Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Cidade
'Estamos no caminho certo e vamos continuar assim', diz prefeito de Balneário Camboriú

Segundo especialistas a cidade saiu na frente no combate ao Covid-19

Sexta, 22/5/2020 9:22.
Divulgação/PMBC
Fabrício Oliveira, prefeito de Balneário Camboriú

Publicidade

Esta semana o novo Coronavírus completou 60 dias de isolamento e alguns dias a mais desde que surgiu o primeiro caso no país.

No dia 13 de março, o prefeito Fabrício Oliveira decretou situação de emergência e recomendou distanciamento social, mas cinco dias depois, em 18 de março ele decretou o isolamento social. Saiu na frente e especialistas dizem que o reflexo dessa ‘dianteira’ foi decisivo no avanço da doença no município. Ele próprio testou positivo, está isolado até domingo (24), longe da família, sua esposa Mozara está nas últimas semanas de gestação, mas continua trabalhando.

Fabricio falou com o Página 3:

“Balneário Camboriú com quase 140 mil habitantes, dos quais 30% idosos, precisou de ações imediatas. Acredito que fomos o primeiro municipio do Estado a tomar medidas, com as barreiras sanitárias e um dos primeiros do país a montar um Centro Médico para Covid-19, que já atendeu mais de 1500 pessoas. Atendemos toda a região e o governo do Estado não nos ajudou em nada até hoje.

Tivemos 59 pacientes internados, destes 24 de Balneário Camboriú, ou seja, 36% e o resto é de fora.

Imediatamente monitoramos as questões sociais, levando alimentos para as famílias carentes e remédios para os idosos, distribuímos máscaras, fizemos abordagens e orientações e isso nos colocou em uma condição boa. Por exemplo: a taxa de mortalidade no país alcançou 6.7%; no Rio, 10.70; em São Paulo, capital, 7.89, em Manaus, 8.92, em Santa Catarina, 1.64 e em Balneário Camboriú, 0.93%, abaixo de outros municípios catarinenses e muito abaixo do país.

É injusto pensar que tudo tem que ser igual em todos os lugares. A realidade é diferente, por exemplo, lockdown serve para alguns, mas não para outros lugares. Nós vamos continuar controlando aglomerações, uso de máscara em todos os lugares, álcool em gel. Estamos testando muito. Eu mesmo comecei a sentir sintomas, fiz o teste e me isolei, não precisei UTI.

Todas as pessoas sintomáticas vão fazer o teste, assim isolamos mais rapidamente e evitamos o contágio. Nossa ocupação de leitos está em torno de 20%, mas temos condições de abrir novos leitos. Eu estou confiante, acredito que fizemos certo e por isso estamos em boas condições até aqui. Vamos continuar neste caminho”.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3
Divulgação/PMBC
Fabrício Oliveira, prefeito de Balneário Camboriú
Fabrício Oliveira, prefeito de Balneário Camboriú

'Estamos no caminho certo e vamos continuar assim', diz prefeito de Balneário Camboriú

Segundo especialistas a cidade saiu na frente no combate ao Covid-19

Publicidade

Sexta, 22/5/2020 9:22.

Esta semana o novo Coronavírus completou 60 dias de isolamento e alguns dias a mais desde que surgiu o primeiro caso no país.

No dia 13 de março, o prefeito Fabrício Oliveira decretou situação de emergência e recomendou distanciamento social, mas cinco dias depois, em 18 de março ele decretou o isolamento social. Saiu na frente e especialistas dizem que o reflexo dessa ‘dianteira’ foi decisivo no avanço da doença no município. Ele próprio testou positivo, está isolado até domingo (24), longe da família, sua esposa Mozara está nas últimas semanas de gestação, mas continua trabalhando.

Fabricio falou com o Página 3:

“Balneário Camboriú com quase 140 mil habitantes, dos quais 30% idosos, precisou de ações imediatas. Acredito que fomos o primeiro municipio do Estado a tomar medidas, com as barreiras sanitárias e um dos primeiros do país a montar um Centro Médico para Covid-19, que já atendeu mais de 1500 pessoas. Atendemos toda a região e o governo do Estado não nos ajudou em nada até hoje.

Tivemos 59 pacientes internados, destes 24 de Balneário Camboriú, ou seja, 36% e o resto é de fora.

Imediatamente monitoramos as questões sociais, levando alimentos para as famílias carentes e remédios para os idosos, distribuímos máscaras, fizemos abordagens e orientações e isso nos colocou em uma condição boa. Por exemplo: a taxa de mortalidade no país alcançou 6.7%; no Rio, 10.70; em São Paulo, capital, 7.89, em Manaus, 8.92, em Santa Catarina, 1.64 e em Balneário Camboriú, 0.93%, abaixo de outros municípios catarinenses e muito abaixo do país.

É injusto pensar que tudo tem que ser igual em todos os lugares. A realidade é diferente, por exemplo, lockdown serve para alguns, mas não para outros lugares. Nós vamos continuar controlando aglomerações, uso de máscara em todos os lugares, álcool em gel. Estamos testando muito. Eu mesmo comecei a sentir sintomas, fiz o teste e me isolei, não precisei UTI.

Todas as pessoas sintomáticas vão fazer o teste, assim isolamos mais rapidamente e evitamos o contágio. Nossa ocupação de leitos está em torno de 20%, mas temos condições de abrir novos leitos. Eu estou confiante, acredito que fizemos certo e por isso estamos em boas condições até aqui. Vamos continuar neste caminho”.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade