Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Cidade
Suspeita, manutenção da Iluminação em Balneário Camboriú passa a custar 30% menos

MP investiga atuação de empresas do setor. Controle da prefeitura forçou baixa dos preços.

Segunda, 24/6/2019 8:28.
Celso Peixoto

Publicidade

O serviço anual de manutenção da iluminação pública que a prefeitura de Balneário Camboriú pagou mais de R$ 500 mil em janeiro de 2016, teve seu preço reduzido para 380 mil na licitação concluída na semana passada.

A economia superior a 30% após três anos parece ser resultado de ação do controle interno da prefeitura que recusou diversos orçamentos com preços mais altos apresentados nos últimos meses e que serviriam de base para processos licitatórios.

Nessa licitação da semana passada, os orçamentos iniciais passavam de R$ 1 milhão.

O mesmo fenômeno aconteceu na compra de materiais para iluminação e seu consumo que agora é controlado pelo almoxarifado central.

A pressão do controle de gastos causou deficiências no serviço e reclamações da população.

O Ministério Público investiga os fatos, há suspeitas de combinação de preços entre licitantes e da participação de funcionários da prefeitura nos fatos.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Celso Peixoto

Suspeita, manutenção da Iluminação em Balneário Camboriú passa a custar 30% menos

MP investiga atuação de empresas do setor. Controle da prefeitura forçou baixa dos preços.

Publicidade

Segunda, 24/6/2019 8:28.

O serviço anual de manutenção da iluminação pública que a prefeitura de Balneário Camboriú pagou mais de R$ 500 mil em janeiro de 2016, teve seu preço reduzido para 380 mil na licitação concluída na semana passada.

A economia superior a 30% após três anos parece ser resultado de ação do controle interno da prefeitura que recusou diversos orçamentos com preços mais altos apresentados nos últimos meses e que serviriam de base para processos licitatórios.

Nessa licitação da semana passada, os orçamentos iniciais passavam de R$ 1 milhão.

O mesmo fenômeno aconteceu na compra de materiais para iluminação e seu consumo que agora é controlado pelo almoxarifado central.

A pressão do controle de gastos causou deficiências no serviço e reclamações da população.

O Ministério Público investiga os fatos, há suspeitas de combinação de preços entre licitantes e da participação de funcionários da prefeitura nos fatos.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade