Jornal Página 3
Coluna
Cá Pra Nós
Por Fernando Baumann

Salve o prefeito

Recentemente nossa cidade sofreu com intensas chuvas acima da média pluviométrica para o período, o que gerou o caos. Ruas alagadas, veículos danificados e transtornos diversos foram a tônica do momento.

Naqueles dias fui a um grande shopping realizar uma compra. Em conversa com o atendente o mesmo me relatou que novamente o estacionamento havia sido invadido pelas águas e causado muitos prejuízos. É assim, chove e enche.

Então me lembrei que naquele local, antes da construção, àquela área era um banhado, tanto que a avenida construída ao lado possui várias depressões por conta da instabilidade do terreno. Ora, então não foi a água que invadiu o estacionamento, e sim o estacionamento é que invadiu a água.

Isso acontece em boa parte da cidade. Minha casa é um exemplo, para dois pavimentos tem dezoito metros de estaca. Eu também invadi o banhado! Meu pai falava que em Balneário você comprava o espaço, depois fazia o terreno.

Vídeos “viralizados” na internet culpavam o prefeito (ou prefeitura) por este caos. Sinceramente, é muita falta de noção das coisas. Ele tem sim responsabilidade, como a autorização de novas obras em locais inapropriados (e quem consegue?), limpeza dos bueiros, desassoreamento de canais e rios e limpeza urbana. E só!

E o lixo jogado nas ruas, que com a chuva entope os canais de escoamento, é responsabilidade do prefeito ou da população? Móveis, utensílios e as mais diversas bugigangas descartadas de qualquer forma é responsabilidade de quem? Dele, o onipresente?

Também não esqueçamos das alterações climáticas, seja por causas naturais ou por indução humana, mesmo contra a vontade daqueles que alegam o contrário. Então, quando ligarmos nossos automóveis para irmos à padaria, lembramo-nos que somos mais um a somar CO2 na atmosfera, e paremos de reclamar de pedestres e ciclistas, esses estorvos.

 

Escrito por Fernando Baumann, 26/02/2020 às 09h46 | fernando@bba-reiki.com.br



Fernando Baumann

Assina a coluna Cá Pra Nós

Formado em Ciências Econômicas, empresário e militante das causas coletivas, acredita no associativismo e cooperativismo como ferramentas para a construção de uma sociedade mais justa. Busca incessantemente evoluir como ser humano e social.














Fale Conosco - Anuncie no Página 3 - Normas de Uso
© Desenvolvido por Página 3

Endereço: Rua 2448, 360 - Balneário Camboriú - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: [email protected]

Página 3
Cá Pra Nós
Por Fernando Baumann

Salve o prefeito

Recentemente nossa cidade sofreu com intensas chuvas acima da média pluviométrica para o período, o que gerou o caos. Ruas alagadas, veículos danificados e transtornos diversos foram a tônica do momento.

Naqueles dias fui a um grande shopping realizar uma compra. Em conversa com o atendente o mesmo me relatou que novamente o estacionamento havia sido invadido pelas águas e causado muitos prejuízos. É assim, chove e enche.

Então me lembrei que naquele local, antes da construção, àquela área era um banhado, tanto que a avenida construída ao lado possui várias depressões por conta da instabilidade do terreno. Ora, então não foi a água que invadiu o estacionamento, e sim o estacionamento é que invadiu a água.

Isso acontece em boa parte da cidade. Minha casa é um exemplo, para dois pavimentos tem dezoito metros de estaca. Eu também invadi o banhado! Meu pai falava que em Balneário você comprava o espaço, depois fazia o terreno.

Vídeos “viralizados” na internet culpavam o prefeito (ou prefeitura) por este caos. Sinceramente, é muita falta de noção das coisas. Ele tem sim responsabilidade, como a autorização de novas obras em locais inapropriados (e quem consegue?), limpeza dos bueiros, desassoreamento de canais e rios e limpeza urbana. E só!

E o lixo jogado nas ruas, que com a chuva entope os canais de escoamento, é responsabilidade do prefeito ou da população? Móveis, utensílios e as mais diversas bugigangas descartadas de qualquer forma é responsabilidade de quem? Dele, o onipresente?

Também não esqueçamos das alterações climáticas, seja por causas naturais ou por indução humana, mesmo contra a vontade daqueles que alegam o contrário. Então, quando ligarmos nossos automóveis para irmos à padaria, lembramo-nos que somos mais um a somar CO2 na atmosfera, e paremos de reclamar de pedestres e ciclistas, esses estorvos.

 

Escrito por Fernando Baumann, 26/02/2020 às 09h46 | fernando@bba-reiki.com.br



Fernando Baumann

Assina a coluna Cá Pra Nós

Formado em Ciências Econômicas, empresário e militante das causas coletivas, acredita no associativismo e cooperativismo como ferramentas para a construção de uma sociedade mais justa. Busca incessantemente evoluir como ser humano e social.