Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Abertura de garagem preocupa feirantes da Praça da Cultura e prefeitura garante que não vai prejudicar a feira
Cícero Viegas

Quinta, 4/7/2019 17:19.

Os feirantes da Praça da Cultura foram surpreendidos com a obra de uma garagem no meio da praça e da feira, autorizada pela prefeitura. Eles estranharam porque o prédio em questão, o Condomínio Edifício Maria Eduarda, já tem abertura na avenida Atlântica e agora ganhou outra saída pelos fundos. Além do precedente para outros prédios, a preocupação é que afeta o projeto de humanização da Praça da Cultura.

Os feirantes souberam que a autorização partiu da secretaria do Planejamento, mas em nenhum momento eles foram informados sobre a referida obra.

A Comissão da Feira Livre da Praça da Cultura de Balneário Camboriú encaminhou pedido de esclarecimento à 6ª Promotoria de Justiça da Comarca de Balneário Camboriú (MPE); prefeitura de Balneário Camboriú, Fundação Cultural e secretaria de Planejamento Urbano e Gestão Orçamentária.

No documento, eles pedem a imediata paralisação da obra; que seja revisto o processo de licenciamento, já que a obra está em logradouro público e irá alterar o uso e a ocupação do local e pedem garantia que a Praça da Cultura se mantenha de uso público e disponível para a realização de ações culturais, em especial a Feira Livre, para que outros condomínios, instalados na mesma situação, não façam novos pedidos como esse.

O que diz a prefeitura

A secretária do Planejamento Adeltraut Zoschke explicou que não há impeditivo legal para liberar a obra. Ela está conversando com o síndico do prédio e antecipa que neste sábado (6) e no seguinte (13) tudo permanece igual na Praça da Cultura.

Segundo a secretária, o entendimento com os moradores, que não querem prejudicar a feira, pode resultar em duas opções: fazer uma área compartilhada, para que aos sábados os moradores usem somente a entrada pela Atlântica ou realocar as duas feirinhas.

Durante a semana a negociação continua, mas ela afirmou que não há motivo para preocupação por parte dos feirantes. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Abertura de garagem preocupa feirantes da Praça da Cultura e prefeitura garante que não vai prejudicar a feira

Cícero Viegas

Publicidade

Quinta, 4/7/2019 17:19.

Os feirantes da Praça da Cultura foram surpreendidos com a obra de uma garagem no meio da praça e da feira, autorizada pela prefeitura. Eles estranharam porque o prédio em questão, o Condomínio Edifício Maria Eduarda, já tem abertura na avenida Atlântica e agora ganhou outra saída pelos fundos. Além do precedente para outros prédios, a preocupação é que afeta o projeto de humanização da Praça da Cultura.

Os feirantes souberam que a autorização partiu da secretaria do Planejamento, mas em nenhum momento eles foram informados sobre a referida obra.

A Comissão da Feira Livre da Praça da Cultura de Balneário Camboriú encaminhou pedido de esclarecimento à 6ª Promotoria de Justiça da Comarca de Balneário Camboriú (MPE); prefeitura de Balneário Camboriú, Fundação Cultural e secretaria de Planejamento Urbano e Gestão Orçamentária.

No documento, eles pedem a imediata paralisação da obra; que seja revisto o processo de licenciamento, já que a obra está em logradouro público e irá alterar o uso e a ocupação do local e pedem garantia que a Praça da Cultura se mantenha de uso público e disponível para a realização de ações culturais, em especial a Feira Livre, para que outros condomínios, instalados na mesma situação, não façam novos pedidos como esse.

O que diz a prefeitura

A secretária do Planejamento Adeltraut Zoschke explicou que não há impeditivo legal para liberar a obra. Ela está conversando com o síndico do prédio e antecipa que neste sábado (6) e no seguinte (13) tudo permanece igual na Praça da Cultura.

Segundo a secretária, o entendimento com os moradores, que não querem prejudicar a feira, pode resultar em duas opções: fazer uma área compartilhada, para que aos sábados os moradores usem somente a entrada pela Atlântica ou realocar as duas feirinhas.

Durante a semana a negociação continua, mas ela afirmou que não há motivo para preocupação por parte dos feirantes. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade