Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Balneário Camboriú vai sugerir ao IMA mudança na análise da balneabilidade
BC Mil Grau
Registro da Atlântica durante a maior enxurrada do verão, no dia 13 de janeiro

Segunda, 28/1/2019 14:24.

A Prefeitura de Balneário Camboriú contesta a última análise de balneabilidade realizada pelo Instituto do Meio Ambiente (antiga FATMA), publicada na sexta-feira (25) que mostra todos os pontos de coleta da Praia Central impróprios para o banho.

O laudo de impropriedade foi afetado pela coleta feita dias antes, logo após Balneário Camboriú sofrer a maior enxurrada deste verão.

A água do mar na praia central, coletada nessas circunstâncias, sempre deu ao longo dos anos e sempre dará resultado impróprio porque a chuva lava os rios, os córregos, as ruas da cidade e tudo isso vai para o mar.

O que a maioria das pessoas não sabe é que 24 horas após a enxurrada o mar volta a apresentar boas condições.

Além disso, embora a legislação obrigue, a divulgação pelo IMA não reforça de maneira consistente para as pessoas tomarem conhecimento que a coleta foi realizada em condições extremas. 

Os laudos produzidos pelo Laboratório Freitag, contratrado pela Emasa para atender um termo de ajustamento com o Ministério Pùblico, mostra realidade completamente oposta à retratada pelo IMA, a maior parte da praia própria para banho.

O Laboratório Freitag é tradicional na região, contratado por grandes empresas para diversos laudos técnicos.

A diferença é que o IMA comete a insensatez de coletar sob péssimas condições e o Freitag não.

Para proteger a saúde do banhista, bastaria o IMA não coletar em condições extremas e afixar placas informando às pessoas que devem esperar 24 horas para entrar no mar em caso de chuva forte.

O secretário do Meio Ambiente, Ike Gevaerd, adiantou que a administração municipal quer agendar uma reunião com representantes do IMA para tratar sobre a periodicidade das coletas, a forma e a responsabilidade de divulgação dos resultados.

Considerando o grande impacto que os resultados têm sobre a economia da cidade, e que a situação do mar muda drasticamente a cada chuva forte (o que foi o caso dos dias anteriores à coleta) o governo municipal quer propor que o IMA faça mais coletas. Hoje o resultado é feito com base em uma coleta na semana.

"O IMA faz apenas uma coleta semanal e quando esta coleta coincide com uma enxurrada torna a praia imprópria para banho por no mínimo três semanas, afetando toda a temporada. A Resolução Conama 274 prevê que seja assim: cinco coletas com intervalo mínimo de 24 horas e quando a coleta for realizada em situação adversa isso deve estar explícito nos laudos. Se o IMA coletasse de 24 em 24 horas os resultados seriam bem diferentes. Vamos conversar com o IMA e buscar um entendimento", comentou o secretário do Meio Ambiente.

As análises

A coleta do IMA foi feita em Balneário Camboriú no dia 21 de janeiro. Foram considerados pontos próprios para o banho apenas: Praia do Estaleiro, Estaleirinho e Taquaras (em frente à escola municipal). Veja completa neste link.

Já a coleta da Emasa apresentou apenas um ponto impróprio, no Pontal Norte. A análise inclusive mostra menor concentração da bactéria E.coli na semana passada em praticamente todos os pontos, em comparação à anterior.

Análise da Emasa:

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Cidade

 Prefeitura começará a internar usuários de drogas


Mundo

Um dos principais destinos turísticos do mundo sofre com algas desde 2015


Geral

O cantor Armandinho organiza o festival, que tem entrada gratuita


Política

Derrota do governo é resposta de Maia à queda de Bebianno


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Balneário Camboriú vai sugerir ao IMA mudança na análise da balneabilidade

BC Mil Grau
Registro da Atlântica durante a maior enxurrada do verão, no dia 13 de janeiro
Registro da Atlântica durante a maior enxurrada do verão, no dia 13 de janeiro
Segunda, 28/1/2019 14:24.

A Prefeitura de Balneário Camboriú contesta a última análise de balneabilidade realizada pelo Instituto do Meio Ambiente (antiga FATMA), publicada na sexta-feira (25) que mostra todos os pontos de coleta da Praia Central impróprios para o banho.

O laudo de impropriedade foi afetado pela coleta feita dias antes, logo após Balneário Camboriú sofrer a maior enxurrada deste verão.

A água do mar na praia central, coletada nessas circunstâncias, sempre deu ao longo dos anos e sempre dará resultado impróprio porque a chuva lava os rios, os córregos, as ruas da cidade e tudo isso vai para o mar.

O que a maioria das pessoas não sabe é que 24 horas após a enxurrada o mar volta a apresentar boas condições.

Além disso, embora a legislação obrigue, a divulgação pelo IMA não reforça de maneira consistente para as pessoas tomarem conhecimento que a coleta foi realizada em condições extremas. 

Os laudos produzidos pelo Laboratório Freitag, contratrado pela Emasa para atender um termo de ajustamento com o Ministério Pùblico, mostra realidade completamente oposta à retratada pelo IMA, a maior parte da praia própria para banho.

O Laboratório Freitag é tradicional na região, contratado por grandes empresas para diversos laudos técnicos.

A diferença é que o IMA comete a insensatez de coletar sob péssimas condições e o Freitag não.

Para proteger a saúde do banhista, bastaria o IMA não coletar em condições extremas e afixar placas informando às pessoas que devem esperar 24 horas para entrar no mar em caso de chuva forte.

O secretário do Meio Ambiente, Ike Gevaerd, adiantou que a administração municipal quer agendar uma reunião com representantes do IMA para tratar sobre a periodicidade das coletas, a forma e a responsabilidade de divulgação dos resultados.

Considerando o grande impacto que os resultados têm sobre a economia da cidade, e que a situação do mar muda drasticamente a cada chuva forte (o que foi o caso dos dias anteriores à coleta) o governo municipal quer propor que o IMA faça mais coletas. Hoje o resultado é feito com base em uma coleta na semana.

"O IMA faz apenas uma coleta semanal e quando esta coleta coincide com uma enxurrada torna a praia imprópria para banho por no mínimo três semanas, afetando toda a temporada. A Resolução Conama 274 prevê que seja assim: cinco coletas com intervalo mínimo de 24 horas e quando a coleta for realizada em situação adversa isso deve estar explícito nos laudos. Se o IMA coletasse de 24 em 24 horas os resultados seriam bem diferentes. Vamos conversar com o IMA e buscar um entendimento", comentou o secretário do Meio Ambiente.

As análises

A coleta do IMA foi feita em Balneário Camboriú no dia 21 de janeiro. Foram considerados pontos próprios para o banho apenas: Praia do Estaleiro, Estaleirinho e Taquaras (em frente à escola municipal). Veja completa neste link.

Já a coleta da Emasa apresentou apenas um ponto impróprio, no Pontal Norte. A análise inclusive mostra menor concentração da bactéria E.coli na semana passada em praticamente todos os pontos, em comparação à anterior.

Análise da Emasa:

Publicidade

Publicidade