Jornal Página 3
Coluna
Cá Pra Nós
Por Fernando Baumann

A serenidade

 Às vésperas da eleição de outubro, sinto que percorremos um curto caminho longo, que não estamos preparados para vivenciar o que ai está posto. Assim como exigimos que os partidos políticos revejam sua conduta, que façam o dever de olhar para dentro e assumir onde erraram, nós eleitores precisamos fazer o mesmo.

Me parece que estamos experimentando a democracia da pior forma possível, com divisão de classes e opiniões tão extremadas que beiram a insanidade. Ser democrático é ter a possibilidade de expressar opiniões as mais diversas, mas não é só isso. Ser democrático é também ter a capacidade de ouvir opiniões diferentes das nossas e aceita-las como são.

E não só na política. Isto está intrínseco na religião e no esporte, o futebol em especial. Até a questão de gênero virou base para acaloradas discussões. Como ser de um jeito ou de outro nos torna menos iguais. Nascemos e morremos do mesmo jeito, é só fazer uma visita a maternidade e ao cemitério para verificar.

No meu entendimento falta capacidade de diálogo, onde saber ouvir e não falar faz toda a diferença. Falta respeito por quem discorda e tolerância para quem é diferente. Aliás, não falta muito para quem é igual ficar diferente também. Tenho me sentido mal por ser empresário, branco, hétero, escolarizado, não ser portador de deficiência física e ainda não ser idoso segundo o entendimento da lei. Falo isso por que o respeito é uma relação de mão dupla.

Por fim, não observo nenhum movimento no sentido de tornar o substantivo “gratidão” como regra existencial. Agradecer por estarmos vivos, por ser quem somos e por ter as relações que temos, por fim, de poder desfrutar de um mundo interessante e cheio de possibilidade.

Pra que simplificar se dá pra complicar né? Criar confusão parece ser  bem mais interessante.

 

Escrito por Fernando Baumann, 01/10/2018 às 12h22 | fernando@bba-reiki.com.br



Fernando Baumann

Assina a coluna Cá Pra Nós

Economista, empresário e militante das causas coletivas, acredita no associativismo e cooperativismo como ferramentas para a construção de uma sociedade mais justa. Busca incessantemente evoluir como ser humano e social.














Fale Conosco - Anuncie no Página 3 - Normas de Uso
© Desenvolvido por Página 3

Endereço: Rua 2448, 360 - Balneário Camboriú - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: jornal@pagina3.com.br

Página 3
Cá Pra Nós
Por Fernando Baumann

A serenidade

 Às vésperas da eleição de outubro, sinto que percorremos um curto caminho longo, que não estamos preparados para vivenciar o que ai está posto. Assim como exigimos que os partidos políticos revejam sua conduta, que façam o dever de olhar para dentro e assumir onde erraram, nós eleitores precisamos fazer o mesmo.

Me parece que estamos experimentando a democracia da pior forma possível, com divisão de classes e opiniões tão extremadas que beiram a insanidade. Ser democrático é ter a possibilidade de expressar opiniões as mais diversas, mas não é só isso. Ser democrático é também ter a capacidade de ouvir opiniões diferentes das nossas e aceita-las como são.

E não só na política. Isto está intrínseco na religião e no esporte, o futebol em especial. Até a questão de gênero virou base para acaloradas discussões. Como ser de um jeito ou de outro nos torna menos iguais. Nascemos e morremos do mesmo jeito, é só fazer uma visita a maternidade e ao cemitério para verificar.

No meu entendimento falta capacidade de diálogo, onde saber ouvir e não falar faz toda a diferença. Falta respeito por quem discorda e tolerância para quem é diferente. Aliás, não falta muito para quem é igual ficar diferente também. Tenho me sentido mal por ser empresário, branco, hétero, escolarizado, não ser portador de deficiência física e ainda não ser idoso segundo o entendimento da lei. Falo isso por que o respeito é uma relação de mão dupla.

Por fim, não observo nenhum movimento no sentido de tornar o substantivo “gratidão” como regra existencial. Agradecer por estarmos vivos, por ser quem somos e por ter as relações que temos, por fim, de poder desfrutar de um mundo interessante e cheio de possibilidade.

Pra que simplificar se dá pra complicar né? Criar confusão parece ser  bem mais interessante.

 

Escrito por Fernando Baumann, 01/10/2018 às 12h22 | fernando@bba-reiki.com.br



Fernando Baumann

Assina a coluna Cá Pra Nós

Economista, empresário e militante das causas coletivas, acredita no associativismo e cooperativismo como ferramentas para a construção de uma sociedade mais justa. Busca incessantemente evoluir como ser humano e social.