Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

'Família Submersa' retrata mulher que se reinventa durante o luto
Divulgação

Quinta, 4/4/2019 13:02.

NAIEF HADDAD - FOLHAPRESS

A argentina María Alché chamou a atenção do público cinéfilo há 15 anos como a protagonista do excelente "A Menina Santa", dirigido por Lucrecia Martel.

Interpretava Amália, uma jovem com olhos plenos de mistério, perdida entre o desejo sexual e a fé católica.

Depois de "A Menina Santa", Alché realizou outros trabalhos como atriz, mas passou a se dedicar principalmente à direção, com curtas como o premiado "Noelia" (2012).

Em "Família Submersa", sua estreia na condução de um longa-metragem, Alché reencontra a sensibilidade e a atração pelas ambiguidades que havia exibido como atriz uma década e meia atrás.

É tentador tratar a diretora Alché como uma discípula de Martel, provavelmente o maior nome do cinema argentino contemporâneo.

Certamente há semelhanças entre elas, como o olhar original para a classe média urbana do país e a presença da natureza como elemento ao mesmo tempo fascinante e perturbador.

Existe ainda a predileção de ambas por insondáveis personagens femininas –nesse sentido, "Zama" (2018), o filme mais recente de Martel, é uma exceção.

Por outro lado, "Família Submersa" revela escolhas próprias bem-sucedidas, o que indica maturidade incomum para um primeiro longa.

Ao acompanhar Marcela (Mercedes Morán) nos dias seguintes à morte da irmã dela, Alché evita tratar o luto de forma previsível.

A perda da irmã conduz Marcela a reflexões que embalam novos desejos. Mas o comportamento da personagem não cabe em enquadramentos estreitos da psicologia ou da moral.

Além disso, Alché explora situações familiares, especialmente a relação entre Marcela e seus três filhos, que unem enternecimento e humor.

Nesse último aspecto, aliás, uma diferença entre as diretoras se insinua. Esse tom de leveza cômica não está entre as características centrais da filmografia de Martel.

Em suma, a influência de Martel sobre Alché é inegável, mas a jovem diretora não é só uma discípula, o que, diga-se, já não seria pouco.

Por fim, é preciso exaltar mais uma bela interpretação de Mercedes Morán, também em cartaz no Brasil com "Um Amor Inesperado", ao lado de Ricardo Darín.

Como a Cabíria de Giulietta Masina, a Marcela de Morán nos ensina que a vida ainda é maior que a morte.

FAMÍLIA SUBMERSA (FAMILIA SUMERGIDA)
PRODUÇÃO Argentina, Brasil e Alemanha, 2018
DIREÇÃO María Alché
ELENCO Mercedes Morán, Esteban Bigliardi, Laila Maltz
QUANDO Estreia nesta quinta (4)
CLASSIFICAÇÃO 12 anos
AVALIAÇÃO Muito bom

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

'Família Submersa' retrata mulher que se reinventa durante o luto

Divulgação

Publicidade

Quinta, 4/4/2019 13:02.

NAIEF HADDAD - FOLHAPRESS

A argentina María Alché chamou a atenção do público cinéfilo há 15 anos como a protagonista do excelente "A Menina Santa", dirigido por Lucrecia Martel.

Interpretava Amália, uma jovem com olhos plenos de mistério, perdida entre o desejo sexual e a fé católica.

Depois de "A Menina Santa", Alché realizou outros trabalhos como atriz, mas passou a se dedicar principalmente à direção, com curtas como o premiado "Noelia" (2012).

Em "Família Submersa", sua estreia na condução de um longa-metragem, Alché reencontra a sensibilidade e a atração pelas ambiguidades que havia exibido como atriz uma década e meia atrás.

É tentador tratar a diretora Alché como uma discípula de Martel, provavelmente o maior nome do cinema argentino contemporâneo.

Certamente há semelhanças entre elas, como o olhar original para a classe média urbana do país e a presença da natureza como elemento ao mesmo tempo fascinante e perturbador.

Existe ainda a predileção de ambas por insondáveis personagens femininas –nesse sentido, "Zama" (2018), o filme mais recente de Martel, é uma exceção.

Por outro lado, "Família Submersa" revela escolhas próprias bem-sucedidas, o que indica maturidade incomum para um primeiro longa.

Ao acompanhar Marcela (Mercedes Morán) nos dias seguintes à morte da irmã dela, Alché evita tratar o luto de forma previsível.

A perda da irmã conduz Marcela a reflexões que embalam novos desejos. Mas o comportamento da personagem não cabe em enquadramentos estreitos da psicologia ou da moral.

Além disso, Alché explora situações familiares, especialmente a relação entre Marcela e seus três filhos, que unem enternecimento e humor.

Nesse último aspecto, aliás, uma diferença entre as diretoras se insinua. Esse tom de leveza cômica não está entre as características centrais da filmografia de Martel.

Em suma, a influência de Martel sobre Alché é inegável, mas a jovem diretora não é só uma discípula, o que, diga-se, já não seria pouco.

Por fim, é preciso exaltar mais uma bela interpretação de Mercedes Morán, também em cartaz no Brasil com "Um Amor Inesperado", ao lado de Ricardo Darín.

Como a Cabíria de Giulietta Masina, a Marcela de Morán nos ensina que a vida ainda é maior que a morte.

FAMÍLIA SUBMERSA (FAMILIA SUMERGIDA)
PRODUÇÃO Argentina, Brasil e Alemanha, 2018
DIREÇÃO María Alché
ELENCO Mercedes Morán, Esteban Bigliardi, Laila Maltz
QUANDO Estreia nesta quinta (4)
CLASSIFICAÇÃO 12 anos
AVALIAÇÃO Muito bom

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade