deverá ficar com cerca de 50 metros a mais de faixa de areia. Atualmente, há trechos com apenas 25 metros.

Publicidade

Terça, 18/9/2018 16:35.

A prefeitura de Balneário Camboriú acaba de publicar três licitações para contratação de consultorias de projetos para reestruturação da praia Central. Juntas as licitações terão um investimento estimado de cerca de R$ 650 mil.

A decisão de terceirizar o serviço foi justificada nos editais e se baseou na falta de tempo e pessoal especializado dentro da própria prefeitura para elaboração dos projetos.

De acordo com a diretora de Desenvolvimento Ambiental da Secretaria do Meio Ambiente, Maria Heloisa Furtado Lenzi, os termos de referência para as licitações demandam tempo para serem realizados, pois são específicos.

Ela destaca que desde que o município recebeu a Licença Prévia não parou de trabalhar nos trâmites, mas a parte burocrática segue ritos e leva mais tempo. "Nada acontece de um dia para o outro", pontuou.

Requisitos para licenças

Os objetos de todas licitações abertas são relatórios técnicos para obtenção de licenças, etapas cruciais para liberação de obras de impacto ambiental como o Molhe do Pontal Norte e o Alargamento da Praia Central.

Em nota a prefeitura informou que em abril o Instituto do Meio Ambiente do Estado, antiga Fatma, aprovou a Licença Ambiental Prévia (LAP) para o engordamento. Agora, o Município precisa solicitar a Licença Ambiental de Instalação (LAI). Porém, precisa atender um longo dossiê, com cerca de 60 condicionantes que incluem autorizações de outras entidades governamentais e entrega de projetos e planos ambientais.

As três licitações visam atender algumas dessas condicionantes. Uma das licitações, a Tomada de Preços nº 182/2018, tem por objeto a contratação de empresa especializada para prestação de serviços de consultoria em engenharia, para assessorar na preparação da documentação exigida no Licenciamento Ambiental Prévio. O prazo de cadastramento termina às 17h do dia 1º de outubro. A data de entrega e abertura dos envelopes será em 02 de outubro, até as 10h30.

Já a Tomada de Preços nº 184/2018 objetiva a contratação de empresa especializada para prestação de serviços de consultoria técnica, para assessorar na elaboração do Plano Básico Ambiental (PBA) das obras do prolongamento do molhe na foz do Rio Marambaia.

O prazo de cadastramento também se encerra às 17h do dia 1º de outubro. A data de entrega e abertura dos envelopes será em 02 de outubro, até às 14h30.

O Município também irá contratar uma empresa especializada para prestação de serviços de consultoria técnica, que vai assessorar na Elaboração do Plano Básico Ambiental (PBA) das obras de Alimentação Artificial da Praia Central, conforme a Tomada de Preços nº 185/2018.

O prazo de cadastramento termina às 17h do dia 02 de outubro. A data de entrega e abertura dos envelopes será em 03 de outubro, até às 10h30.

Os editais e termos de referências podem ser obtidos via e-mail compras@bc.sc.gov.br ou pelo site www.bc.sc.gov.br, no link licitações.

Próximos passos

Duas outras licitações devem ser lançadas em breve, sendo uma delas referente aos estudos arqueológicos da enseada. A diretora de Desenvolvimento Ambiental adianta que a exigência é de uma varredura subaquática, o que exige pessoal e equipamentos que a prefeitura não tem.

Com a reestruturação, a Praia Central deverá ficar com cerca de 50 metros a mais de faixa de areia. Atualmente, há trechos com apenas 25 metros.

No local, serão colocados 2,4 milhões de metros cúbicos de material trazidos de jazidas localizadas a cerca de 15 km da costa. Esse material serão semelhante ao existente na faixa de areia.

De acordo com a administração municipal, a obra em si está orçada em cerca de R$ 70 milhões. Ela deve ser iniciada após a liberação das licenças. O prazo total previsto para a execução é de nove meses.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade