Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Cinema
Filme italiano 'O Caravaggio Roubado' fascina como quebra-cabeça

Quinta, 23/5/2019 10:43.
Divulgação

Publicidade

(HALES DE MENEZES/FOLHAPRESS) Muita gente pode não entender completamente a trama de "O Caravaggio Roubado". Não é fácil acompanhar os desdobramentos que envolvem o roubo de uma obra-prima, o governo italiano, a máfia e uma jovem roteirista. Mas, para quem não se preocupar tanto em amarrar todas as pontas da história, é um filme bem agradável, quase fascinante.

É um filme quebra-cabeças, um filão que teve algum momento de glória nos cinemas nos anos 1970. Obras como "Jogo Mortal" (1972) ou "Trágica Obsessão" (1976) também deixavam o espectador sair da sala revisando mentalmente algumas cenas para arrematar com algum sentido o que tinha acabado de ver.

A produção italiana costura tramas separadas em um resultado que depende, aparentemente, de algumas coincidências. Mas na parte final é fácil perceber que os acontecimentos não foram fortuitos. E algumas conexões entre personagens viram tudo de pernas para o ar.

A deslumbrante Micaela Ramazzotti, de "A Primeira Coisa Bela" (2010) interpreta Valeria Tramonti, secretária numa produtora de cinema. Ela é apaixonada pelo aparentemente bem-sucedido roteirista Alessandro Pes, com quem tem um caso. Como o sujeito está com bloqueio criativo há anos, ela tem escrito roteiros para ele, e todos são elogiadíssimos.

Valeria é procurada por um setentão misterioso que tem uma história interessante a oferecer a ela. Curiosa, aceita os encontros com ele, que conta sobre o suposto paradeiro de uma pintura de Caravaggio desaparecida.

Enquanto muitos pensam que ela foi destruída, o homem diz a Valeria que a obra ainda existe, está com a Máfia, e a organização pretende repassá-la ao governo italiano em troca do abrandamento da perseguição da polícia a alguns mafiosos.

Ela decide escrever um roteiro com isso e o entrega ao amante. Todos na produtora adoram o argumento, inclusive um novo parceiro patrocinador, que tem relações com a máfia. A surpresa vem quando a história sugerida pelo desconhecido a Valeria mostra-se real. Mafiosos perseguem o roteirista, querendo saber como ele teve conhecimento de toda a operação.

Alessandro é surrado, incapaz de responder sobre um texto que não escreveu, e entra em coma. Enquanto ele fica no hospital, Valeria parte para sua própria investigação da verdade, envolvendo-se em situações perigosas. O enredo ganha mais complexidade quando é revelado que o imbróglio tem a participação da mãe da Valeria, Amalia, papel de outra das belas do cinema italiano, Laura Morante.

Há um pouco de "Missão Impossível" no trecho final do filme, num esforço intelectual para sustentar revelações sucessivas em busca de um clímax narrativo. A conclusão deve agradar a alguns, mas pode suscitar ceticismo de parte da plateia. O diretor Roberto Andò, do divertido "Viva A Liberdade" (2013), com Toni Servillo, de "A Grande Beleza", arriscou muito.

E, é preciso dizer, o final usa recursos metalinguísticos um tanto confusos. Mas não compromete uma experiência cinematográfica simpática e ousada. E ousadia está em falta no cinema atual.

O CARAVAGGIO ROUBADO (UNA STORIA SENZA NOME)
PRODUÇÃO Itália, 2018
DIREÇÃO Roberto Andò
ELENCO Micaela Ramazzotti, Jerzy Skolimowski, Laura Morante, Alessandro Gassman
CLASSIFICAÇÃO 14 anos
AVALIAÇÃO Muito bom 


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Filme italiano 'O Caravaggio Roubado' fascina como quebra-cabeça

Divulgação

Publicidade

Quinta, 23/5/2019 10:43.

(HALES DE MENEZES/FOLHAPRESS) Muita gente pode não entender completamente a trama de "O Caravaggio Roubado". Não é fácil acompanhar os desdobramentos que envolvem o roubo de uma obra-prima, o governo italiano, a máfia e uma jovem roteirista. Mas, para quem não se preocupar tanto em amarrar todas as pontas da história, é um filme bem agradável, quase fascinante.

É um filme quebra-cabeças, um filão que teve algum momento de glória nos cinemas nos anos 1970. Obras como "Jogo Mortal" (1972) ou "Trágica Obsessão" (1976) também deixavam o espectador sair da sala revisando mentalmente algumas cenas para arrematar com algum sentido o que tinha acabado de ver.

A produção italiana costura tramas separadas em um resultado que depende, aparentemente, de algumas coincidências. Mas na parte final é fácil perceber que os acontecimentos não foram fortuitos. E algumas conexões entre personagens viram tudo de pernas para o ar.

A deslumbrante Micaela Ramazzotti, de "A Primeira Coisa Bela" (2010) interpreta Valeria Tramonti, secretária numa produtora de cinema. Ela é apaixonada pelo aparentemente bem-sucedido roteirista Alessandro Pes, com quem tem um caso. Como o sujeito está com bloqueio criativo há anos, ela tem escrito roteiros para ele, e todos são elogiadíssimos.

Valeria é procurada por um setentão misterioso que tem uma história interessante a oferecer a ela. Curiosa, aceita os encontros com ele, que conta sobre o suposto paradeiro de uma pintura de Caravaggio desaparecida.

Enquanto muitos pensam que ela foi destruída, o homem diz a Valeria que a obra ainda existe, está com a Máfia, e a organização pretende repassá-la ao governo italiano em troca do abrandamento da perseguição da polícia a alguns mafiosos.

Ela decide escrever um roteiro com isso e o entrega ao amante. Todos na produtora adoram o argumento, inclusive um novo parceiro patrocinador, que tem relações com a máfia. A surpresa vem quando a história sugerida pelo desconhecido a Valeria mostra-se real. Mafiosos perseguem o roteirista, querendo saber como ele teve conhecimento de toda a operação.

Alessandro é surrado, incapaz de responder sobre um texto que não escreveu, e entra em coma. Enquanto ele fica no hospital, Valeria parte para sua própria investigação da verdade, envolvendo-se em situações perigosas. O enredo ganha mais complexidade quando é revelado que o imbróglio tem a participação da mãe da Valeria, Amalia, papel de outra das belas do cinema italiano, Laura Morante.

Há um pouco de "Missão Impossível" no trecho final do filme, num esforço intelectual para sustentar revelações sucessivas em busca de um clímax narrativo. A conclusão deve agradar a alguns, mas pode suscitar ceticismo de parte da plateia. O diretor Roberto Andò, do divertido "Viva A Liberdade" (2013), com Toni Servillo, de "A Grande Beleza", arriscou muito.

E, é preciso dizer, o final usa recursos metalinguísticos um tanto confusos. Mas não compromete uma experiência cinematográfica simpática e ousada. E ousadia está em falta no cinema atual.

O CARAVAGGIO ROUBADO (UNA STORIA SENZA NOME)
PRODUÇÃO Itália, 2018
DIREÇÃO Roberto Andò
ELENCO Micaela Ramazzotti, Jerzy Skolimowski, Laura Morante, Alessandro Gassman
CLASSIFICAÇÃO 14 anos
AVALIAÇÃO Muito bom 


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade