Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Fumtran de Balneário Camboriú se nega a revelar localização dos parquímetros
Reprodução.

Quarta, 6/2/2019 5:42.

A reportagem do Página 3 não conseguiu, mesmo com a intervenção do prefeito Fabrício Oliveira, a lista dos locais onde serão instalados os parquímetros do estacionamento rotativo. O diretor do Fundo Municipal de Trânsito, Mário César de Oliveira, se negou a fornecer.

Um mapa, quase ilegível, foi enviado ao Página 3 após o prefeito determinar que a informação fosse fornecida ao jornal.

A negativa vai contra o comportamento habitual do governo que é de total transparência e indica que a licitação do estacionamento rotativo não foi feita com base num projeto claro.

A licitação prevê a implantação de 2.800 vagas em até 6 meses, incluindo toda extensão das principais avenidas: do Estado, Terceira e Quarta, Brasil, Atlântica e transversais.

Porém, nesta primeira fase, que durará 60 dias, deverão ser ativadas 1.000 vagas.

O gestor alegou que a lista de ruas encontra-se em análise e será publicada assim que o Departamento de Trânsito emitir um parecer.

“Na primeira fase atinge a Avenida Brasil, Estado, Central, Terceira Avenida e transversais”, informou Mário.

Pelo edital, deverá haver um parquímetro para cada 200 vagas. Os usuários poderão pagar pelo uso da vaga no parquímetro, ou através de aplicativo ou ainda em pontos de venda físicos, que estão sendo cadastrados pela empresa no comércio local.

A reimplantação da zona azul em Balneário Camboriú já dura quase dois anos, entre recursos e até a suspensão da licitação por determinação das autoridades.

A medida divide opiniões. Enquanto o comércio pressiona o município para adotar o sistema e assim melhorar a rotatividade na área central, boa parte da população é contra a cobrança.
 

O mapa é quase ilegível.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Cidade

 Prefeitura começará a internar usuários de drogas


Mundo

Um dos principais destinos turísticos do mundo sofre com algas desde 2015


Geral

O cantor Armandinho organiza o festival, que tem entrada gratuita


Política

Derrota do governo é resposta de Maia à queda de Bebianno


Publicidade


Publicidade


Política

Ele aparentemente fez escolhas erradas em seu caminho político 


Divulgação

Excelente opção para os micro empreendedores, pequenas empresas e freelancers.


Policia

Gaúcho comeu no restaurante e não tinha dinheiro para pagar


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Fumtran de Balneário Camboriú se nega a revelar localização dos parquímetros

Reprodução.
Quarta, 6/2/2019 5:42.

A reportagem do Página 3 não conseguiu, mesmo com a intervenção do prefeito Fabrício Oliveira, a lista dos locais onde serão instalados os parquímetros do estacionamento rotativo. O diretor do Fundo Municipal de Trânsito, Mário César de Oliveira, se negou a fornecer.

Um mapa, quase ilegível, foi enviado ao Página 3 após o prefeito determinar que a informação fosse fornecida ao jornal.

A negativa vai contra o comportamento habitual do governo que é de total transparência e indica que a licitação do estacionamento rotativo não foi feita com base num projeto claro.

A licitação prevê a implantação de 2.800 vagas em até 6 meses, incluindo toda extensão das principais avenidas: do Estado, Terceira e Quarta, Brasil, Atlântica e transversais.

Porém, nesta primeira fase, que durará 60 dias, deverão ser ativadas 1.000 vagas.

O gestor alegou que a lista de ruas encontra-se em análise e será publicada assim que o Departamento de Trânsito emitir um parecer.

“Na primeira fase atinge a Avenida Brasil, Estado, Central, Terceira Avenida e transversais”, informou Mário.

Pelo edital, deverá haver um parquímetro para cada 200 vagas. Os usuários poderão pagar pelo uso da vaga no parquímetro, ou através de aplicativo ou ainda em pontos de venda físicos, que estão sendo cadastrados pela empresa no comércio local.

A reimplantação da zona azul em Balneário Camboriú já dura quase dois anos, entre recursos e até a suspensão da licitação por determinação das autoridades.

A medida divide opiniões. Enquanto o comércio pressiona o município para adotar o sistema e assim melhorar a rotatividade na área central, boa parte da população é contra a cobrança.
 

O mapa é quase ilegível.

Publicidade

Publicidade