Jornal Página 3
Coluna
ALBC Ecos Literários
Por Academia de Letras

Frases de Odir Antônio Lehmkuhl

Muitas das nossas certezas são apenas incertezas dos nossos pensares incertos.

 

Já é tempo de se entender que não se pode trocar bens materiais por favores espirituais.

 

Cada um abraça a vida do seu jeito, isso é lógico! Será que existe certeza na lógica? Retórica paradoxal!

 

Não é bom que a prepotência, orgulho, arrogância e piolhos, subam em nossas cabeças!

 

Para escutar a mensagem do tempo, até o vento se cala!

 

Cada cabeça é uma sentença, como cada sapato é para um pé!

 

Mato seco acabado, por ele uma nuvem chorou!

O mato ficou molhado e, agradecido, brotou!

 

Apontar erros alheios é ridícula tentativa de aparentar ser o melhor!

 

Até o vento não ajuda quem não sabe velejar!

 

Na vida não existem retornos, não podemos mudar o passado; mas no presente, podemos construir melhor o futuro!

Escrito por Academia de Letras, 02/04/2019 às 10h33 | elianarjz@gmail.com

Poemas de Hang Ferrero

No meu peito,
uma tempestade incessante.
O meu coração prefere a mansidão,
mas não tem jeito:
o vendaval é mais confiante.


Porque tudo tem ritmo na mata,
na verde mata dos duendes
que oferecem chás e comilança
e até algumas gemas, nas pontas,
das preciosas zarabatanas
de hortelã.


Fechar os olhos agora,
é como brecha de nuvem e,
pensamento, é luz de espanto.

Quanto cabe em um?
O que quero tanto, em um?
Meu lar, na tempestade solar
Meus 99 sóis mais tu.

Escrito por Academia de Letras, 27/03/2019 às 11h26 | elianarjz@gmail.com

Homenagem à poesia e convite

Ser Poeta

Ser poeta é tão somente ser criança,
com o joelho eternamente machucado.
É correr pelo terreno capinado
e procurar no concreto envelhecido
a flor do campo nascida num jazigo.

É libertar-se mesmo preso a convenções,
sorver o sumo de fugazes alegrias.
É desfrutar de sentimentos sem razão
e inventar que borboletas fugidias
podem enfim centrifugar o coração.

É relembrar de seduções que não viveu
em tempos idos de tornozelos escondidos
com carruagens de trotes compassados,
levantando a poeira enquanto os anos
vão desfocando os flashes do passado.

É sentir o vento fresco num deserto
e calafrios onde o sol brilha ou deveria.
Apropriar-se de vidas outras, divergentes,
e em breve êxtase transpor à poesia
o que não sente ou o que sentirá um dia.

Eliana Jimenez
1º. Lugar do II Concurso Nacional de Poesias
"Narciso Araújo" da Academia de Artes, Cultura e Letras
de Marataízes/ES - 2013

Escrito por Academia de Letras, 18/03/2019 às 13h44 | elianarjz@gmail.com

Lei Maria da Penha

À Maria da Penha Maia Fernandes que deu nome à Lei 11.340/06

No alto da Penha
uma ladeira inteira
de maus-tratos ao coração.

Uma vida inteira
com verbos sem ligação
que com labor e luta
deu um basta na agressão.

E assim, caminho aberto,
pôs a mulher no rumo certo
com direito de trabalhar,
ir e vir, sonhar e amar.

Maria, com muito orgulho,
somos também, no mesmo tom,
nessa marcha de guerreiras,
mas guerreiras de batom!

Eliana Jimenez

Créditos da imagem: Criador:carolinam - Informações extraídas do IPTC Photo Metadata

Escrito por Academia de Letras, 08/03/2019 às 08h50 | elianarjz@gmail.com

DOIS DEDOS

Conceda-me dois dedos de prosa
É a distância entre duas arvores
Onde estão pendurados
Pedaços de sonhos que o vento carregou
Me dê dois dedos
os coloco na presença do meu olhar
para tatuar impressões digitais
nas retinas do tempo
me dê dois sóis de setembro entre
a distância das arvores
me dê
uma prosa
me dê
uma esquina de pensamento
me dê
que enlouqueço com o que
me dás.


By MLK
Maria Luiza Kuhn
2019

Escrito por Academia de Letras, 27/02/2019 às 12h56 | elianarjz@gmail.com

Trovas Ecológicas

Enquanto se der endosso
à ganância insaciável,
futuro é fundo de poço
que não tem água potável.
Eliana Jimenez/SC


A árvore cai vencida,
cai vencida sem um gesto,
sem um gesto perde a vida,
perde a vida sem protesto.
Sônia Sobreira/RJ


Poluindo o mar, a serra,
devastando tudo, a esmo,
o homem, agredindo a Terra
declara guerra a si mesmo!
Antonio Juracy Siqueira/PA


É dinheiro abençoado,
merecedor de elogio,
todo aquele que é usado
ao despoluir um rio!
Eliana Palma – PR


Quem nos pomares da vida
planta o mal, colhe seus frutos
que a Natureza, agredida,
cobra pesados tributos!
Antonio Juracy Siqueira/PA


Que a ganância descabida
poupe os bens fundamentais.
- Sem ouro mantém-se a vida;
sem água limpa, jamais.
A. A. de Assis/PR


Hão de nos ser muito gratas
as futuras gerações,
se, em vez de queimar as matas
queimarmos as ambições!...
A. A. de Assis/PR


O mar de um azul profundo
e as montanhas esverdeadas,
são belezas desse mundo,
precisam ser preservadas.
Eliana Jimenez/SC

Escrito por Academia de Letras, 12/02/2019 às 15h15 | elianarjz@gmail.com



1 2 3 4 5 6

Academia de Letras

Assina a coluna ALBC Ecos Literários


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Fale Conosco - Anuncie no Página 3 - Normas de Uso
© Desenvolvido por Página 3

Endereço: Rua 2448, 360 - Balneário Camboriú - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: jornal@pagina3.com.br

Página 3
ALBC Ecos Literários
Por Academia de Letras

Frases de Odir Antônio Lehmkuhl

Muitas das nossas certezas são apenas incertezas dos nossos pensares incertos.

 

Já é tempo de se entender que não se pode trocar bens materiais por favores espirituais.

 

Cada um abraça a vida do seu jeito, isso é lógico! Será que existe certeza na lógica? Retórica paradoxal!

 

Não é bom que a prepotência, orgulho, arrogância e piolhos, subam em nossas cabeças!

 

Para escutar a mensagem do tempo, até o vento se cala!

 

Cada cabeça é uma sentença, como cada sapato é para um pé!

 

Mato seco acabado, por ele uma nuvem chorou!

O mato ficou molhado e, agradecido, brotou!

 

Apontar erros alheios é ridícula tentativa de aparentar ser o melhor!

 

Até o vento não ajuda quem não sabe velejar!

 

Na vida não existem retornos, não podemos mudar o passado; mas no presente, podemos construir melhor o futuro!

Escrito por Academia de Letras, 02/04/2019 às 10h33 | elianarjz@gmail.com

Poemas de Hang Ferrero

No meu peito,
uma tempestade incessante.
O meu coração prefere a mansidão,
mas não tem jeito:
o vendaval é mais confiante.


Porque tudo tem ritmo na mata,
na verde mata dos duendes
que oferecem chás e comilança
e até algumas gemas, nas pontas,
das preciosas zarabatanas
de hortelã.


Fechar os olhos agora,
é como brecha de nuvem e,
pensamento, é luz de espanto.

Quanto cabe em um?
O que quero tanto, em um?
Meu lar, na tempestade solar
Meus 99 sóis mais tu.

Escrito por Academia de Letras, 27/03/2019 às 11h26 | elianarjz@gmail.com

Homenagem à poesia e convite

Ser Poeta

Ser poeta é tão somente ser criança,
com o joelho eternamente machucado.
É correr pelo terreno capinado
e procurar no concreto envelhecido
a flor do campo nascida num jazigo.

É libertar-se mesmo preso a convenções,
sorver o sumo de fugazes alegrias.
É desfrutar de sentimentos sem razão
e inventar que borboletas fugidias
podem enfim centrifugar o coração.

É relembrar de seduções que não viveu
em tempos idos de tornozelos escondidos
com carruagens de trotes compassados,
levantando a poeira enquanto os anos
vão desfocando os flashes do passado.

É sentir o vento fresco num deserto
e calafrios onde o sol brilha ou deveria.
Apropriar-se de vidas outras, divergentes,
e em breve êxtase transpor à poesia
o que não sente ou o que sentirá um dia.

Eliana Jimenez
1º. Lugar do II Concurso Nacional de Poesias
"Narciso Araújo" da Academia de Artes, Cultura e Letras
de Marataízes/ES - 2013

Escrito por Academia de Letras, 18/03/2019 às 13h44 | elianarjz@gmail.com

Lei Maria da Penha

À Maria da Penha Maia Fernandes que deu nome à Lei 11.340/06

No alto da Penha
uma ladeira inteira
de maus-tratos ao coração.

Uma vida inteira
com verbos sem ligação
que com labor e luta
deu um basta na agressão.

E assim, caminho aberto,
pôs a mulher no rumo certo
com direito de trabalhar,
ir e vir, sonhar e amar.

Maria, com muito orgulho,
somos também, no mesmo tom,
nessa marcha de guerreiras,
mas guerreiras de batom!

Eliana Jimenez

Créditos da imagem: Criador:carolinam - Informações extraídas do IPTC Photo Metadata

Escrito por Academia de Letras, 08/03/2019 às 08h50 | elianarjz@gmail.com

DOIS DEDOS

Conceda-me dois dedos de prosa
É a distância entre duas arvores
Onde estão pendurados
Pedaços de sonhos que o vento carregou
Me dê dois dedos
os coloco na presença do meu olhar
para tatuar impressões digitais
nas retinas do tempo
me dê dois sóis de setembro entre
a distância das arvores
me dê
uma prosa
me dê
uma esquina de pensamento
me dê
que enlouqueço com o que
me dás.


By MLK
Maria Luiza Kuhn
2019

Escrito por Academia de Letras, 27/02/2019 às 12h56 | elianarjz@gmail.com

Trovas Ecológicas

Enquanto se der endosso
à ganância insaciável,
futuro é fundo de poço
que não tem água potável.
Eliana Jimenez/SC


A árvore cai vencida,
cai vencida sem um gesto,
sem um gesto perde a vida,
perde a vida sem protesto.
Sônia Sobreira/RJ


Poluindo o mar, a serra,
devastando tudo, a esmo,
o homem, agredindo a Terra
declara guerra a si mesmo!
Antonio Juracy Siqueira/PA


É dinheiro abençoado,
merecedor de elogio,
todo aquele que é usado
ao despoluir um rio!
Eliana Palma – PR


Quem nos pomares da vida
planta o mal, colhe seus frutos
que a Natureza, agredida,
cobra pesados tributos!
Antonio Juracy Siqueira/PA


Que a ganância descabida
poupe os bens fundamentais.
- Sem ouro mantém-se a vida;
sem água limpa, jamais.
A. A. de Assis/PR


Hão de nos ser muito gratas
as futuras gerações,
se, em vez de queimar as matas
queimarmos as ambições!...
A. A. de Assis/PR


O mar de um azul profundo
e as montanhas esverdeadas,
são belezas desse mundo,
precisam ser preservadas.
Eliana Jimenez/SC

Escrito por Academia de Letras, 12/02/2019 às 15h15 | elianarjz@gmail.com



1 2 3 4 5 6

Academia de Letras

Assina a coluna ALBC Ecos Literários


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade