Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Cidade
Meio ambiente de Balneário inicia fiscalização da pesca da tainha

O controle é feito em todo o território, da Brava ao Estaleirinho

Sexta, 3/5/2019 17:56.
Divulgação

Publicidade

A secretaria do Meio Ambiente iniciou nesta tarde (3) a fiscalização da pesca da tainha, ação sob o comando do departamento de fiscalização da pasta em parceria com a Polícia Militar Ambiental, que está sediada em Balneário Camboriú. O trabalho começou na Barra Norte, Ilha das Cabras e Laranjeiras em uma lancha alugada pela secretaria do Meio Ambiente por 90 dias.

O diretor de fiscalização Edésio Pereira disse que o controle é feito em todo o território, do costão da Praia Brava até a praia do Estaleirinho, tanto no mar como na areia.

“Neste período nós fiscalizamos redes feiticeiras com malhas não permitidas, respeitar a distância do costão e a colocação das redes, a distância da praia até a colocação das redes. É uma fiscalização bastante interessante, porque estabelece normas e critérios sobre o que pode e não pode na pesca de arrastão com canoas a remo. Também fiscalizamos os barcos que pescam sem respeitar a distância mínima, como também outro tipo de pesca que não seja o arrastão, mas esteja dentro do espaço do arrastão”, disse Edésio.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Divulgação

Meio ambiente de Balneário inicia fiscalização da pesca da tainha

O controle é feito em todo o território, da Brava ao Estaleirinho

Publicidade

Sexta, 3/5/2019 17:56.

A secretaria do Meio Ambiente iniciou nesta tarde (3) a fiscalização da pesca da tainha, ação sob o comando do departamento de fiscalização da pasta em parceria com a Polícia Militar Ambiental, que está sediada em Balneário Camboriú. O trabalho começou na Barra Norte, Ilha das Cabras e Laranjeiras em uma lancha alugada pela secretaria do Meio Ambiente por 90 dias.

O diretor de fiscalização Edésio Pereira disse que o controle é feito em todo o território, do costão da Praia Brava até a praia do Estaleirinho, tanto no mar como na areia.

“Neste período nós fiscalizamos redes feiticeiras com malhas não permitidas, respeitar a distância do costão e a colocação das redes, a distância da praia até a colocação das redes. É uma fiscalização bastante interessante, porque estabelece normas e critérios sobre o que pode e não pode na pesca de arrastão com canoas a remo. Também fiscalizamos os barcos que pescam sem respeitar a distância mínima, como também outro tipo de pesca que não seja o arrastão, mas esteja dentro do espaço do arrastão”, disse Edésio.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade