Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Cidade
Página 3 faz o Giro do Verão pela praia central

Cenário do ‘point’ mais congestionado desta temporada

Quinta, 9/1/2020 9:01.

Publicidade

Renata Rutes

A reportagem do Página 3 circulou pela praia central, onde está a maior concentração de veranistas, para observar a movimentação, colher opiniões dos turistas, das pessoas que trabalham onde outros se divertem. Conversou com salva-vidas que gostariam que as pessoas respeitassem mais as bandeiras. Ouviu ambulantes que sentem falta dos argentinos. Verificou a demanda no postinho de saúde da praia reativado neste verão e aproveita para divulgar a quem curte praticar esportes ou mexer o corpo, as atividades orientadas que começam nesta sexta-feira e só terminam em fevereiro.

Vendedores ambulantes sentem falta dos turistas argentinos

Foto: Renata RutesComércio na praia não é mais o mesmo, dizem vendedores

Segundo a Secretaria Municipal da Fazenda, cerca de 280 vendedores ambulantes estão trabalhando na praia central.

Eles vendem picolés, sorvetes, açaí, sanduíche natural, salada de frutas, algodão doce, casquinha de biju, batatinha chips, além de chapéus, saídas de banho, tornozeleiras e brincos.

A reportagem do Página 3 conversou com alguns deles, que opinaram sobre o movimento de turistas e demonstraram descontentamento com a fraca vinda dos argentinos, causada pela crise econômica que o país passa. Confira!

Fotos: Renata Rutes

Sérgio Almeida, 69 anos, é vendedor ambulante em Balneário há 30 anos. Atualmente ele vende picolé, mas começou vendendo suco de laranja natural

“Naquela época vendíamos 200 garrafas de suco por dia, mas depois só os quiosques podiam vender. Há 15 anos vendo picolé, comecei com os da Eskimó, que hoje tem loja na cidade, depois Kibon e Nestlé. Quando eu tinha que levar a caixa era complicado, era pesado, muito cansativo, hoje liberaram o carrinho e é muito melhor para o nosso serviço. A temporada está um pouco baixa, os argentinos vêm fazendo muita falta. Eles estão vindo cada vez menos, não tem como virem com o peso a 16 centavos. Também percebo que há bem menos pessoas para os primeiros dias de janeiro, antigamente nessa época a praia costumava estar muito mais lotada, não dava nem para caminhar direito. Aos fins de semana aumenta um pouco por conta do pessoal que vem da região, de Blumenau, Curitiba, mas acredito que tem um movimento 40% menor em relação a última temporada”.

Mário Ribeiro dos Santos, 44 anos, está trabalhando em sua 17ª temporada em Balneário Camboriú, ele vende saídas de banho que custam entre R$ 35 e R$ 60

“Antes tinha mais gente, vinha muito argentino, eles não estão vindo nem perto de como vinham antigamente. O brasileiro ainda vem, mas essa era a hora de estarmos recebendo os argentinos e isso não aconteceu. O brasileiro está comprando igual ao ano passado, mas as vendas caíram por conta da ausência dos argentinos, sim. Balneário Camboriú ainda é uma cidade que atrai, mas já foi melhor. Acredito que as pessoas têm medo por conta da segurança, mas é um lugar muito bom. Vejo turistas dizendo que visitam outras praias e sempre retornam porque Balneário é show, é a melhor”.

José Almir Ferreira Santos, 26 anos, vende chapéus há três anos na praia central.

“Até dia 31 estava ótimo, depois vejo que caiu o movimento em 80%, e mostra que tem alguma coisa errada acontecendo. Os argentinos fazem falta. Os brasileiros gastam, mas falta público. Do dia 19 de dezembro até hoje (7) eu vendi para apenas um casal de argentinos, isso mostra que eles realmente não estão vindo. Falta mais atrativos em Balneário, porque não adianta negar: a ausência dos argentinos nos afeta muitíssimo. Algo tem que ser feito”.


Postinho de saúde da praia central já realizou mais de 590 atendimentos neste verão

Foto: Renata RutesAtendimento na praia voltou a funcionar em dezembro

O postinho de saúde da praia central, que voltou a funcionar embaixo do posto dos guarda-vidas em frente à Rua 1.400, já atendeu mais de 590 pessoas neste verão. Os atendimentos iniciaram em 14 de dezembro. 95% do público que vai ao local são idosos. Lá são feitas medições de pressão e glicemia, além de vacinas e curativos. Todos os atendimentos são gratuitos e abertos a todos, desde moradores como turistas (inclusive estrangeiros).

• Atendimentos

Foto: Renata RutesAposentado Paterno diz que é frequentador assíduo

A diretora da Vigilância Epidemiológica, Adriana Ribeiro, estava no posto para receber a reportagem do Página 3. Ela conta que desde 14 de dezembro já foram feitas no local 590 medições de pressão e glicemia, seis curativos (sendo um de queimadura por água-viva) e um encaminhamento ao SAMU. No local também são oferecidas vacinas contra a febre amarela e a tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola).

“Das pessoas que nos procuram 95% são idosos, mas o público geral sabe que reabrimos e ficam felizes por que é uma opção rápida não necessitando ir até outro posto. Quem está na praia, pode vir aqui”, diz.

O local foi todo reformado, desde pintura como pisos, ar-condicionado e estrutura para atender a equipe que lá atua (frigobar, microondas, etc).

A prefeitura também elaborou uma série de panfletos informativos, falando desde a importância da higiene e de lavar as mãos, como dicas de acondicionamento de alimentos na praia, dengue, febre amarela e sarampo. Todos eles podem ser retirados na unidade.

O aposentado Osvaldo Paterno estava sendo atendido no local na manhã desta quarta-feira (8), ele diz que é frequentador assíduo do postinho, e inclusive foi até lá para fazer um curativo nesta semana porque havia se machucado.

“É muito bom, o pessoal já me conhece. Dessa vez vim medir a pressão”, conta.

• Febre amarela e sarampo

Adriana salienta que a grande preocupação é com a febre amarela e o sarampo. Ela lembra que Santa Catarina possui o chamado ‘corredor da Mata Atlântica’, por onde o vírus circula. Hoje 54% da população de Balneário Camboriú está imunizada quanto a febre amarela, restando pouco menos da metade, o que é um número significativo.

“Fomos até bares, restaurantes e hotéis pedindo apoio na divulgação de nossa campanha com os turistas também, e isso vale ainda para o caso de sarampo. 95% da população da cidade está imunizada, mas há a preocupação com os turistas”, diz.

Quem não lembra se foi vacinado pode ir até o postinho da praia e tomar a vacina da febre amarela. Essa vacina é para crianças a partir de nove anos até adultos de 59. Idosos precisam passar por exame médico para ver a necessidade.

No caso da tríplice viral Adriana salienta que os jovens adultos precisam tomar a segunda dose, e que muitos não sabem disso.

• Dicas para o verão

Adriana destaca que muitas pessoas levam alimentos para a praia, como sanduíches e frutas, mas que não os acondicionam da maneira certa, e isso pode causar problemas como a disenteria.

“Tudo afeta, o calor, a falta de higiene, o mau acondicionamento também. Fica na térmica com gelo, que acaba derretendo. Uma dica é fazer gelo em garrafas plásticas, assim quando derrete fica concentrado ali”, destaca.

A profissional diz ainda o quanto o álcool em excesso é prejudicial, já que a pessoa desidrata rápido, principalmente no verão. O ideal é, se consumi-lo, ir intercalando com água, além de manter uma boa alimentação com frutas e verduras.

“É recomendável também sempre manter as mãos higienizadas e evitar o sol das 10h às 16h. O horário do meio-dia é o pior. O uso de filtro solar é essencial e o repelente também é positivo”, completa.


Balneário Camboriú teve uma morte por afogamento e mais de dois mil casos de queimadura por água-viva

Foto: Divulgação

Mais de 50 guarda-vidas atuam somente na praia central de Balneário Camboriú, onde neste verão aconteceu uma morte por afogamento (na madrugada do dia 1º de janeiro) e ocorreram mais de dois mil casos de queimadura por água-viva, mas nenhum grave. As águas-vivas aparecem mais devido ao aquecimento do mar, mas a situação já se normalizou.

• Afogamentos e arrastamentos

Fotos: Renata Rutes e Divulgação/Corpo de BombeirosAssonalio em frente à base do Pontal Norte

O soldado do Corpo de Bombeiros de Balneário Camboriú e coordenador de praia, Wagner Assonalio, relembra o caso de morte por afogamento ocorrido na madrugada de Ano Novo e salienta que o banho de mar noturno ainda é uma das principais preocupações dos guarda-vidas, já que o turno de trabalho deles encerra às 20h.

“Mesmo nosso turno já tendo encerrado é comum fazermos rondas de quadriciclo, ver quem está na água e recomendar atenção. O uso de álcool é outro agravante. Já atendemos casos de amigos que, embriagados, decidiram fazer uma competição de quem chegava primeiro até a Ilha das Cabras. O descuido é geral, com homens, mulheres, jovens e adultos. E quem bebe piora, porque não obedece os guarda-vidas e toma atitudes que os colocam em risco, já que ficam mais desinibidos”, comenta.

Outro caso ocorreu na Praia do Estaleiro, onde um banhista precisou ser içado porque foi arrastado por uma corrente de retorno. Assonalio conta que o homem estava em uma zona de quebra de onda e que o mar estava muito violento. Ele foi içado porque havia risco até mesmo para os guarda-vidas.

“O Estaleiro é diferente da praia central, a areia faz um buraco e a onda acaba quebrando muito em cima, mas agora o mar está mais calmo”, diz.

• Público precisa respeitar mais as bandeiras

Bandeiras precisam ser respeitadas, todas as praias estão sinalizadas e dois jets e dois barcos para salvar vidas.

Todas as praias de Balneário Camboriú são sinalizadas com bandeiras e placas, mas mesmo assim o coordenador de praia diz que o público precisa conhecer mais, principalmente as bandeiras (verde – mar bom, amarelo – atenção, vermelho – mar perigoso e banho deve ser evitado e a roxa, que indica animal marinho que representa risco, como o caso da água-viva, que também é sinalizada na bandeira).

Até o momento, Balneário Camboriú teve 2,2 mil casos de queimaduras por água-viva, mas nenhum grave.

“Todos foram resolvidos pelos guarda-vidas, passando vinagre que elimina a toxina e diminui a sensação de ardência. Elas procuram águas quentes, mas agora o mar já se normalizou e o público não precisa temer”, afirma.

Além da bandeira que fica colocada no posto dos guarda-vidas é preciso atenção da bandeira que fica na areia. Se ela for vermelha, indica que aquela área precisa ser evitada e o banhista deve procurar outro local para entrar.

“Balneário é uma cidade atípica porque, por conta do alto número de banhistas, não conseguimos isolar as áreas de risco, por isso é muito importante prestar atenção às bandeiras. Tem sido muito positiva a nossa base no Pontal Norte, assim conseguimos nos deslocar mais rapidamente, e o jet ski e as embarcações ficam sempre na água”, explica.

Hoje os bombeiros de Balneário possuem dois jet skis e dois barcos. Os jets ficam na base e as embarcações na Marina Tedesco, onde recebem manutenção gratuita.

• Educação é o foco

Os bombeiros acreditam que a educação e consciência é o foco principal para que o cenário melhore, para isso investem em projetos como o Golfinho e o Jovem Guarda-Vida. O Golfinho está acontecendo em Balneário até o fim de janeiro, com turmas iniciando toda segunda-feira. As crianças aprendem gratuitamente durante uma semana sobre os perigos do mar, vida marinha, importância de cuidar das praias e costões, etc. Mais informações e inscrições podem ser feitas em qualquer posto de guarda-vida da praia central.

“Também explicamos sobre a importância de ficar perto dos pais ou responsáveis e de um posto de guarda-vidas. Nos preocupamos bastante com as crianças, somente de 20 de dezembro até hoje (8) atendemos mais de 300 crianças perdidas na praia central”, diz.

O Jovem Guarda-Vida é focado em adolescentes dos 12 aos 18 anos, e tem duração de três meses. Esse projeto já formou mais de 400 jovens de Balneário, e cinco deles estão trabalhando como guarda-vidas neste verão.


‘Viva Verão’ abre quarta temporada nesta sexta

Foto: Divulgação/PMBCEsportes e atividades para todas as idades

• São 30 dias de muita atividade na praia central para todas as idades

O projeto ‘Viva Verão’ que a Fundação Municipal de Esportes (FMEBC) realiza há quatro anos, vai movimentar a praia central nos próximos 30 dias, com arenas esportivas e o Palco Verão, cheio de atividades e atrações. O projeto inicia nesta sexta-feira (10) e acaba em 10 de fevereiro. Todas as atividades são gratuitas para moradores e turistas.

• Polos esportivos

Funcionam de terça a domingo em pontos espalhados pela praia: três quadras de futebol de areia (uma no Pontal Norte próximo ao número 400 da Atlântica, outra em frente à rua 2.400 e a terceira em frente à rua 3.000), uma de basquete (próximo à avenida Alvin Bauer), uma de handebol (em frente rua 1.001), duas de vôlei de praia (em frente às ruas 1.301 e 3.300 ) e uma de futevôlei (em frente à rua 4.750) e o polo Praia Acessível, na rua 4750.

Funcionam de terça a domingo em pontos espalhados pela praia, das 19h às 21h

• Praia Acessível é um dos polos com grande procura

Foto: Renata Rutes

A expectativa é que o número de participantes aumente nesta temporada. No ano passado foram 63 atendimentos no banho de mar adaptado, no quadro de coordenação motora, e também no vôlei e basquete adaptado, com três profissionais da FMEBC para auxílio e um salva-vidas.

O projeto é uma parceria entre o Corpo de Bombeiros e a FMEBC que permite que deficientes físicos tomem banho de mar através de cadeiras articuladas e apoio de guarda-vidas e professores de Educação Física já acontece há alguns anos, sempre nesta época do ano.

Apesar de não ter começado oficialmente, aproximadamente sete cadeirantes já usufruíram do Praia Acessível esta semana. Enquanto não começava, os guarda-vidas atendiam a esse público no Pontal Norte, como o Página 3 presenciou na manhã de quarta-feira (8). Por conta da procura, a Fundação cedeu as cadeiras articuladas para que os guarda-vidas atendessem aos interessados.

Porém, a partir desta sexta (10) o projeto vai acontecer na Barra Sul todos os dias, sempre das 10h às 17h. Os bombeiros gostariam de mudar para o Pontal Norte, onde atualmente é um local melhor, após as obras do molhe, que deixaram aquela área mais calma e com acesso mais facilitado.

O Praia Acessível conta com estrutura completa com rampas, guindastes e apoio técnico de professores de Educação Física da FMEBC e guarda-vidas. Para participar, basta chegar no local. A atividade é totalmente gratuita e aberta ao público.

• Palco de Verão

Está localizado próximo à Avenida Alvin Bauer, na Avenida Atlântica, 1700 e terá atividades variadas, diariamente, das 10h às 21h. Aulão de funcional, atendimento de quiropraxia, dança e aeróbica, parede de escalada, zumba e atividades recreativas. Para participar é só chegar.

• Integração

A superintendente da FMEBC, Mariana Dalvesco está com boa expectativa e acredita que o projeto vai repetir ou aumentar o número de participantes que ano passado foi de 25 mil turistas e moradores.

“Além do benefício da prática esportiva, as pessoas trocam ideias, conversam e promovem um intercâmbio integrando pessoas de estados e países diferentes, o que é muito positivo”, disse.

• Parcerias

Mariana disse que o edital foi feito pela Fundação de Esportes em parceria com a secretaria de Turismo e Meio Ambiente. Foram lançados cinco lotes no primeiro edital, apareceram dois interessados, Beto Carrero no lote do projeto Praia Limpa (Meio Ambiente) e Fabiana Albuquerque no lote que compreende o Palco Verão e as 10 quadras esportivas na faixa de areia.

“Lançamos novamente o edital, abrimos novo prazo, quando o SBT/SCC que já havia participado em 2019, fez oferta no lote da praça Tamandaré e ali desenvolverá um Lounge semelhante ao do ano anterior, com uma estrutura um pouco diferente, com transmissões ao vivo diariamente. Os vencedores do lote podem expor a marca dos seus patrocinadores, disponibilizar as atividades mencionadas no edital e as que não estiverem mencionadas, demandam de aprovação da comissão formada por representantes das três secretarias envolvidas no edital”, detalhou Mariana.

• Horários do Palco Verão

  • Atendimento de Quiropraxia: de terça à quinta-feira das 8h às 10h / 16h às 18h
  • Aulão de funcional: quinta-feira à sábado das 8h às 10h
  • Dança e Aeróbica: aos sábados das 10h às 11h
  • Parede de Escalada: terça-feira a domingo das 16h às 21h
  • Zumba, aeróbica, dança e atividades recreativas: terça-feira à domingo das 18h às 21h
  • Informações - FMEBC - (47) 3360-0444

‘Heróis da Natureza’ neste sábado na praia central

O programa ‘Heróis da Natureza’, que o Conselho Regional de Medicina Veterinária de Santa Catarina (CRMV-SC) vem desenvolvendo em várias praias catarinenses, chega à praia central, neste sábado (11). Com apoio da prefeitura, através da secretaria do Meio Ambiente, o programa educativo e de alerta sobre a ‘matança’ de animais marinhos, principalmente pinguins, tartarugas e gaivotas, por ingestão de resíduos plásticos, estará na altura da Rua 1400, a partir das 10h deste sábado.

Segundo relatório do Projeto de Monitoramento de Praias – Bacia de Santos (PMB-BS), cerca de 30 mil animais marinhos foram encontrados mortos no litoral catarinense entre 2015 e 2019. Com base nestes dados, o CRMV-SC irá distribuir gratuitamente um gibi educativo sobre o tema, que ensina de forma lúdica, como cada criança pode ser um super-herói nas causas relacionadas ao meio ambiente.

São mais de seis milhões de toneladas de lixo marinho descartadas nos oceanos a cada ano, o que representa 13 mil pedaços de lixo plástico flutuando em cada quilômetro quadrado de oceano, segundo dados do Projeto Tamar. “Muitos animais aquáticos ingerem estes resíduos confundindo-os com alimentos. Acreditamos que realizar esta campanha com crianças é uma das formas mais produtivas de conscientização”, afirma o presidente do CRMV-SC, Marcos Vinícius de Oliveira Neves.

O Corpo de Bombeiros, por meio do Projeto Golfinho, também estará presente realizando ações recreativas com as crianças.

No dia 15 de fevereiro, a ação volta a ocorrer no mesmo local e horário.

O Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos é uma atividade desenvolvida para o atendimento de condicionante de licenciamento ambiental federal das atividades da Petrobras de produção e escoamento de petróleo e gás natural no Polo Pré-Sal da Bacia de Santos, conduzido pelo IBAMA.

A Univali é a responsável pela coordenação e execução de atividades de monitoramento de aproximadamente 800 km de praias entre Laguna (SC) e Ubatuba (SP).

  • Ao encontrar animais marinhos debilitados ou mortos nas praias ligue para 0800 642 3341.
  • A ligação é gratuita e funciona diariamente das 8h às 17h30min.
Foto: Divulgação/CRMV-SC

• Período: agosto/2015 a maio/2019

  • Animais mortos: 26.564
  • Animais vivos: 3.265
  • Aves: 18.572
  • Mamíferos: 1.649
  • Répteis: 9.608

Maior incidência:

  • Pinguim-de-Magalhães - Sphenisccus magellanicus 10.647
  • Tartaruga-verde – Chelonia mydas – 8484
  • Gaivotão - Larus dominicanus – 2377
  • Bobo-pequeno - Puffinus puffinus – 1641
  • Toninha - Pontoporia blainville – 839


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3

Página 3 faz o Giro do Verão pela praia central

Cenário do ‘point’ mais congestionado desta temporada

Publicidade

Quinta, 9/1/2020 9:01.

Renata Rutes

A reportagem do Página 3 circulou pela praia central, onde está a maior concentração de veranistas, para observar a movimentação, colher opiniões dos turistas, das pessoas que trabalham onde outros se divertem. Conversou com salva-vidas que gostariam que as pessoas respeitassem mais as bandeiras. Ouviu ambulantes que sentem falta dos argentinos. Verificou a demanda no postinho de saúde da praia reativado neste verão e aproveita para divulgar a quem curte praticar esportes ou mexer o corpo, as atividades orientadas que começam nesta sexta-feira e só terminam em fevereiro.

Vendedores ambulantes sentem falta dos turistas argentinos

Foto: Renata RutesComércio na praia não é mais o mesmo, dizem vendedores

Segundo a Secretaria Municipal da Fazenda, cerca de 280 vendedores ambulantes estão trabalhando na praia central.

Eles vendem picolés, sorvetes, açaí, sanduíche natural, salada de frutas, algodão doce, casquinha de biju, batatinha chips, além de chapéus, saídas de banho, tornozeleiras e brincos.

A reportagem do Página 3 conversou com alguns deles, que opinaram sobre o movimento de turistas e demonstraram descontentamento com a fraca vinda dos argentinos, causada pela crise econômica que o país passa. Confira!

Fotos: Renata Rutes

Sérgio Almeida, 69 anos, é vendedor ambulante em Balneário há 30 anos. Atualmente ele vende picolé, mas começou vendendo suco de laranja natural

“Naquela época vendíamos 200 garrafas de suco por dia, mas depois só os quiosques podiam vender. Há 15 anos vendo picolé, comecei com os da Eskimó, que hoje tem loja na cidade, depois Kibon e Nestlé. Quando eu tinha que levar a caixa era complicado, era pesado, muito cansativo, hoje liberaram o carrinho e é muito melhor para o nosso serviço. A temporada está um pouco baixa, os argentinos vêm fazendo muita falta. Eles estão vindo cada vez menos, não tem como virem com o peso a 16 centavos. Também percebo que há bem menos pessoas para os primeiros dias de janeiro, antigamente nessa época a praia costumava estar muito mais lotada, não dava nem para caminhar direito. Aos fins de semana aumenta um pouco por conta do pessoal que vem da região, de Blumenau, Curitiba, mas acredito que tem um movimento 40% menor em relação a última temporada”.

Mário Ribeiro dos Santos, 44 anos, está trabalhando em sua 17ª temporada em Balneário Camboriú, ele vende saídas de banho que custam entre R$ 35 e R$ 60

“Antes tinha mais gente, vinha muito argentino, eles não estão vindo nem perto de como vinham antigamente. O brasileiro ainda vem, mas essa era a hora de estarmos recebendo os argentinos e isso não aconteceu. O brasileiro está comprando igual ao ano passado, mas as vendas caíram por conta da ausência dos argentinos, sim. Balneário Camboriú ainda é uma cidade que atrai, mas já foi melhor. Acredito que as pessoas têm medo por conta da segurança, mas é um lugar muito bom. Vejo turistas dizendo que visitam outras praias e sempre retornam porque Balneário é show, é a melhor”.

José Almir Ferreira Santos, 26 anos, vende chapéus há três anos na praia central.

“Até dia 31 estava ótimo, depois vejo que caiu o movimento em 80%, e mostra que tem alguma coisa errada acontecendo. Os argentinos fazem falta. Os brasileiros gastam, mas falta público. Do dia 19 de dezembro até hoje (7) eu vendi para apenas um casal de argentinos, isso mostra que eles realmente não estão vindo. Falta mais atrativos em Balneário, porque não adianta negar: a ausência dos argentinos nos afeta muitíssimo. Algo tem que ser feito”.


Postinho de saúde da praia central já realizou mais de 590 atendimentos neste verão

Foto: Renata RutesAtendimento na praia voltou a funcionar em dezembro

O postinho de saúde da praia central, que voltou a funcionar embaixo do posto dos guarda-vidas em frente à Rua 1.400, já atendeu mais de 590 pessoas neste verão. Os atendimentos iniciaram em 14 de dezembro. 95% do público que vai ao local são idosos. Lá são feitas medições de pressão e glicemia, além de vacinas e curativos. Todos os atendimentos são gratuitos e abertos a todos, desde moradores como turistas (inclusive estrangeiros).

• Atendimentos

Foto: Renata RutesAposentado Paterno diz que é frequentador assíduo

A diretora da Vigilância Epidemiológica, Adriana Ribeiro, estava no posto para receber a reportagem do Página 3. Ela conta que desde 14 de dezembro já foram feitas no local 590 medições de pressão e glicemia, seis curativos (sendo um de queimadura por água-viva) e um encaminhamento ao SAMU. No local também são oferecidas vacinas contra a febre amarela e a tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola).

“Das pessoas que nos procuram 95% são idosos, mas o público geral sabe que reabrimos e ficam felizes por que é uma opção rápida não necessitando ir até outro posto. Quem está na praia, pode vir aqui”, diz.

O local foi todo reformado, desde pintura como pisos, ar-condicionado e estrutura para atender a equipe que lá atua (frigobar, microondas, etc).

A prefeitura também elaborou uma série de panfletos informativos, falando desde a importância da higiene e de lavar as mãos, como dicas de acondicionamento de alimentos na praia, dengue, febre amarela e sarampo. Todos eles podem ser retirados na unidade.

O aposentado Osvaldo Paterno estava sendo atendido no local na manhã desta quarta-feira (8), ele diz que é frequentador assíduo do postinho, e inclusive foi até lá para fazer um curativo nesta semana porque havia se machucado.

“É muito bom, o pessoal já me conhece. Dessa vez vim medir a pressão”, conta.

• Febre amarela e sarampo

Adriana salienta que a grande preocupação é com a febre amarela e o sarampo. Ela lembra que Santa Catarina possui o chamado ‘corredor da Mata Atlântica’, por onde o vírus circula. Hoje 54% da população de Balneário Camboriú está imunizada quanto a febre amarela, restando pouco menos da metade, o que é um número significativo.

“Fomos até bares, restaurantes e hotéis pedindo apoio na divulgação de nossa campanha com os turistas também, e isso vale ainda para o caso de sarampo. 95% da população da cidade está imunizada, mas há a preocupação com os turistas”, diz.

Quem não lembra se foi vacinado pode ir até o postinho da praia e tomar a vacina da febre amarela. Essa vacina é para crianças a partir de nove anos até adultos de 59. Idosos precisam passar por exame médico para ver a necessidade.

No caso da tríplice viral Adriana salienta que os jovens adultos precisam tomar a segunda dose, e que muitos não sabem disso.

• Dicas para o verão

Adriana destaca que muitas pessoas levam alimentos para a praia, como sanduíches e frutas, mas que não os acondicionam da maneira certa, e isso pode causar problemas como a disenteria.

“Tudo afeta, o calor, a falta de higiene, o mau acondicionamento também. Fica na térmica com gelo, que acaba derretendo. Uma dica é fazer gelo em garrafas plásticas, assim quando derrete fica concentrado ali”, destaca.

A profissional diz ainda o quanto o álcool em excesso é prejudicial, já que a pessoa desidrata rápido, principalmente no verão. O ideal é, se consumi-lo, ir intercalando com água, além de manter uma boa alimentação com frutas e verduras.

“É recomendável também sempre manter as mãos higienizadas e evitar o sol das 10h às 16h. O horário do meio-dia é o pior. O uso de filtro solar é essencial e o repelente também é positivo”, completa.


Balneário Camboriú teve uma morte por afogamento e mais de dois mil casos de queimadura por água-viva

Foto: Divulgação

Mais de 50 guarda-vidas atuam somente na praia central de Balneário Camboriú, onde neste verão aconteceu uma morte por afogamento (na madrugada do dia 1º de janeiro) e ocorreram mais de dois mil casos de queimadura por água-viva, mas nenhum grave. As águas-vivas aparecem mais devido ao aquecimento do mar, mas a situação já se normalizou.

• Afogamentos e arrastamentos

Fotos: Renata Rutes e Divulgação/Corpo de BombeirosAssonalio em frente à base do Pontal Norte

O soldado do Corpo de Bombeiros de Balneário Camboriú e coordenador de praia, Wagner Assonalio, relembra o caso de morte por afogamento ocorrido na madrugada de Ano Novo e salienta que o banho de mar noturno ainda é uma das principais preocupações dos guarda-vidas, já que o turno de trabalho deles encerra às 20h.

“Mesmo nosso turno já tendo encerrado é comum fazermos rondas de quadriciclo, ver quem está na água e recomendar atenção. O uso de álcool é outro agravante. Já atendemos casos de amigos que, embriagados, decidiram fazer uma competição de quem chegava primeiro até a Ilha das Cabras. O descuido é geral, com homens, mulheres, jovens e adultos. E quem bebe piora, porque não obedece os guarda-vidas e toma atitudes que os colocam em risco, já que ficam mais desinibidos”, comenta.

Outro caso ocorreu na Praia do Estaleiro, onde um banhista precisou ser içado porque foi arrastado por uma corrente de retorno. Assonalio conta que o homem estava em uma zona de quebra de onda e que o mar estava muito violento. Ele foi içado porque havia risco até mesmo para os guarda-vidas.

“O Estaleiro é diferente da praia central, a areia faz um buraco e a onda acaba quebrando muito em cima, mas agora o mar está mais calmo”, diz.

• Público precisa respeitar mais as bandeiras

Bandeiras precisam ser respeitadas, todas as praias estão sinalizadas e dois jets e dois barcos para salvar vidas.

Todas as praias de Balneário Camboriú são sinalizadas com bandeiras e placas, mas mesmo assim o coordenador de praia diz que o público precisa conhecer mais, principalmente as bandeiras (verde – mar bom, amarelo – atenção, vermelho – mar perigoso e banho deve ser evitado e a roxa, que indica animal marinho que representa risco, como o caso da água-viva, que também é sinalizada na bandeira).

Até o momento, Balneário Camboriú teve 2,2 mil casos de queimaduras por água-viva, mas nenhum grave.

“Todos foram resolvidos pelos guarda-vidas, passando vinagre que elimina a toxina e diminui a sensação de ardência. Elas procuram águas quentes, mas agora o mar já se normalizou e o público não precisa temer”, afirma.

Além da bandeira que fica colocada no posto dos guarda-vidas é preciso atenção da bandeira que fica na areia. Se ela for vermelha, indica que aquela área precisa ser evitada e o banhista deve procurar outro local para entrar.

“Balneário é uma cidade atípica porque, por conta do alto número de banhistas, não conseguimos isolar as áreas de risco, por isso é muito importante prestar atenção às bandeiras. Tem sido muito positiva a nossa base no Pontal Norte, assim conseguimos nos deslocar mais rapidamente, e o jet ski e as embarcações ficam sempre na água”, explica.

Hoje os bombeiros de Balneário possuem dois jet skis e dois barcos. Os jets ficam na base e as embarcações na Marina Tedesco, onde recebem manutenção gratuita.

• Educação é o foco

Os bombeiros acreditam que a educação e consciência é o foco principal para que o cenário melhore, para isso investem em projetos como o Golfinho e o Jovem Guarda-Vida. O Golfinho está acontecendo em Balneário até o fim de janeiro, com turmas iniciando toda segunda-feira. As crianças aprendem gratuitamente durante uma semana sobre os perigos do mar, vida marinha, importância de cuidar das praias e costões, etc. Mais informações e inscrições podem ser feitas em qualquer posto de guarda-vida da praia central.

“Também explicamos sobre a importância de ficar perto dos pais ou responsáveis e de um posto de guarda-vidas. Nos preocupamos bastante com as crianças, somente de 20 de dezembro até hoje (8) atendemos mais de 300 crianças perdidas na praia central”, diz.

O Jovem Guarda-Vida é focado em adolescentes dos 12 aos 18 anos, e tem duração de três meses. Esse projeto já formou mais de 400 jovens de Balneário, e cinco deles estão trabalhando como guarda-vidas neste verão.


‘Viva Verão’ abre quarta temporada nesta sexta

Foto: Divulgação/PMBCEsportes e atividades para todas as idades

• São 30 dias de muita atividade na praia central para todas as idades

O projeto ‘Viva Verão’ que a Fundação Municipal de Esportes (FMEBC) realiza há quatro anos, vai movimentar a praia central nos próximos 30 dias, com arenas esportivas e o Palco Verão, cheio de atividades e atrações. O projeto inicia nesta sexta-feira (10) e acaba em 10 de fevereiro. Todas as atividades são gratuitas para moradores e turistas.

• Polos esportivos

Funcionam de terça a domingo em pontos espalhados pela praia: três quadras de futebol de areia (uma no Pontal Norte próximo ao número 400 da Atlântica, outra em frente à rua 2.400 e a terceira em frente à rua 3.000), uma de basquete (próximo à avenida Alvin Bauer), uma de handebol (em frente rua 1.001), duas de vôlei de praia (em frente às ruas 1.301 e 3.300 ) e uma de futevôlei (em frente à rua 4.750) e o polo Praia Acessível, na rua 4750.

Funcionam de terça a domingo em pontos espalhados pela praia, das 19h às 21h

• Praia Acessível é um dos polos com grande procura

Foto: Renata Rutes

A expectativa é que o número de participantes aumente nesta temporada. No ano passado foram 63 atendimentos no banho de mar adaptado, no quadro de coordenação motora, e também no vôlei e basquete adaptado, com três profissionais da FMEBC para auxílio e um salva-vidas.

O projeto é uma parceria entre o Corpo de Bombeiros e a FMEBC que permite que deficientes físicos tomem banho de mar através de cadeiras articuladas e apoio de guarda-vidas e professores de Educação Física já acontece há alguns anos, sempre nesta época do ano.

Apesar de não ter começado oficialmente, aproximadamente sete cadeirantes já usufruíram do Praia Acessível esta semana. Enquanto não começava, os guarda-vidas atendiam a esse público no Pontal Norte, como o Página 3 presenciou na manhã de quarta-feira (8). Por conta da procura, a Fundação cedeu as cadeiras articuladas para que os guarda-vidas atendessem aos interessados.

Porém, a partir desta sexta (10) o projeto vai acontecer na Barra Sul todos os dias, sempre das 10h às 17h. Os bombeiros gostariam de mudar para o Pontal Norte, onde atualmente é um local melhor, após as obras do molhe, que deixaram aquela área mais calma e com acesso mais facilitado.

O Praia Acessível conta com estrutura completa com rampas, guindastes e apoio técnico de professores de Educação Física da FMEBC e guarda-vidas. Para participar, basta chegar no local. A atividade é totalmente gratuita e aberta ao público.

• Palco de Verão

Está localizado próximo à Avenida Alvin Bauer, na Avenida Atlântica, 1700 e terá atividades variadas, diariamente, das 10h às 21h. Aulão de funcional, atendimento de quiropraxia, dança e aeróbica, parede de escalada, zumba e atividades recreativas. Para participar é só chegar.

• Integração

A superintendente da FMEBC, Mariana Dalvesco está com boa expectativa e acredita que o projeto vai repetir ou aumentar o número de participantes que ano passado foi de 25 mil turistas e moradores.

“Além do benefício da prática esportiva, as pessoas trocam ideias, conversam e promovem um intercâmbio integrando pessoas de estados e países diferentes, o que é muito positivo”, disse.

• Parcerias

Mariana disse que o edital foi feito pela Fundação de Esportes em parceria com a secretaria de Turismo e Meio Ambiente. Foram lançados cinco lotes no primeiro edital, apareceram dois interessados, Beto Carrero no lote do projeto Praia Limpa (Meio Ambiente) e Fabiana Albuquerque no lote que compreende o Palco Verão e as 10 quadras esportivas na faixa de areia.

“Lançamos novamente o edital, abrimos novo prazo, quando o SBT/SCC que já havia participado em 2019, fez oferta no lote da praça Tamandaré e ali desenvolverá um Lounge semelhante ao do ano anterior, com uma estrutura um pouco diferente, com transmissões ao vivo diariamente. Os vencedores do lote podem expor a marca dos seus patrocinadores, disponibilizar as atividades mencionadas no edital e as que não estiverem mencionadas, demandam de aprovação da comissão formada por representantes das três secretarias envolvidas no edital”, detalhou Mariana.

• Horários do Palco Verão

  • Atendimento de Quiropraxia: de terça à quinta-feira das 8h às 10h / 16h às 18h
  • Aulão de funcional: quinta-feira à sábado das 8h às 10h
  • Dança e Aeróbica: aos sábados das 10h às 11h
  • Parede de Escalada: terça-feira a domingo das 16h às 21h
  • Zumba, aeróbica, dança e atividades recreativas: terça-feira à domingo das 18h às 21h
  • Informações - FMEBC - (47) 3360-0444

‘Heróis da Natureza’ neste sábado na praia central

O programa ‘Heróis da Natureza’, que o Conselho Regional de Medicina Veterinária de Santa Catarina (CRMV-SC) vem desenvolvendo em várias praias catarinenses, chega à praia central, neste sábado (11). Com apoio da prefeitura, através da secretaria do Meio Ambiente, o programa educativo e de alerta sobre a ‘matança’ de animais marinhos, principalmente pinguins, tartarugas e gaivotas, por ingestão de resíduos plásticos, estará na altura da Rua 1400, a partir das 10h deste sábado.

Segundo relatório do Projeto de Monitoramento de Praias – Bacia de Santos (PMB-BS), cerca de 30 mil animais marinhos foram encontrados mortos no litoral catarinense entre 2015 e 2019. Com base nestes dados, o CRMV-SC irá distribuir gratuitamente um gibi educativo sobre o tema, que ensina de forma lúdica, como cada criança pode ser um super-herói nas causas relacionadas ao meio ambiente.

São mais de seis milhões de toneladas de lixo marinho descartadas nos oceanos a cada ano, o que representa 13 mil pedaços de lixo plástico flutuando em cada quilômetro quadrado de oceano, segundo dados do Projeto Tamar. “Muitos animais aquáticos ingerem estes resíduos confundindo-os com alimentos. Acreditamos que realizar esta campanha com crianças é uma das formas mais produtivas de conscientização”, afirma o presidente do CRMV-SC, Marcos Vinícius de Oliveira Neves.

O Corpo de Bombeiros, por meio do Projeto Golfinho, também estará presente realizando ações recreativas com as crianças.

No dia 15 de fevereiro, a ação volta a ocorrer no mesmo local e horário.

O Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos é uma atividade desenvolvida para o atendimento de condicionante de licenciamento ambiental federal das atividades da Petrobras de produção e escoamento de petróleo e gás natural no Polo Pré-Sal da Bacia de Santos, conduzido pelo IBAMA.

A Univali é a responsável pela coordenação e execução de atividades de monitoramento de aproximadamente 800 km de praias entre Laguna (SC) e Ubatuba (SP).

  • Ao encontrar animais marinhos debilitados ou mortos nas praias ligue para 0800 642 3341.
  • A ligação é gratuita e funciona diariamente das 8h às 17h30min.
Foto: Divulgação/CRMV-SC

• Período: agosto/2015 a maio/2019

  • Animais mortos: 26.564
  • Animais vivos: 3.265
  • Aves: 18.572
  • Mamíferos: 1.649
  • Répteis: 9.608

Maior incidência:

  • Pinguim-de-Magalhães - Sphenisccus magellanicus 10.647
  • Tartaruga-verde – Chelonia mydas – 8484
  • Gaivotão - Larus dominicanus – 2377
  • Bobo-pequeno - Puffinus puffinus – 1641
  • Toninha - Pontoporia blainville – 839


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade