Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Teste de câmeras é o começo do ‘muro virtual’ das forças da segurança em Balneário

Quinta, 16/5/2019 9:45.

Em parceria com a Polícia Militar, a prefeitura está testando câmeras de reconhecimento facial e identificação de placas de veículos. O cruzamento da Quarta Avenida com a Alvin Bauer foi o ponto escolhido como local para testes, que entraram em funcionamento esta semana. A previsão é que os dois equipamentos sejam testados em 60 dias, mas se eles não atenderem às expectativas serão substituídos.

A utilização dessas câmeras é o primeiro passo para a construção do chamado ‘muro virtual’, proposto no plano de união das forças da segurança. O objetivo é tornar Balneário Camboriú a cidade mais segura do país.

O secretário de Segurança, David Queiroz, explica que pretendem ter em Balneário a melhor tecnologia, exatamente para conseguir atingir o que propuseram no plano.

“Teremos um verdadeiro muro virtual, mas para isso precisamos de um banco de dados, exatamente para fazer o comparativo do rosto captado com a central. A Polícia Civil já tem um banco bem rico, através do sistema de cadastro de quem tirou CNH, por exemplo. A nossa expectativa é que essas câmeras tenham um índice de reconhecimento bem alto”, destaca.

Por Balneário ser uma cidade turística e de grande circulação de pessoas, David acredita que isso pode contribuir para a captura de possíveis foragidos, a exemplo dos dois gaúchos que estavam morando nas ruas do município e foram presos recentemente. Se já existissem as câmeras, eles possivelmente teriam sido identificados ainda mais rapidamente.

Ao final da execução do plano, a expectativa é que a cidade esteja monitorada por 250 câmeras – hoje há cerca de 80. Não serão todas de reconhecimento facial, haverá também as de reconhecimento de placas de veículos, que podem apontar documentos atrasados e até se o carro/moto é furtado/roubado. “Em um segundo momento vamos lançar a licitação para adquirir o restante, para que consigamos montar o nosso muro virtual. Quanto mais câmeras tivermos, melhor. Os testes estão sendo feitos exatamente para definirmos qual é a melhor opção para utilizarmos na cidade. Vamos buscar orçamento, por isso ainda não posso falar sobre valores, e isso passará pelo conselho gestor. Não é algo que resolveremos em uma semana, vai demorar alguns meses”, finaliza.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Teste de câmeras é o começo do ‘muro virtual’ das forças da segurança em Balneário

Publicidade

Quinta, 16/5/2019 9:45.

Em parceria com a Polícia Militar, a prefeitura está testando câmeras de reconhecimento facial e identificação de placas de veículos. O cruzamento da Quarta Avenida com a Alvin Bauer foi o ponto escolhido como local para testes, que entraram em funcionamento esta semana. A previsão é que os dois equipamentos sejam testados em 60 dias, mas se eles não atenderem às expectativas serão substituídos.

A utilização dessas câmeras é o primeiro passo para a construção do chamado ‘muro virtual’, proposto no plano de união das forças da segurança. O objetivo é tornar Balneário Camboriú a cidade mais segura do país.

O secretário de Segurança, David Queiroz, explica que pretendem ter em Balneário a melhor tecnologia, exatamente para conseguir atingir o que propuseram no plano.

“Teremos um verdadeiro muro virtual, mas para isso precisamos de um banco de dados, exatamente para fazer o comparativo do rosto captado com a central. A Polícia Civil já tem um banco bem rico, através do sistema de cadastro de quem tirou CNH, por exemplo. A nossa expectativa é que essas câmeras tenham um índice de reconhecimento bem alto”, destaca.

Por Balneário ser uma cidade turística e de grande circulação de pessoas, David acredita que isso pode contribuir para a captura de possíveis foragidos, a exemplo dos dois gaúchos que estavam morando nas ruas do município e foram presos recentemente. Se já existissem as câmeras, eles possivelmente teriam sido identificados ainda mais rapidamente.

Ao final da execução do plano, a expectativa é que a cidade esteja monitorada por 250 câmeras – hoje há cerca de 80. Não serão todas de reconhecimento facial, haverá também as de reconhecimento de placas de veículos, que podem apontar documentos atrasados e até se o carro/moto é furtado/roubado. “Em um segundo momento vamos lançar a licitação para adquirir o restante, para que consigamos montar o nosso muro virtual. Quanto mais câmeras tivermos, melhor. Os testes estão sendo feitos exatamente para definirmos qual é a melhor opção para utilizarmos na cidade. Vamos buscar orçamento, por isso ainda não posso falar sobre valores, e isso passará pelo conselho gestor. Não é algo que resolveremos em uma semana, vai demorar alguns meses”, finaliza.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade