Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Cidade
Em reunião com o prefeito, profissionais de eventos e vendedores ambulantes pedem para voltar a trabalhar

O prefeito de Balneário Camboriú recebeu os representantes nesta terça-feira

Terça, 15/9/2020 18:51.
Divulgação
Profissionais de eventos com o prefeito Fabrício Oliveira

Publicidade

Representantes de vendedores ambulantes e profissionais que atuam no setor de eventos estiveram reunidos com o prefeito Fabrício Oliveira nesta terça-feira (15), por intermédio do vereador Aldemar Pereira (Bola). Eles pedem para voltar ao trabalho, porque estão paralisados desde o início da pandemia.

Ambulantes parados desde março

O vendedor ambulante Manoel Ferreira Andrade, conhecido como Manoel do Chapéu, atua na praia central desde 1994.

“Comecei quando o Castro ainda era o prefeito, sou quase o dono da praia, um dos mais antigos que vende chapéu em Balneário”, conta aos risos.

Manoel calcula que são quase 300 colegas parados e somando neste número as famílias, vai passar de mil pessoas que dependem do serviço na praia.

Manoel do Chapéu também participou da reunião

“Estamos desde março sem saber o que é ganhar R$ 1. Falam que os direitos são iguais para todos, mas não vemos isso. Os restaurantes, bares e pontos de milho e churros estão abertos, por que nós não podemos trabalhar? Não faz sentido nenhum, a fome que bate na casa de um, bate na de outro”, diz.

Alvarás parcelados

Manoel disse que o prefeito Fabrício Oliveira o recebeu muito bem, e que foi repassado a ele que há ambulantes que precisaram até mesmo de cestas básicas para se manterem, sendo inclusive auxiliados por outros colegas de profissão.

“O prefeito pediu alguns dias para ver o que pode fazer, mas acho que é o governo do Estado que precisa liberar. Ele disse que acredita que como estão diminuindo os casos poderemos ter uma resposta positiva em breve”, explica.

Os ambulantes também pediram o parcelamento dos alvarás para trabalhar na temporada, normalmente começa a ser pago no início de setembro, sendo parcelado em seis vezes. O prefeito prometeu que o documento, que custa cerca de R$ 1.300, poderá começar a ser parcelado no final deste mês.

Setor de eventos esperançoso

O Página 3 divulgou na última semana que o setor de eventos também está pedindo pela retomada dos eventos menores, como casamentos, batizados, aniversários e corporativos. A assessora de eventos Shirley Duran, proprietária da Mundo Conviver Eventos, participou da reunião com o prefeito Fabrício e contou para a reportagem do jornal que estão bastante esperançosos já que, diferente dos vendedores ambulantes, o governo municipal pode liberar a retomada, não dependendo do governo do Estado. Os profissionais ficaram de elaborar um documento que seria encaminhado ao prefeito ainda nesta terça (15) solicitando oficialmente a retomada.

“Acreditamos que até o final da semana teremos uma resposta”, disse.

Vereador Bola na reunião

O vereador Aldemar Pereira, o Bola, foi o responsável pelo encontro entre os profissionais do setor de eventos e vendedores ambulantes junto ao prefeito, porque fez indicações ao Executivo pedindo a volta ao trabalho. Ele conseguiu marcar a reunião com o prefeito e disse ter sido ‘muito proveitosa’.

“O decreto municipal permite o funcionamento de bares e restaurantes, alguns em casa de festas, o que não permite são as baladas, que podem causar aglomerações, mas há um artigo do decreto, que foi mal escrito, que proíbe os eventos. Ele permite dupla interpretação, e está sendo seguido a rigor”, explicou, citando que os profissionais do setor de eventos iriam fazer um documento citando a possibilidade da realização de eventos menores.

“O prefeito entendeu o que nós entendemos, que se seguir as normas de distanciamento por que não autorizar a retomada? Junto com a equipe de crise do Coronavírus ele vai avaliar, mas saímos bastante otimistas da reunião”, acrescenta.

Sobre a volta dos vendedores ambulantes, Bola opina que é ‘injusto e inexplicável’ pessoas venderem livremente nos semáforos e os trabalhadores regularizados não poder atuar na praia.

“Temos que valorizar aqueles que têm isso como profissão e não como bico, necessidade de momento. Eles são pais de família, precisam de dinheiro para pagar seus alvarás, que começarão a ser parcelados a partir deste mês. A maioria está vivendo do auxílio emergencial do governo federal, alguns estão até se ajudando. A atividade deles é até mesmo a mais fácil de controlar, eles respeitam, são caprichosos e zelosos”, completa.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3
Divulgação
Profissionais de eventos  com o prefeito Fabrício Oliveira
Profissionais de eventos com o prefeito Fabrício Oliveira

Em reunião com o prefeito, profissionais de eventos e vendedores ambulantes pedem para voltar a trabalhar

O prefeito de Balneário Camboriú recebeu os representantes nesta terça-feira

Publicidade

Terça, 15/9/2020 18:51.

Representantes de vendedores ambulantes e profissionais que atuam no setor de eventos estiveram reunidos com o prefeito Fabrício Oliveira nesta terça-feira (15), por intermédio do vereador Aldemar Pereira (Bola). Eles pedem para voltar ao trabalho, porque estão paralisados desde o início da pandemia.

Ambulantes parados desde março

O vendedor ambulante Manoel Ferreira Andrade, conhecido como Manoel do Chapéu, atua na praia central desde 1994.

“Comecei quando o Castro ainda era o prefeito, sou quase o dono da praia, um dos mais antigos que vende chapéu em Balneário”, conta aos risos.

Manoel calcula que são quase 300 colegas parados e somando neste número as famílias, vai passar de mil pessoas que dependem do serviço na praia.

Manoel do Chapéu também participou da reunião

“Estamos desde março sem saber o que é ganhar R$ 1. Falam que os direitos são iguais para todos, mas não vemos isso. Os restaurantes, bares e pontos de milho e churros estão abertos, por que nós não podemos trabalhar? Não faz sentido nenhum, a fome que bate na casa de um, bate na de outro”, diz.

Alvarás parcelados

Manoel disse que o prefeito Fabrício Oliveira o recebeu muito bem, e que foi repassado a ele que há ambulantes que precisaram até mesmo de cestas básicas para se manterem, sendo inclusive auxiliados por outros colegas de profissão.

“O prefeito pediu alguns dias para ver o que pode fazer, mas acho que é o governo do Estado que precisa liberar. Ele disse que acredita que como estão diminuindo os casos poderemos ter uma resposta positiva em breve”, explica.

Os ambulantes também pediram o parcelamento dos alvarás para trabalhar na temporada, normalmente começa a ser pago no início de setembro, sendo parcelado em seis vezes. O prefeito prometeu que o documento, que custa cerca de R$ 1.300, poderá começar a ser parcelado no final deste mês.

Setor de eventos esperançoso

O Página 3 divulgou na última semana que o setor de eventos também está pedindo pela retomada dos eventos menores, como casamentos, batizados, aniversários e corporativos. A assessora de eventos Shirley Duran, proprietária da Mundo Conviver Eventos, participou da reunião com o prefeito Fabrício e contou para a reportagem do jornal que estão bastante esperançosos já que, diferente dos vendedores ambulantes, o governo municipal pode liberar a retomada, não dependendo do governo do Estado. Os profissionais ficaram de elaborar um documento que seria encaminhado ao prefeito ainda nesta terça (15) solicitando oficialmente a retomada.

“Acreditamos que até o final da semana teremos uma resposta”, disse.

Vereador Bola na reunião

O vereador Aldemar Pereira, o Bola, foi o responsável pelo encontro entre os profissionais do setor de eventos e vendedores ambulantes junto ao prefeito, porque fez indicações ao Executivo pedindo a volta ao trabalho. Ele conseguiu marcar a reunião com o prefeito e disse ter sido ‘muito proveitosa’.

“O decreto municipal permite o funcionamento de bares e restaurantes, alguns em casa de festas, o que não permite são as baladas, que podem causar aglomerações, mas há um artigo do decreto, que foi mal escrito, que proíbe os eventos. Ele permite dupla interpretação, e está sendo seguido a rigor”, explicou, citando que os profissionais do setor de eventos iriam fazer um documento citando a possibilidade da realização de eventos menores.

“O prefeito entendeu o que nós entendemos, que se seguir as normas de distanciamento por que não autorizar a retomada? Junto com a equipe de crise do Coronavírus ele vai avaliar, mas saímos bastante otimistas da reunião”, acrescenta.

Sobre a volta dos vendedores ambulantes, Bola opina que é ‘injusto e inexplicável’ pessoas venderem livremente nos semáforos e os trabalhadores regularizados não poder atuar na praia.

“Temos que valorizar aqueles que têm isso como profissão e não como bico, necessidade de momento. Eles são pais de família, precisam de dinheiro para pagar seus alvarás, que começarão a ser parcelados a partir deste mês. A maioria está vivendo do auxílio emergencial do governo federal, alguns estão até se ajudando. A atividade deles é até mesmo a mais fácil de controlar, eles respeitam, são caprichosos e zelosos”, completa.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade