Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Cidade
Invasão na Interpraias em Balneário Camboriú preocupa Meio Ambiente

Terça, 30/4/2019 17:52.
Divulgação/PMBC

Publicidade

Uma ação rápida que envolveu a Guarda Ambiental, a secretaria do Meio Ambiente (Semam), secretaria de Obras, Planejamento e o Cuida, impediu a construção de um casebre e demoliu um deck de 150 metros no meio da mata, entre as praias do Estaleiro e do Pinho.

A Guarda Ambiental registrou Boletim de Ocorrência e os demais órgãos fizeram a parte administrativa.

Todos estão preocupados com possíveis invasões na Interpraias.

A ação começou na sexta-feira e terminou nesta segunda-feira (29), quando foram retiradas todas as madeiras que estavam no alto do morro, sugerindo novas construções naquele local, protegido pelas leis ambientais.

O diretor de fiscalização da Semam, Edésio Pereira não esconde sua preocupação com o problema.

“A pessoa flagrada na construção disse que foi contratada por telefone, mas não sabe quem é o contratante. Para nós é um claro indicativo de invasão na Interpraias. Corremos toda região pedindo que as pessoas denunciem quando virem algo assim por lá. O Cuida está passando todos os dias no local para evitar que novas construções surjam da noite para o dia, como aconteceu na Fortaleza alguns anos atrás que ninguém viu e de repente tinha centenas de construções irregulares”, disse Edésio.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Divulgação/PMBC

Invasão na Interpraias em Balneário Camboriú preocupa Meio Ambiente

Publicidade

Terça, 30/4/2019 17:52.

Uma ação rápida que envolveu a Guarda Ambiental, a secretaria do Meio Ambiente (Semam), secretaria de Obras, Planejamento e o Cuida, impediu a construção de um casebre e demoliu um deck de 150 metros no meio da mata, entre as praias do Estaleiro e do Pinho.

A Guarda Ambiental registrou Boletim de Ocorrência e os demais órgãos fizeram a parte administrativa.

Todos estão preocupados com possíveis invasões na Interpraias.

A ação começou na sexta-feira e terminou nesta segunda-feira (29), quando foram retiradas todas as madeiras que estavam no alto do morro, sugerindo novas construções naquele local, protegido pelas leis ambientais.

O diretor de fiscalização da Semam, Edésio Pereira não esconde sua preocupação com o problema.

“A pessoa flagrada na construção disse que foi contratada por telefone, mas não sabe quem é o contratante. Para nós é um claro indicativo de invasão na Interpraias. Corremos toda região pedindo que as pessoas denunciem quando virem algo assim por lá. O Cuida está passando todos os dias no local para evitar que novas construções surjam da noite para o dia, como aconteceu na Fortaleza alguns anos atrás que ninguém viu e de repente tinha centenas de construções irregulares”, disse Edésio.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade