Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Cidade
Dia da Árvore: plano de arborização começa a dar frutos em Balneário Camboriú

Quinta, 20/9/2018 18:05.
Divulgação PMBC
Árvores retiradas do canteiro central da Rua 3100 ganharam uma nova paisagem

Publicidade

Hoje, 21 de setembro, é Dia da Árvore, mas será que em uma cidade de concreto, como costuma ser lembrada Balneário Camboriú, existem motivos para celebrar? Existem sim.

Há exatamente um ano o prefeito Fabrício Oliveira assinava um projeto de lei que criava o plano de arborização da cidade. Seis meses depois esse projeto virou lei e desde então vem norteando as decisões que envolvem o plantio na cidade, uma espécie de plano diretor de arborização.

Foi um marco para Balneário Camboriú. A ideia começou a ser construída durante o governo Rubens Spernau, mas não foi levada adiante durante o governo Edson Piriquito, sendo retomada agora.

A bióloga da Secretaria de Obras, Arlete Tomazoni, que participou do processo desde o início, comemora os reflexos que já começam a aparecer.

Ela conta que além dos projetos de reurbanização seguirem as normas, também já estão recebendo consultas da comunidade buscando informações sobre espécies ideais e até calçadas verdes.

A lei estipula normas sobre espécies, distâncias, manejo e conservação da arborização urbana. Leia na íntegra aqui.

Reurbanizações

Plantio de mudas no Binário Sul

De acordo com Arlete, o prolongamento da Quarta Avenida (Binário Sul) também seguiu as normas e padrões da nova lei.

Só no trecho entre Rua 2650 até 3020 foram plantadas cerca de 140 mudas de queresmeiras roxa e rosa; Ingá feijão; Bolão Ouro; Sibipirunas; Ipê-rosa, amarelo e branco.

Arlete explica que a variação de espécies é importante para evitar pragas e garantir flores durante todo o ano.

A Rua 3100, um eixo importante de conexão do Binário Sul, também teve planejamento para definir a remoção e plantio de árvores.

Do canteiro central foram retiradas 16 árvores da espécie Ficus, elas foram transplantadas quase que imediatamente em um terreno da prefeitura entre o Fórum e a Avantis. O espaço está sendo usado por um novo grupo de escoteiros, que havia solicitado árvores que oferecessem sombra.

Arlete esclarece que o espaço foi escolhido também porque o Ficus é uma espécie invasora e suas raízes precisam de espaço.Nenhuma árvore foi perdida.

Houve críticas nas redes sociais sobre a remoção das árvores da 3100, mas a verdade é que naquele trecho serão plantadas novas espécies, mais adequadas ao local. "Não vamos perder árvores, na verdade vamos adicionar. A tendência é melhorar", pontuou Arlete.

Serão usadas árvores das espécies Quaresmeira, Sibipiruna, Ipê Amarelo , Ipê Rosa e Ingá.

Já na Terceira Avenida haverá mudanças em breve, com o prolongamento do sentido único.

O canteiro central começará a ser removido na próxima semana e os 40 coqueiros do trecho serão replantados em uma área da Marginal Oeste , onde serão abertos bolsões. Enquanto a obra não começa, elas ficarão em uma vala, com seus torrões protegidos. "Não vamos perder nada", concluiu a bióloga.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Divulgação PMBC
Árvores retiradas do canteiro central da Rua 3100 ganharam uma nova paisagem
Árvores retiradas do canteiro central da Rua 3100 ganharam uma nova paisagem

Dia da Árvore: plano de arborização começa a dar frutos em Balneário Camboriú

Publicidade

Quinta, 20/9/2018 18:05.

Hoje, 21 de setembro, é Dia da Árvore, mas será que em uma cidade de concreto, como costuma ser lembrada Balneário Camboriú, existem motivos para celebrar? Existem sim.

Há exatamente um ano o prefeito Fabrício Oliveira assinava um projeto de lei que criava o plano de arborização da cidade. Seis meses depois esse projeto virou lei e desde então vem norteando as decisões que envolvem o plantio na cidade, uma espécie de plano diretor de arborização.

Foi um marco para Balneário Camboriú. A ideia começou a ser construída durante o governo Rubens Spernau, mas não foi levada adiante durante o governo Edson Piriquito, sendo retomada agora.

A bióloga da Secretaria de Obras, Arlete Tomazoni, que participou do processo desde o início, comemora os reflexos que já começam a aparecer.

Ela conta que além dos projetos de reurbanização seguirem as normas, também já estão recebendo consultas da comunidade buscando informações sobre espécies ideais e até calçadas verdes.

A lei estipula normas sobre espécies, distâncias, manejo e conservação da arborização urbana. Leia na íntegra aqui.

Reurbanizações

Plantio de mudas no Binário Sul

De acordo com Arlete, o prolongamento da Quarta Avenida (Binário Sul) também seguiu as normas e padrões da nova lei.

Só no trecho entre Rua 2650 até 3020 foram plantadas cerca de 140 mudas de queresmeiras roxa e rosa; Ingá feijão; Bolão Ouro; Sibipirunas; Ipê-rosa, amarelo e branco.

Arlete explica que a variação de espécies é importante para evitar pragas e garantir flores durante todo o ano.

A Rua 3100, um eixo importante de conexão do Binário Sul, também teve planejamento para definir a remoção e plantio de árvores.

Do canteiro central foram retiradas 16 árvores da espécie Ficus, elas foram transplantadas quase que imediatamente em um terreno da prefeitura entre o Fórum e a Avantis. O espaço está sendo usado por um novo grupo de escoteiros, que havia solicitado árvores que oferecessem sombra.

Arlete esclarece que o espaço foi escolhido também porque o Ficus é uma espécie invasora e suas raízes precisam de espaço.Nenhuma árvore foi perdida.

Houve críticas nas redes sociais sobre a remoção das árvores da 3100, mas a verdade é que naquele trecho serão plantadas novas espécies, mais adequadas ao local. "Não vamos perder árvores, na verdade vamos adicionar. A tendência é melhorar", pontuou Arlete.

Serão usadas árvores das espécies Quaresmeira, Sibipiruna, Ipê Amarelo , Ipê Rosa e Ingá.

Já na Terceira Avenida haverá mudanças em breve, com o prolongamento do sentido único.

O canteiro central começará a ser removido na próxima semana e os 40 coqueiros do trecho serão replantados em uma área da Marginal Oeste , onde serão abertos bolsões. Enquanto a obra não começa, elas ficarão em uma vala, com seus torrões protegidos. "Não vamos perder nada", concluiu a bióloga.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade