Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Balneário Camboriú concorre com três praias e uma marina por certificação internacional
Divulgação/Sectur
Taquaras segue tentando a certificação

Sexta, 28/6/2019 16:07.

Em reunião realizada nesta quinta-feira (27), no Ministério do Turismo, em Brasília, os integrantes do júri nacional do Programa Bandeira Azul recomendaram a certificação internacional de 13 praias e seis marinas que atenderam aos pré-requisitos do projeto. Além de atestar a qualidade da água com exames periódicos de balneabilidade, infraestrutura, segurança e acessibilidade, as candidaturas apresentaram uma série de compromissos das comunidades com o meio ambiente e a sustentabilidade dos destinos turísticos durante a temporada 2019/2020.

A coordenadora-geral de Sustentabilidade e Turismo Responsável do Ministério do Turismo, Gabrielle Andrade, que integra o júri, comemorou a ampliação do programa para além do Sul e Sudeste, onde se concentra a maior parte das praias e marinas certificadas desde 2005. Na temporada passada, 15 indicações foram aprovadas em todo o Brasil.

“A ampliação do número de candidaturas ao júri internacional é muito importante e demonstra o interesse dos gestores municipais em qualificar a oferta de praias como atrativos turísticos diferenciados e pautadas pelo turismo sustentável”, afirmou.

Os nomes das 13 praias e seis marinas só vão ser divulgados em outubro, após a apreciação do júri internacional, que vai se reunir em Copenhague, na Dinamarca, no mês de setembro. Os destinos brasileiros que forem contemplados com a certificação poderão hastear a Bandeira Azul já em 1º de novembro, podendo usufruir da certificação durante toda a temporada de verão. Alguns destinos, principalmente do Nordeste onde o sol brilha o ano inteiro, pleitearam a certificação anual. As marinas contempladas pelo programa também hasteiam a bandeira o ano todo.

O turismo de lazer, incluindo as praias, é a principal motivação dos turistas estrangeiros que visitam o Brasil.

A coordenadora do programa, Leana Bernardi, do Instituto Ambientes em Rede, de Santa Catarina, lembrou que a certificação Bandeira Azul já está presente em 45 países e qualifica esse espaço também na costa brasileira.

“Para o turista europeu, a Bandeira Azul é um grande diferencial. Quando o turista brasileiro conhecer mais a importância de uma praia com a certificação será um ponto cada vez mais significativo para o turismo doméstico”, disse.

Além do Ministério do Turismo, integram o júri do programa no Brasil os ministérios da Educação e do Meio Ambiente, a Secretaria do Patrimônio da União, a Associação Náutica Brasileira, a Agência Brasileira de Gerenciamento Costeiro, a Fundação SOS Mata Atlântica e a Sociedade Brasileira de Salvamento Aquático.

Balneário Camboriú

A secretaria do Meio Ambiente inscreveu as duas praias certificadas no ano passado - Estaleiro e Estaleirinho e novamente a praia de Taquaras, que estácumprindo a fase piloto. Além das três praias, concorre com a Marina Tedesco, que foi certificada no ano passado.

O programa

A Bandeira Azul incentiva autoridades locais, gestores de praia, de marinas e operadores de barcos de turismo sustentável a buscarem padrões elevados de gestão em seis categorias: qualidade da água, gestão ambiental, educação e informação ambiental, segurança e serviços, responsabilidade social e operações responsáveis em torno da vida selvagem. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Balneário Camboriú concorre com três praias e uma marina por certificação internacional

Divulgação/Sectur
Taquaras segue tentando a certificação
Taquaras segue tentando a certificação

Publicidade

Sexta, 28/6/2019 16:07.

Em reunião realizada nesta quinta-feira (27), no Ministério do Turismo, em Brasília, os integrantes do júri nacional do Programa Bandeira Azul recomendaram a certificação internacional de 13 praias e seis marinas que atenderam aos pré-requisitos do projeto. Além de atestar a qualidade da água com exames periódicos de balneabilidade, infraestrutura, segurança e acessibilidade, as candidaturas apresentaram uma série de compromissos das comunidades com o meio ambiente e a sustentabilidade dos destinos turísticos durante a temporada 2019/2020.

A coordenadora-geral de Sustentabilidade e Turismo Responsável do Ministério do Turismo, Gabrielle Andrade, que integra o júri, comemorou a ampliação do programa para além do Sul e Sudeste, onde se concentra a maior parte das praias e marinas certificadas desde 2005. Na temporada passada, 15 indicações foram aprovadas em todo o Brasil.

“A ampliação do número de candidaturas ao júri internacional é muito importante e demonstra o interesse dos gestores municipais em qualificar a oferta de praias como atrativos turísticos diferenciados e pautadas pelo turismo sustentável”, afirmou.

Os nomes das 13 praias e seis marinas só vão ser divulgados em outubro, após a apreciação do júri internacional, que vai se reunir em Copenhague, na Dinamarca, no mês de setembro. Os destinos brasileiros que forem contemplados com a certificação poderão hastear a Bandeira Azul já em 1º de novembro, podendo usufruir da certificação durante toda a temporada de verão. Alguns destinos, principalmente do Nordeste onde o sol brilha o ano inteiro, pleitearam a certificação anual. As marinas contempladas pelo programa também hasteiam a bandeira o ano todo.

O turismo de lazer, incluindo as praias, é a principal motivação dos turistas estrangeiros que visitam o Brasil.

A coordenadora do programa, Leana Bernardi, do Instituto Ambientes em Rede, de Santa Catarina, lembrou que a certificação Bandeira Azul já está presente em 45 países e qualifica esse espaço também na costa brasileira.

“Para o turista europeu, a Bandeira Azul é um grande diferencial. Quando o turista brasileiro conhecer mais a importância de uma praia com a certificação será um ponto cada vez mais significativo para o turismo doméstico”, disse.

Além do Ministério do Turismo, integram o júri do programa no Brasil os ministérios da Educação e do Meio Ambiente, a Secretaria do Patrimônio da União, a Associação Náutica Brasileira, a Agência Brasileira de Gerenciamento Costeiro, a Fundação SOS Mata Atlântica e a Sociedade Brasileira de Salvamento Aquático.

Balneário Camboriú

A secretaria do Meio Ambiente inscreveu as duas praias certificadas no ano passado - Estaleiro e Estaleirinho e novamente a praia de Taquaras, que estácumprindo a fase piloto. Além das três praias, concorre com a Marina Tedesco, que foi certificada no ano passado.

O programa

A Bandeira Azul incentiva autoridades locais, gestores de praia, de marinas e operadores de barcos de turismo sustentável a buscarem padrões elevados de gestão em seis categorias: qualidade da água, gestão ambiental, educação e informação ambiental, segurança e serviços, responsabilidade social e operações responsáveis em torno da vida selvagem. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade