Jornal Página 3
Cinema
'Tolkien' transforma vida do autor de 'O Senhor dos Aneis' em épico
Quinta, 23/5/2019 10:49.

Divulgação

Publicidade

(REINALDO JOSÉ LOPES/FOLHAPRESS) Transformar a vida pacata do filólogo J. R. R. Tolkien num épico cinematográfico é missão quase impossível. Há um contraste tremendo entre a vastidão imaginativa do sujeito que criou o mundo de "O Senhor dos Anéis" e seu cotidiano calmo e suburbano. O filme "Tolkien" resolve esse problema ao se concentrar nas duas primeiras décadas de vida do personagem.

Com efeito, o que faltou em drama aos anos de maturidade do professor de Oxford é compensado pelo que lhe aconteceu da infância aos 20 e poucos anos.

Nascido na África do Sul (por causa do emprego do pai, um bancário britânico na região), Tolkien perdeu o pai aos três anos, a mãe aos 12 e passou a ser criado, junto com o irmão, pelo padre Francis Xavier Morgan, que se tornara amigo próximo da família após a conversão deles ao catolicismo.

Poucos anos depois, o jovem ainda teve de enfrentar uma longa separação de seu primeiro e único amor, a órfã Edith Bratt (o padre Morgan não aprovava o relacionamento porque ela era protestante e poderia atrapalhar os estudos dele) e a experiência de lutar na Batalha do Somme, uma das mais sangrentas da Primeira Guerra, que deixou 1 milhão de mortos e feridos.

O filme, portanto, é uma tentativa de mostrar como essas experiências do começo da vida moldaram a visão de mundo de Tolkien –não só pelo lado trágico, mas também pelo desabrochar de seu fascínio pela natureza moldado pela infância no campo.

De modo geral, o diálogo entre inspiração do mundo real e fantasia tolkieniana funciona bem, ainda que às vezes falte alguma sutileza às cenas (como quando o aspirante a escritor imagina um dragão se esgueirando pelas trincheiras do Somme). Mas o filme realmente brilha quando investiga a essência da obra do autor –a magia da linguagem.

Ao tentar explicar a Edith (Lily Collins) por que se dá ao trabalho de criar idiomas ficcionais, ou ao debater algo aparentemente tão banal quanto a etimologia da palavra "carvalho" com o professor Joseph Wright (Derek Jacobi), o jovem Tolkien, vivido por Nicholas Hoult (o Fera da série "X-Men"), parece intuir algo de fundamental sobre o que significa ser humano.

Por meio de palavras que evoluem naturalmente ou são inventadas, contemplando a relação misteriosa entre som e significado, somos capazes de dar sentido ao mundo e de transfigurá-lo, descobre ele. Uma árvore nunca é só uma árvore, mas uma janela para um mundo de possibilidades e histórias. A delicadeza com que esse tema é fundido aos episódios de amor e perda da vida do autor vale, por si só, o ingresso.

TOLKIEN
Produção: EUA, 2019
Direção: Dome Karukoski
Elenco: Nicholas Hoult, Lily Collins, Craig Roberts
Classificação: 14 anos
Avaliação: muito bom 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Destaques

O Tonino Lamborghini Residences Balneário Camboriú será desenvolvido pela Embraed Empreendimentos  


Sexto lugar no ranking das 50 cidades catarinenses que mais abriram empresas em 2019


 Uma restauração histórica de fotos aéreas para o primeiro plano diretor do município



 Em 12 meses foram registradas 2,4 infrações desse tipo por hora


 “Afastar a corrupção é o dever de todos”, disse o prefeito


Cidade

O Tonino Lamborghini Residences Balneário Camboriú será desenvolvido pela Embraed Empreendimentos  


Economia

Sexto lugar no ranking das 50 cidades catarinenses que mais abriram empresas em 2019


Variedades

 Uma restauração histórica de fotos aéreas para o primeiro plano diretor do município


Variedades


Policia

 Em 12 meses foram registradas 2,4 infrações desse tipo por hora


Política

 “Afastar a corrupção é o dever de todos”, disse o prefeito


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

'Tolkien' transforma vida do autor de 'O Senhor dos Aneis' em épico

Divulgação

Publicidade

Quinta, 23/5/2019 10:49.

(REINALDO JOSÉ LOPES/FOLHAPRESS) Transformar a vida pacata do filólogo J. R. R. Tolkien num épico cinematográfico é missão quase impossível. Há um contraste tremendo entre a vastidão imaginativa do sujeito que criou o mundo de "O Senhor dos Anéis" e seu cotidiano calmo e suburbano. O filme "Tolkien" resolve esse problema ao se concentrar nas duas primeiras décadas de vida do personagem.

Com efeito, o que faltou em drama aos anos de maturidade do professor de Oxford é compensado pelo que lhe aconteceu da infância aos 20 e poucos anos.

Nascido na África do Sul (por causa do emprego do pai, um bancário britânico na região), Tolkien perdeu o pai aos três anos, a mãe aos 12 e passou a ser criado, junto com o irmão, pelo padre Francis Xavier Morgan, que se tornara amigo próximo da família após a conversão deles ao catolicismo.

Poucos anos depois, o jovem ainda teve de enfrentar uma longa separação de seu primeiro e único amor, a órfã Edith Bratt (o padre Morgan não aprovava o relacionamento porque ela era protestante e poderia atrapalhar os estudos dele) e a experiência de lutar na Batalha do Somme, uma das mais sangrentas da Primeira Guerra, que deixou 1 milhão de mortos e feridos.

O filme, portanto, é uma tentativa de mostrar como essas experiências do começo da vida moldaram a visão de mundo de Tolkien –não só pelo lado trágico, mas também pelo desabrochar de seu fascínio pela natureza moldado pela infância no campo.

De modo geral, o diálogo entre inspiração do mundo real e fantasia tolkieniana funciona bem, ainda que às vezes falte alguma sutileza às cenas (como quando o aspirante a escritor imagina um dragão se esgueirando pelas trincheiras do Somme). Mas o filme realmente brilha quando investiga a essência da obra do autor –a magia da linguagem.

Ao tentar explicar a Edith (Lily Collins) por que se dá ao trabalho de criar idiomas ficcionais, ou ao debater algo aparentemente tão banal quanto a etimologia da palavra "carvalho" com o professor Joseph Wright (Derek Jacobi), o jovem Tolkien, vivido por Nicholas Hoult (o Fera da série "X-Men"), parece intuir algo de fundamental sobre o que significa ser humano.

Por meio de palavras que evoluem naturalmente ou são inventadas, contemplando a relação misteriosa entre som e significado, somos capazes de dar sentido ao mundo e de transfigurá-lo, descobre ele. Uma árvore nunca é só uma árvore, mas uma janela para um mundo de possibilidades e histórias. A delicadeza com que esse tema é fundido aos episódios de amor e perda da vida do autor vale, por si só, o ingresso.

TOLKIEN
Produção: EUA, 2019
Direção: Dome Karukoski
Elenco: Nicholas Hoult, Lily Collins, Craig Roberts
Classificação: 14 anos
Avaliação: muito bom 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Destaques

O Tonino Lamborghini Residences Balneário Camboriú será desenvolvido pela Embraed Empreendimentos  


Sexto lugar no ranking das 50 cidades catarinenses que mais abriram empresas em 2019


 Uma restauração histórica de fotos aéreas para o primeiro plano diretor do município



 Em 12 meses foram registradas 2,4 infrações desse tipo por hora


 “Afastar a corrupção é o dever de todos”, disse o prefeito