Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

'Shazam!' tem ótimas piadas e é boa diversão para os pré-adolescentes
Divulgação

Quinta, 4/4/2019 13:02.

IVAN FINOTTI - FOLHAPRESS

"Shazam!" segue a linha dos filmes cômicos de super-heróis -como "Deadpool", que não para de fazer piadas, ou mesmo o "Homem-Aranha"-, distanciando-se das histórias de ação mais dramáticas dos "Vingadores" ou do sombrio "Batman", por exemplo.

Aqui, a graça vem única e exclusivamente do fato de um garoto de 14 anos se transformar, sempre que quiser (basta gritar Shazam!), em um adulto cheio de músculos e superpoderes. Mas ele mantém a cabeça, o jeito, a insegurança e a infantilidade do menino.

(Isso também parece um pouco com o último filme do Homem-Aranha, que vive às voltas com problemas de funcionamento de seu uniforme supertecnológico e com a necessidade de não faltar às aulas enquanto combate supervilões.)

Mesmo assim, a graça funciona bem aqui. Há ótimas piadas a partir dessa troca de corpos, apesar de uma ou outra ser muito ruim. O público-alvo é claramente pré-adolescente e, para eles, "Shazam!" deve ser uma boa diversão.

Para o adulto que vai levar a criançada, porém, não se engane: são 132 minutos de um filme bem infantilóide, digamos assim. Que começa com um mestre dos magos em uma caverna buscando um campeão para passar seus poderes e combater os demônios dos sete pecados capitais.

Billy Batson, o garoto, é um órfão que vive fugindo das casas de famílias que o acolhem, até que uma delas dá certo. Ali, ele tem cinco irmãos adotivos, verdadeiro mapa da inclusão: um deficiente físico, um mexicano obeso, um oriental, uma negra, uma nerd.

Ao receber os poderes, começa a usá-los para si mesmo (mais Homem-Aranha aqui) até que toma o velho sermão e aparece o vilão Dr. Sivana.

Nos antigos quadrinhos brasileiros, era o Dr. Silvana, com L mesmo. Isso nos leva a uma questão que tem fritado o cérebro dos usuários do Facebook nas últimas semanas.

Estreou neste ano o filme da "Capitã Marvel", que é da turma da editora americana Marvel (Homem de Ferro, Homem-Aranha, Hulk, Capitão América). E o nosso herói de "Shazam!" não chama também Capitão Marvel? Isso, apesar de ser propriedade da editora rival DC Comics (Batman, Super-Homem, Mulher Maravilha)?

(Nos EUA, para piorar, não há diferenciação de gênero para a palavra "captain", o que resultou em dois filmes de turmas concorrentes com personagens chamados Captain Marvel, como pode?)

Eis as voltas da história com H: em 1938, a DC Comics lança o Super-Homem. Dois anos depois, a editora Fawcett cria o Capitão Marvel (o mesmo que está no filme "Shazam!"). A DC processa a Fawcett por plágio: como o Super-Homem, o Capitão Marvel voa, tem superforça, supervelocidade etc.

Treze anos depois, em 1953, a Fawcett fecha as portas, em parte devido ao litígio movido pela DC. É o fim do Capitão Marvel.

Na década seguinte, Stan Lee cria seus heróis cheios de problemas humanos para uma nova editora, a Marvel Comics. Em 1967, ele estreia um novo personagem chamado Capitão Marvel, que não tem nada a ver com o antigo super da Fawcett. Lee registra o nome.

Em 1972, a DC adquire os personagens da falida Fawcett. Mas, como já existia um outro Capitão Marvel, sem falar do nome da editora rival, rebatiza o novo gibi como "Shazam!". Agora ele vive no mesmo mundo que habitam Batman e Superman.

Em 1982, a Marvel mata o Capitão Marvel, mas o personagem é revivido por diversos outros personagens, incluindo a pilota de avião Carol Danvers, que está no filme deste ano chamado "Capitã Marvel".

Resumo da história: se alguém te disser que o Shazam na verdade se chama Capitão Marvel, é porque esse alguém é muito, mas muito velho.

SHAZAM!
PRODUÇÃO EUA, 2019
DIREÇÃO David F. Sandberg
ELENCO Zachary Levy, Mark Strong, Asher Angel
QUANDO Estreia nesta quinta (4)
CLASSIFICAÇÃO 12 anos
AVALIAÇÃO Bom

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

'Shazam!' tem ótimas piadas e é boa diversão para os pré-adolescentes

Divulgação

Publicidade

Quinta, 4/4/2019 13:02.

IVAN FINOTTI - FOLHAPRESS

"Shazam!" segue a linha dos filmes cômicos de super-heróis -como "Deadpool", que não para de fazer piadas, ou mesmo o "Homem-Aranha"-, distanciando-se das histórias de ação mais dramáticas dos "Vingadores" ou do sombrio "Batman", por exemplo.

Aqui, a graça vem única e exclusivamente do fato de um garoto de 14 anos se transformar, sempre que quiser (basta gritar Shazam!), em um adulto cheio de músculos e superpoderes. Mas ele mantém a cabeça, o jeito, a insegurança e a infantilidade do menino.

(Isso também parece um pouco com o último filme do Homem-Aranha, que vive às voltas com problemas de funcionamento de seu uniforme supertecnológico e com a necessidade de não faltar às aulas enquanto combate supervilões.)

Mesmo assim, a graça funciona bem aqui. Há ótimas piadas a partir dessa troca de corpos, apesar de uma ou outra ser muito ruim. O público-alvo é claramente pré-adolescente e, para eles, "Shazam!" deve ser uma boa diversão.

Para o adulto que vai levar a criançada, porém, não se engane: são 132 minutos de um filme bem infantilóide, digamos assim. Que começa com um mestre dos magos em uma caverna buscando um campeão para passar seus poderes e combater os demônios dos sete pecados capitais.

Billy Batson, o garoto, é um órfão que vive fugindo das casas de famílias que o acolhem, até que uma delas dá certo. Ali, ele tem cinco irmãos adotivos, verdadeiro mapa da inclusão: um deficiente físico, um mexicano obeso, um oriental, uma negra, uma nerd.

Ao receber os poderes, começa a usá-los para si mesmo (mais Homem-Aranha aqui) até que toma o velho sermão e aparece o vilão Dr. Sivana.

Nos antigos quadrinhos brasileiros, era o Dr. Silvana, com L mesmo. Isso nos leva a uma questão que tem fritado o cérebro dos usuários do Facebook nas últimas semanas.

Estreou neste ano o filme da "Capitã Marvel", que é da turma da editora americana Marvel (Homem de Ferro, Homem-Aranha, Hulk, Capitão América). E o nosso herói de "Shazam!" não chama também Capitão Marvel? Isso, apesar de ser propriedade da editora rival DC Comics (Batman, Super-Homem, Mulher Maravilha)?

(Nos EUA, para piorar, não há diferenciação de gênero para a palavra "captain", o que resultou em dois filmes de turmas concorrentes com personagens chamados Captain Marvel, como pode?)

Eis as voltas da história com H: em 1938, a DC Comics lança o Super-Homem. Dois anos depois, a editora Fawcett cria o Capitão Marvel (o mesmo que está no filme "Shazam!"). A DC processa a Fawcett por plágio: como o Super-Homem, o Capitão Marvel voa, tem superforça, supervelocidade etc.

Treze anos depois, em 1953, a Fawcett fecha as portas, em parte devido ao litígio movido pela DC. É o fim do Capitão Marvel.

Na década seguinte, Stan Lee cria seus heróis cheios de problemas humanos para uma nova editora, a Marvel Comics. Em 1967, ele estreia um novo personagem chamado Capitão Marvel, que não tem nada a ver com o antigo super da Fawcett. Lee registra o nome.

Em 1972, a DC adquire os personagens da falida Fawcett. Mas, como já existia um outro Capitão Marvel, sem falar do nome da editora rival, rebatiza o novo gibi como "Shazam!". Agora ele vive no mesmo mundo que habitam Batman e Superman.

Em 1982, a Marvel mata o Capitão Marvel, mas o personagem é revivido por diversos outros personagens, incluindo a pilota de avião Carol Danvers, que está no filme deste ano chamado "Capitã Marvel".

Resumo da história: se alguém te disser que o Shazam na verdade se chama Capitão Marvel, é porque esse alguém é muito, mas muito velho.

SHAZAM!
PRODUÇÃO EUA, 2019
DIREÇÃO David F. Sandberg
ELENCO Zachary Levy, Mark Strong, Asher Angel
QUANDO Estreia nesta quinta (4)
CLASSIFICAÇÃO 12 anos
AVALIAÇÃO Bom

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade