Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Cinema
Sem diálogos, longa 'Takara' dosa controle e distração

Quinta, 30/8/2018 9:24.
Reprodução

Publicidade

CÁSSIO STARLING CARLOS /FOLHAPRESS

Dois tipos de perigo rondam "Takara - A Noite em que Nadei", projeto conjunto do francês Damien Manivel com o japonês Kohei Igarashi.

Um é acreditar que a ideia de fazer uma narrativa sem diálogos é algo muito original. O conceito pode produzir algo do porte de "A Ilha Nua", maravilha poética feita em 1960 por Kaneto Shindo, ou servir para criar mais uma redundância experimental sobre o vazio.

Outro é se encantar com a própria fofura, ao colocar em cena um garotinho japonês vestido com roupinhas de lã, perambulando por uma cidade coberta de neve e se perder nesse olhar afetuoso. Manivel e Igarashi conseguem sobreviver a esses riscos dosando controle e distração.

O périplo do garoto Takara combina aspectos da infância, como o devaneio e descoberta, sempre prazerosos de revisitar. Sozinho em casa, quando o pai sai ainda de madrugada para trabalhar no mercado de peixes, Takara desperta e encontra conforto, primeiro, no mundo imaginário o qual projeta numa folha de papel.

Depois, a caminho da escola, o menino embarca num jogo de se perder e achar, mapeando um mundo despovoado, percorrendo a cidade encoberta de neve. O pequeno explorador vagueia à vontade neste espaço em que os códigos urbanos tradicionais desapareceram soterrados pela brancura e não há adultos para definir rumos.

As tomadas à distância amplificam o espaço e miniaturizam ainda mais o pequenino protagonista, que de longe se confunde com um ponto colorido em movimento num quadro abstrato.

Quando se aproxima do garoto, o olhar ganha um aspecto documental, observando sem dramatizar suas indecisões, as dificuldades de movimento na neve, o frio e o cansaço. Assim, o filme segue as pegadas de "O Balão Vermelho", hino à liberdade infantil criado pelo francês Albert Lamorisse em 1956.

O fato de Takara estar sempre sozinho justifica a ausência de diálogos, o que não implica silêncios. Ao contrário, a escolha aguça nossa percepção dos sons, dos ruídos que dão outro corpo e concretude ao mundo.

Tal como no inquietante "O Parque", longa anterior de Manivel, o ambiente ganha uma presença mais palpável que os humanos e se impõe com outra linguagem, que pode não ter falas, mas está sempre em diálogo.

TAKARA - A NOITE EM QUE NADEI (TAKARA - LA NUIT OÙ J'AI NAGÉ)
PRODUÇÃO Japão/França, 2017
DIREÇÃO Kohei Igarashi e Damien Manivel
ELENCO Takara Kogawa, Keiki Kogawa, Takashi Kogawa
QUANDO Estreia nesta quinta (30)
CLASSIFICAÇÃO Livre
AVALIAÇÃO Bom


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Reprodução

Sem diálogos, longa 'Takara' dosa controle e distração

Publicidade

Quinta, 30/8/2018 9:24.

CÁSSIO STARLING CARLOS /FOLHAPRESS

Dois tipos de perigo rondam "Takara - A Noite em que Nadei", projeto conjunto do francês Damien Manivel com o japonês Kohei Igarashi.

Um é acreditar que a ideia de fazer uma narrativa sem diálogos é algo muito original. O conceito pode produzir algo do porte de "A Ilha Nua", maravilha poética feita em 1960 por Kaneto Shindo, ou servir para criar mais uma redundância experimental sobre o vazio.

Outro é se encantar com a própria fofura, ao colocar em cena um garotinho japonês vestido com roupinhas de lã, perambulando por uma cidade coberta de neve e se perder nesse olhar afetuoso. Manivel e Igarashi conseguem sobreviver a esses riscos dosando controle e distração.

O périplo do garoto Takara combina aspectos da infância, como o devaneio e descoberta, sempre prazerosos de revisitar. Sozinho em casa, quando o pai sai ainda de madrugada para trabalhar no mercado de peixes, Takara desperta e encontra conforto, primeiro, no mundo imaginário o qual projeta numa folha de papel.

Depois, a caminho da escola, o menino embarca num jogo de se perder e achar, mapeando um mundo despovoado, percorrendo a cidade encoberta de neve. O pequeno explorador vagueia à vontade neste espaço em que os códigos urbanos tradicionais desapareceram soterrados pela brancura e não há adultos para definir rumos.

As tomadas à distância amplificam o espaço e miniaturizam ainda mais o pequenino protagonista, que de longe se confunde com um ponto colorido em movimento num quadro abstrato.

Quando se aproxima do garoto, o olhar ganha um aspecto documental, observando sem dramatizar suas indecisões, as dificuldades de movimento na neve, o frio e o cansaço. Assim, o filme segue as pegadas de "O Balão Vermelho", hino à liberdade infantil criado pelo francês Albert Lamorisse em 1956.

O fato de Takara estar sempre sozinho justifica a ausência de diálogos, o que não implica silêncios. Ao contrário, a escolha aguça nossa percepção dos sons, dos ruídos que dão outro corpo e concretude ao mundo.

Tal como no inquietante "O Parque", longa anterior de Manivel, o ambiente ganha uma presença mais palpável que os humanos e se impõe com outra linguagem, que pode não ter falas, mas está sempre em diálogo.

TAKARA - A NOITE EM QUE NADEI (TAKARA - LA NUIT OÙ J'AI NAGÉ)
PRODUÇÃO Japão/França, 2017
DIREÇÃO Kohei Igarashi e Damien Manivel
ELENCO Takara Kogawa, Keiki Kogawa, Takashi Kogawa
QUANDO Estreia nesta quinta (30)
CLASSIFICAÇÃO Livre
AVALIAÇÃO Bom


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade