Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Situação denunciada por leitor em 2015, na rua 3.850, ainda não foi resolvida
Enviada por morador.
Rua 3.850 na tarde de quinta-feira (14). Mesmo com chuva rápida a água se acumula, já que não há para onde escoar.

Sexta, 15/3/2019 12:36.

Em 2015, o leitor Leandro Rebelo, 38 anos, autônomo, denunciou ao Página 3 que a Rua 3.850, onde reside, não possui bocas de lobo, ficando impossível para a água da chuva escoar. Passaram-se quatro anos e os moradores continuam tendo que eliminar a água que acumula por conta própria.

Antes da rua ser asfaltada a terra absorvia a água, mas desde que fizeram a obra isso não aconteceu mais. Moradores chegaram a quebrar pedaços da via para que a água escoasse. "Não precisa chover muito para alagar. Na quinta-feira (14) tivemos uma chuva rápida e já alagou. Quando chove muito ficamos com medo da água entrar na sisterna e a contaminar. Já houve diversas situações emergenciais no condomínio onde moro", conta.

Na época da primeira matéria publicada pelo Página 3 (https://www.pagina3.com.br/cidade/2015/set/24/1/prefeitura-fecha-bocas-de-lobo-e-moradores-sofrem-com-falta-de-drenagem) o secretário de Obras era Arlindo Cruz. Ele disse que sabia da situação e que não havia o que fazer, pois não havia previsão de fazer o sistema pluvial da rua.

Nada foi feito e até hoje só há sistema pluvial na Avenida Normando Tedesco e na Atlântica, nas duas saídas. A rua ao lado, a 3.900, possui o sistema porque é por ela que passa a ligação da Avenida Atlântica com o Rio Camboriú.

A reportagem procurou a Secretaria de Obras e, através da assessoria de imprensa da prefeitura, foi informado que na próxima semana uma equipe irá ao local para fazer uma avaliação. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade


Geral

Captura além da cota em 2018 é o argumento do governo para impedir a safra de 2019.  


Esportes

Um dos campeões é de Balneário Camboriú


Geral


Cidade

Não iniciou e diretor da segunda colocada na liciitação é acusado na Lava Jato


Publicidade


Justiça

A prisão após a condenação em segunda instância, será avaliada em abril pelo STF.


Política


Geral

Leitores lançam suspeitas sobre procedimento da Caixa


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Situação denunciada por leitor em 2015, na rua 3.850, ainda não foi resolvida

Enviada por morador.
Rua 3.850 na tarde de quinta-feira (14). Mesmo com chuva rápida a água se acumula, já que não há para onde escoar.
Rua 3.850 na tarde de quinta-feira (14). Mesmo com chuva rápida a água se acumula, já que não há para onde escoar.
Sexta, 15/3/2019 12:36.

Em 2015, o leitor Leandro Rebelo, 38 anos, autônomo, denunciou ao Página 3 que a Rua 3.850, onde reside, não possui bocas de lobo, ficando impossível para a água da chuva escoar. Passaram-se quatro anos e os moradores continuam tendo que eliminar a água que acumula por conta própria.

Antes da rua ser asfaltada a terra absorvia a água, mas desde que fizeram a obra isso não aconteceu mais. Moradores chegaram a quebrar pedaços da via para que a água escoasse. "Não precisa chover muito para alagar. Na quinta-feira (14) tivemos uma chuva rápida e já alagou. Quando chove muito ficamos com medo da água entrar na sisterna e a contaminar. Já houve diversas situações emergenciais no condomínio onde moro", conta.

Na época da primeira matéria publicada pelo Página 3 (https://www.pagina3.com.br/cidade/2015/set/24/1/prefeitura-fecha-bocas-de-lobo-e-moradores-sofrem-com-falta-de-drenagem) o secretário de Obras era Arlindo Cruz. Ele disse que sabia da situação e que não havia o que fazer, pois não havia previsão de fazer o sistema pluvial da rua.

Nada foi feito e até hoje só há sistema pluvial na Avenida Normando Tedesco e na Atlântica, nas duas saídas. A rua ao lado, a 3.900, possui o sistema porque é por ela que passa a ligação da Avenida Atlântica com o Rio Camboriú.

A reportagem procurou a Secretaria de Obras e, através da assessoria de imprensa da prefeitura, foi informado que na próxima semana uma equipe irá ao local para fazer uma avaliação. 

Publicidade

Publicidade