Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Rizzo Parking tentou entregar 66 parquímetros a menos em Balneário Camboriú

Quarta, 13/3/2019 7:12.

Um representante da empresa Rizzo Parking, vencedora da licitação para o estacionamento rotativo em Balneário Camboriú, esteve na sede da prefeitura nesta semana alegando que foram pedidas adequações pelo Fundo Municipal de Trânsito (Fumtran) e elas ainda não estão prontas.

A alegação é falsa, provavelmente para justificar o descumprimento da data de início de funcionamento que é dentro de 5 dias.

O que o Fumtran exigiu foi o cumprimento do contrato.

Por exemplo, a Rizzo Parking numa primeira planilha apresentou 140 parquímetros como previsto na licitação, mas num segundo documento reduziu a quantidade para 74.

Essa diferença de 66 parquímetros a menos representa em torno de R$ 1,5 milhão que a Rizzo economizaria, valor superior ao do contrato que firmou com a prefeitura.

O projeto que a Rizzo entregou à prefeitura, em desconformidade com o contratado, revela desconhecimento da realidade de Balneário Camboriú porque, por exemplo, prevê apenas um parquímetro para toda a Terceira Avenida e dois para toda a Avenida Brasil.

FUMTRAN INCOMPETENTE

O Fumtran tem parte da culpa na confusão porque produziu um projeto de estacionamento rotativo que mistura tecnologia antiga (parquímetros) com moderna (pontos de venda e aplicativo), mas baseou toda a engenharia financeira em parquímetros, criando uma figura bizarra, o aluguel dessas máquinas.

Mais do que isso, dimensionou a necessidade de 140 parquímetros o que exige investimento em torno de R$ 3 milhões.

Com pontos de venda no comércio e aplicativo de celular não haveria necessidade de parquímetro algum, soluções mais baratas poderiam ser adotadas, reduzindo o custo para os motoristas porque o objetivo não é arrecadar e sim fazer as vagas rodarem.

O Fumtran é tão desnorteado neste assunto que na licitação anterior, cancelada por determinação do Tribunal de Contas, a quantidade de parquímetros era 14, portanto 10% da exigida agora.  

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Geral

 O encontro traz à cidade palestrantes renomados no país. 


Cidade

No Estaleiro e no Estaleirinho as bandeiras seguem hasteadas até a Páscoa


Política

Guru do bolsonarismo afirmou isso no sábado em evento nos Estados Unidos


Cidade

Ele estaria em licença de saúde, mas no filme não parece doente


Publicidade


Geral

Captura além da cota em 2018 é o argumento do governo para impedir a safra de 2019.  


Esportes

Um dos campeões é de Balneário Camboriú


Geral


Cidade

Não iniciou e diretor da segunda colocada na liciitação é acusado na Lava Jato


Publicidade


Justiça

A prisão após a condenação em segunda instância, será avaliada em abril pelo STF.


Política


Geral

Leitores lançam suspeitas sobre procedimento da Caixa


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Rizzo Parking tentou entregar 66 parquímetros a menos em Balneário Camboriú

Quarta, 13/3/2019 7:12.

Um representante da empresa Rizzo Parking, vencedora da licitação para o estacionamento rotativo em Balneário Camboriú, esteve na sede da prefeitura nesta semana alegando que foram pedidas adequações pelo Fundo Municipal de Trânsito (Fumtran) e elas ainda não estão prontas.

A alegação é falsa, provavelmente para justificar o descumprimento da data de início de funcionamento que é dentro de 5 dias.

O que o Fumtran exigiu foi o cumprimento do contrato.

Por exemplo, a Rizzo Parking numa primeira planilha apresentou 140 parquímetros como previsto na licitação, mas num segundo documento reduziu a quantidade para 74.

Essa diferença de 66 parquímetros a menos representa em torno de R$ 1,5 milhão que a Rizzo economizaria, valor superior ao do contrato que firmou com a prefeitura.

O projeto que a Rizzo entregou à prefeitura, em desconformidade com o contratado, revela desconhecimento da realidade de Balneário Camboriú porque, por exemplo, prevê apenas um parquímetro para toda a Terceira Avenida e dois para toda a Avenida Brasil.

FUMTRAN INCOMPETENTE

O Fumtran tem parte da culpa na confusão porque produziu um projeto de estacionamento rotativo que mistura tecnologia antiga (parquímetros) com moderna (pontos de venda e aplicativo), mas baseou toda a engenharia financeira em parquímetros, criando uma figura bizarra, o aluguel dessas máquinas.

Mais do que isso, dimensionou a necessidade de 140 parquímetros o que exige investimento em torno de R$ 3 milhões.

Com pontos de venda no comércio e aplicativo de celular não haveria necessidade de parquímetro algum, soluções mais baratas poderiam ser adotadas, reduzindo o custo para os motoristas porque o objetivo não é arrecadar e sim fazer as vagas rodarem.

O Fumtran é tão desnorteado neste assunto que na licitação anterior, cancelada por determinação do Tribunal de Contas, a quantidade de parquímetros era 14, portanto 10% da exigida agora.  

Publicidade

Publicidade