Jornal Página 3
Coluna
CINERAMA BC
Por André Gevaerd

Projeto Labor Ilha é lançado pela Cinemateca Catarinense com apoio do Fundo Municipal de Cinema de Florianópolis

 

 

 

Uma plataforma de experimentação de linguagem, um ateliê coletivo para lançamento de projetos pessoais, ou ainda um laboratório para agendar encontros multidisciplinares para discutir audiovisual.

 

Todas definições são válidas para definir o projeto Labor Ilha, segundo seus fundadores. Criado em 2012 a partir de uma oficina de filmagem e revelação em película reversível ministrada pelos cineastas Melissa Dullius e Gustavo Jahn no Museu de Imagem e do Som de Santa Catarina, o Lab - como é carinhosamente apelidado - é inaugurado com uma primeira fase chamada "Cinema de Exposição".

 

"A vontade de executar um projeto de experimentação de linguagem vem bem no momento em que é preciso pensar o mercado criativo em múltiplos aspectos, como o processo de criação, além da finalização de um produto" afirma o cineasta Pedro MC, coordenador geral da plataforma.

 

O modelo de gestão e metodologia do Lab é importado de um projeto criado pela cineasta gaúcha Melissa Dullius e o catarinense Gustavo Jahn, residentes na Alemanha desde 2007. Na capital que mais investe no conceito de "cidade criativa" no mundo, uma antiga casa de banho desativada foi doada para o projeto Labor Berlin.

 

A dupla se organizou com outros artistas da Suíça e da França e há quatro anos vem proporcionando mostras de filmes autorais, encontros e itinerância em outros países fora da comunidade europeia, como Egito e Lituânia.

 

Para o lançamento do Labor Ilha, o cineasta Pedro MC e a artista visual Letícia Cardoso propõem o conceito de "Cinema de Exposição", onde um filme é resignificado fora da sala de cinema convencional. Em maio deste ano o pesquisador Phillipe Dubois da Sorbonne Paris proferiu uma aula magna sobre o tema no curso de cinema da UFSC, apresentando a diversidade metodológica da reaproximação do cinema com as artes visuais através de dispositivos de invenção.

 

Segundo Letícia Cardoso "foi inventada uma fronteira entre o audiovisual e as artes visuais, sendo o que os difere na prática é o mercado e o incentivo da indústria cultural". A artista lembra também que no maior evento de pesquisa de cinema no país, realizado pelo curso de cinema da Unisul agora em outubro, o Socine, teve palestra de abertura de Raymond Bellour e Roger Odin, referências canônicas sobre cinema expandido. 

Para a montagem do laboratório e do espaço expositivo o Lab firmou parceria com o Studio 194, novo espaço de arte contemporânea da cidade, fundado pelos artistas João Rosa, Flávia Klein e Bruno Ropelato.

 

Inscrições abertas

 

Até dia 10 de novembro estão abertas as inscrições para os interessados em participar da primeira fase de cinema de exposição e inauguração do Labor Ilha. A inscrição é gratuita e o proponente selecionado vai ganhar um cartucho de filme em película 16mm preto & branco, a chance de revelar o seu filme, projetar num espaço expositivo e publicar um texto no catálogo.

 

São dez vagas disponíveis e para se inscrever é preciso criar e enviar uma receita como argumento para o email laborilhacoletivo@gmail.com com duração de 3m40seg e temática livre. A proposta pode ser composta por texto e imagens.

 

A produtora da exposição e do laboratório Bianca Scliar explica que "cada receita deve propor com clareza um argumento com ingredientes de linguagem, não necessariamente descritivos, mas com uma proposta provocativa que considere linhas de tensão e ambiguidades, já que os filmes são preto&branco e a projeção será com dois projetores simultâneos, formando um díptico".

 

Cada proponente escolhido, no entanto, não vai filmar sua própria receita. A relação entre as receitas selecionadas será reorganizada e distribuída aleatoriamente entre os dez participantes, criando uma contaminação desejada que traduz de certa forma as misturas químicas necessárias para a revelação de película.

 

O mais legal ainda é que cada participante poderá telecinar depois sua filmagem criando seu próprio curta metragem. É preciso ler atentamente o regulamento na página do Labor Ilha no facebook ou no site laborilha.net.

 

E como plataforma para outros projetos, o Labor Ilha já está produzindo um "spin-off" o projeto LABarca, premiado no Edital Elisabeth Anderle 2013, com pré-lançamento na noite do cinema de exposição no Studio 194, dia 01 de dezembro.

 

SERVIÇO

 

O QUE: Cinema de Exposição, Lançamento da plataforma Labor Ilha, Inscrições abertas

QUANDO: Até 10 de novembro de 2013

ONDE: Exposição no Studio 194 

LINKS: facebook.com/laborilha e laborilha.net (sem www)

 

CONTATOS:

 

Coordenação Geral

Pedro MC (48) 3733.4527 / 969l.4527

 

Curadoria

Letícia Cardoso (48) 9926.4224

 

Produção

Bianca Scliar (48) 9103.4834

Studio 194 (48) 3037.2993

 

Assessoria de Imprensa

Fifo Lima (48) 9146.0251

 

Escrito por André Gevaerd, 04/11/2013 às 15h32 | andre@cineramabc.com

Circuito Estadual de Cinema Infantil alcançou mais de 100 mil crianças em 111 Municípios Catarinenses durante o mês de Outubro

 

Chega ao fim terceira edição de projeto que faz parte da Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis e tem como objetivo levar cinema gratuito e de qualidade para as crianças de todos os municípios de Santa Catarina.

 

Foto Divulgação (http://goo.gl/uiFA76)

 

A Magia do cinema brasileiro alegrou mais de 100 mil crianças em 111 municípios catarinenses, durante a última etapa do Circuito Estadual de Cinema Infantil. Florianópolis contou com a parceria de cineclubes e projetos especiais e também teve sessões durante o mês de Outubro.

 

A maioria dos gestores culturais de cada município participaram da capacitação feita durante a Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis e assinaram termo de parceria. Além de terem sido preparados, eles receberam material necessário para a realização do projeto em sua cidade. Para a diretora da Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis e idealizadora do Circuito, Luiza Lins, além de levar cinema gratuito e de qualidade para todas as cidades estaduais, o foco é justamente capacitar esses municípios para que, daqui pra frente, possam proporcionar para suas crianças mostras de cinema locais em seus próprios cineclubes.

 

Na programação do Circuito foram exibidos 18 curtas metragens do acervo da Mostra, distribuídos em dois DVDs (veja a lista abaixo). Todos são nacionais, direcionados ao público infantil e permanecerão nas cidades para futuras projeções. Além de apresentar ao público a diversidade cultural dos diversos estados brasileiros, os filmes também podem ser assistidos por portadores de necessidades especiais, já que tem opções com audiodescrição e LIBRAS.

 

As sessões foram realizadas em cineclubes ou espaços adaptados em escolas, salões paroquiais, centros culturais, associações, ou qualquer outro local disponível nas cidades.  

A última cidade atendida será Alto Bela Vista, no oeste do Estado, no dia 05 de Novembro.

 

 

Filmes exibidos

 

A MULA TEIMOSA E O CONTROLE REMOTO (de Helio Villela Nunes, ficção, SP, 2011, 15min 15seg);

 

CADÊ MEU RANGO? (de George Munari Damiani, animação, SP, 2012, 4min 10seg);

 

A GRANDE VIAGEM (de Caroline Fioratti, ficção, SP, 2011, 15min 45seg);

 

O MACACO E O RABO (de Direção Coletiva, animação, PE, 2011, 8min 10seg);

 

REGANDO BIGODES (de Thais Vasconcellos e Katia Lund, ficção, RJ, 2012, 11min 10seg);

 

BUD’S SONGS TIME (de Hélder Nóbrega, animação, SP, 2012, 3min 50seg);

 

O FIM DO RECREIO (de Hélder Nóbrega, animação, SP, 2012, 3min 50seg);

 

CHIFRE DE CAMALEÃO (de Marão, animação, RJ, 2009, 7min);

 

DISQUE QUILOMBOLA (de David Reeks, documentário, RJ, 2012, 13min);

 

MINHAS FÉRIAS (de Arnaldo Galvão, animação, SP, 2010, 13min);

 

DIREITA É A MÃO QUE VOCÊ ESCREVE (de Paula Santos, ficção, RJ, 2009, 15 min);

 

TAMANDUABANDEIRA (de Ricardo de Podestá, animação, GO, 2011, 8 min);

 

AS FÉRIAS DE LORD LUCAS (de Tatiana Nequete, ficção, RS, 2008, 15 min);

 

A BRUXINHA LILI E A BALEIA BELENA (de Ducca Rios, Hugo Dourado e Leonardo Copello, animação, BA, 2010, 5min);

 

SONHANDO PASSARINHOS (de Bruna Carolli, ficção, DF, 2011, 11min);

 

TADINHA (de Maria Luiza Barros, Ducca Rios e Leonardo Copello, animação, BA, 2010, 5 min);

 

FADAS DE AREIA (de João Batista Melo, ficção, DF, 2008, 16min);

 

O PAVÃO MISTERIOSO (de Mario Galindo, animação, SP, 2007, 15min).

 

Escrito por André Gevaerd, 31/10/2013 às 14h47 | andre@cineramabc.com

A 5ª Mostra de documentários de Chapecó inicia no dia 06/11

 

Escrito por André Gevaerd, 30/10/2013 às 11h13 | andre@cineramabc.com

Lou Reed participou das filmagens do divertido e imperdível "SEM FÔLEGO" (Blue in the Face)

 

 Veja os trechos onde o poeta e guitarrista do rock expressa suas opiniões.

 

 

 

Escrito por André Gevaerd, 28/10/2013 às 16h01 | andre@cineramabc.com

Exibições Gratuitas de Cinema Marcam Exposição em Balneário Camboriú

 

Desde o dia 15/10 na Câmara de Vereadores em Balneário Camboriú, a população tem acesso gratuito à parte da História do Cinema em Santa Catarina.

 

EXIBIÇÃO ESPECIAL

No dia 25/10, a partir das 19:30h, haverá também uma sessão especial do CINERAMA.BC dentro do “LUZ, CÂMARA, AÇÃO”. Na ocasião serão exibidos os curtas-metragens:

 

Los Teleféricos (Argentina - 2010) - Estória de Lucas, que decide ajudar seu avô e deixa a cidade que sempre mostra os mesmos cenários cinzentos e edifícios repletos de pequenos lares. O avô de Lucas precisa de um teleférico, ele está achando cada vez mais difícil continuar subindo. É uma estória cheia de repetições e simetrias, sobre estradas que vem e vão, mas nunca se encontram, como os próprios teleféricos.

 

Máscara Negra (Brasil - 2010) - Gregório é apaixonado por uma mascarada de carnaval. Seus amigos tiram sarro, mas ele é um romântico convicto. Luisette é uma travesti em busca de carinho. Juntos eles passam uma noite de amor intenso. No dia seguinte, Gregório leva Luisette a um jogo de futebol beneficente com amigos vestidos de mulher. Conforme ela vai jogando bola, ele vai se apaixonando. Luisette o cativa pelo seu amor sincero.

 

EXIBIÇÕES DIÁRIAS

Vale destacar a caixa exibidora de curtas, “CINE JUCA MARIA”, que traz filmes premiados na edição de 2012 do Festival Audiovisual Catarinense, os curtas-metragens OH! e Sereia, além dos curtas jaraguaenses do projeto Jaraguá em Curtas, de Gilmar Moretti e Carlos H. Schroeder, produzidos pelo Escritório de Cinema de Jaraguá do Sul.

 

Ainda no saguão da exposição são exibidas em DVD, as reportagens da TV Câmara sobre a última edição do Festival CINERAMA.BC, a história do cinema na cidade e os três curtas-metragens produzidos na oficina de realização de curta-metragem durante o Festival: Condicional, Direcional e Existencial, realizados por um coletivo instruído por Carlos Daniel Reichel, Guilherme Meneghelli e Verena Meneghelli.

 

 

A exposição recebe o apoio institucional da Fundação Catarinense de Cultura, da Câmara dos Vereadores de Balneário Camboriú e da Fundação Cultural de Balneário Camboriú.

O período para visitação é de 15 a 31 de outubro, na Câmara de Vereadores (Avenida das Flores, 675), de segunda a sexta-feira das 13h às 19h.

 

Maiores informações no site www.cineramabc.com.br

Escrito por André Gevaerd, 21/10/2013 às 12h50 | andre@cineramabc.com

Stanley Kubrick

 

 

A Mostra sobre Stanley Kubrick que estreou ontem no MIS-SP é uma das exposições mais empolgantes de todos os tempos.

 

Ontem um público, com grande presença de cineastas, ficou emocionado com a riqueza das informações e formato de exibição escolhido pelos responsáveis.

 

É uma Mostra para se passar o dia inteiro dentro do museu.

Não pense duas vezes e compareça.

 

 

Exposição / Cinema 

De 11 de outubro de 2013 a 12 janeiro 2014
terças a sextas, das 12 às 21h; sábados, domingos e feriados, das 11 às 20h

Classificação: 12 anos

Espaços variados

O Museu da Imagem e do Som de São Paulo - MIS - fica localizado na Avenida Europa, 158, Jardim Europa, São Paulo - SP

Telefone: (11) 2117-4777

 

Ingressos Online
R$ 20 (não há venda de meia-entrada)
Ingressos somente antecipados à venda a partir de 1/10 pelo site: www.ingressorapido.com.br

 

Recepção MIS
R$ 10 (inteira) R$ 5 (meia)
Ingressos para a mesma data da visitação à venda a partir de 11/10 nos horários: terça à sexta-feiras, das 12h às 21h30; sábados, domingos e feriados, das 11h às 20h30

 

Mais informações no link: www.mis-sp.org.br

 

Escrito por André Gevaerd, 11/10/2013 às 17h26 | andre@cineramabc.com



8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18

André Gevaerd

Assina a coluna CINERAMA BC

Nasceu em Balneário Camboriú, resolveu fazer cinema, mudou-se para São Paulo, fez muitos filmes, voltou para Balneário. Continua fazendo filmes. Diretor do Festival CinemaramaBC e idealizador da sala de cinema e eventos, ArtHouse.














Fale Conosco - Anuncie no Página 3 - Normas de Uso
© Desenvolvido por Página 3

Endereço: Rua 2448, 360 - Balneário Camboriú - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: jornal@pagina3.com.br

Página 3
CINERAMA BC
Por André Gevaerd

Projeto Labor Ilha é lançado pela Cinemateca Catarinense com apoio do Fundo Municipal de Cinema de Florianópolis

 

 

 

Uma plataforma de experimentação de linguagem, um ateliê coletivo para lançamento de projetos pessoais, ou ainda um laboratório para agendar encontros multidisciplinares para discutir audiovisual.

 

Todas definições são válidas para definir o projeto Labor Ilha, segundo seus fundadores. Criado em 2012 a partir de uma oficina de filmagem e revelação em película reversível ministrada pelos cineastas Melissa Dullius e Gustavo Jahn no Museu de Imagem e do Som de Santa Catarina, o Lab - como é carinhosamente apelidado - é inaugurado com uma primeira fase chamada "Cinema de Exposição".

 

"A vontade de executar um projeto de experimentação de linguagem vem bem no momento em que é preciso pensar o mercado criativo em múltiplos aspectos, como o processo de criação, além da finalização de um produto" afirma o cineasta Pedro MC, coordenador geral da plataforma.

 

O modelo de gestão e metodologia do Lab é importado de um projeto criado pela cineasta gaúcha Melissa Dullius e o catarinense Gustavo Jahn, residentes na Alemanha desde 2007. Na capital que mais investe no conceito de "cidade criativa" no mundo, uma antiga casa de banho desativada foi doada para o projeto Labor Berlin.

 

A dupla se organizou com outros artistas da Suíça e da França e há quatro anos vem proporcionando mostras de filmes autorais, encontros e itinerância em outros países fora da comunidade europeia, como Egito e Lituânia.

 

Para o lançamento do Labor Ilha, o cineasta Pedro MC e a artista visual Letícia Cardoso propõem o conceito de "Cinema de Exposição", onde um filme é resignificado fora da sala de cinema convencional. Em maio deste ano o pesquisador Phillipe Dubois da Sorbonne Paris proferiu uma aula magna sobre o tema no curso de cinema da UFSC, apresentando a diversidade metodológica da reaproximação do cinema com as artes visuais através de dispositivos de invenção.

 

Segundo Letícia Cardoso "foi inventada uma fronteira entre o audiovisual e as artes visuais, sendo o que os difere na prática é o mercado e o incentivo da indústria cultural". A artista lembra também que no maior evento de pesquisa de cinema no país, realizado pelo curso de cinema da Unisul agora em outubro, o Socine, teve palestra de abertura de Raymond Bellour e Roger Odin, referências canônicas sobre cinema expandido. 

Para a montagem do laboratório e do espaço expositivo o Lab firmou parceria com o Studio 194, novo espaço de arte contemporânea da cidade, fundado pelos artistas João Rosa, Flávia Klein e Bruno Ropelato.

 

Inscrições abertas

 

Até dia 10 de novembro estão abertas as inscrições para os interessados em participar da primeira fase de cinema de exposição e inauguração do Labor Ilha. A inscrição é gratuita e o proponente selecionado vai ganhar um cartucho de filme em película 16mm preto & branco, a chance de revelar o seu filme, projetar num espaço expositivo e publicar um texto no catálogo.

 

São dez vagas disponíveis e para se inscrever é preciso criar e enviar uma receita como argumento para o email laborilhacoletivo@gmail.com com duração de 3m40seg e temática livre. A proposta pode ser composta por texto e imagens.

 

A produtora da exposição e do laboratório Bianca Scliar explica que "cada receita deve propor com clareza um argumento com ingredientes de linguagem, não necessariamente descritivos, mas com uma proposta provocativa que considere linhas de tensão e ambiguidades, já que os filmes são preto&branco e a projeção será com dois projetores simultâneos, formando um díptico".

 

Cada proponente escolhido, no entanto, não vai filmar sua própria receita. A relação entre as receitas selecionadas será reorganizada e distribuída aleatoriamente entre os dez participantes, criando uma contaminação desejada que traduz de certa forma as misturas químicas necessárias para a revelação de película.

 

O mais legal ainda é que cada participante poderá telecinar depois sua filmagem criando seu próprio curta metragem. É preciso ler atentamente o regulamento na página do Labor Ilha no facebook ou no site laborilha.net.

 

E como plataforma para outros projetos, o Labor Ilha já está produzindo um "spin-off" o projeto LABarca, premiado no Edital Elisabeth Anderle 2013, com pré-lançamento na noite do cinema de exposição no Studio 194, dia 01 de dezembro.

 

SERVIÇO

 

O QUE: Cinema de Exposição, Lançamento da plataforma Labor Ilha, Inscrições abertas

QUANDO: Até 10 de novembro de 2013

ONDE: Exposição no Studio 194 

LINKS: facebook.com/laborilha e laborilha.net (sem www)

 

CONTATOS:

 

Coordenação Geral

Pedro MC (48) 3733.4527 / 969l.4527

 

Curadoria

Letícia Cardoso (48) 9926.4224

 

Produção

Bianca Scliar (48) 9103.4834

Studio 194 (48) 3037.2993

 

Assessoria de Imprensa

Fifo Lima (48) 9146.0251

 

Escrito por André Gevaerd, 04/11/2013 às 15h32 | andre@cineramabc.com

Circuito Estadual de Cinema Infantil alcançou mais de 100 mil crianças em 111 Municípios Catarinenses durante o mês de Outubro

 

Chega ao fim terceira edição de projeto que faz parte da Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis e tem como objetivo levar cinema gratuito e de qualidade para as crianças de todos os municípios de Santa Catarina.

 

Foto Divulgação (http://goo.gl/uiFA76)

 

A Magia do cinema brasileiro alegrou mais de 100 mil crianças em 111 municípios catarinenses, durante a última etapa do Circuito Estadual de Cinema Infantil. Florianópolis contou com a parceria de cineclubes e projetos especiais e também teve sessões durante o mês de Outubro.

 

A maioria dos gestores culturais de cada município participaram da capacitação feita durante a Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis e assinaram termo de parceria. Além de terem sido preparados, eles receberam material necessário para a realização do projeto em sua cidade. Para a diretora da Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis e idealizadora do Circuito, Luiza Lins, além de levar cinema gratuito e de qualidade para todas as cidades estaduais, o foco é justamente capacitar esses municípios para que, daqui pra frente, possam proporcionar para suas crianças mostras de cinema locais em seus próprios cineclubes.

 

Na programação do Circuito foram exibidos 18 curtas metragens do acervo da Mostra, distribuídos em dois DVDs (veja a lista abaixo). Todos são nacionais, direcionados ao público infantil e permanecerão nas cidades para futuras projeções. Além de apresentar ao público a diversidade cultural dos diversos estados brasileiros, os filmes também podem ser assistidos por portadores de necessidades especiais, já que tem opções com audiodescrição e LIBRAS.

 

As sessões foram realizadas em cineclubes ou espaços adaptados em escolas, salões paroquiais, centros culturais, associações, ou qualquer outro local disponível nas cidades.  

A última cidade atendida será Alto Bela Vista, no oeste do Estado, no dia 05 de Novembro.

 

 

Filmes exibidos

 

A MULA TEIMOSA E O CONTROLE REMOTO (de Helio Villela Nunes, ficção, SP, 2011, 15min 15seg);

 

CADÊ MEU RANGO? (de George Munari Damiani, animação, SP, 2012, 4min 10seg);

 

A GRANDE VIAGEM (de Caroline Fioratti, ficção, SP, 2011, 15min 45seg);

 

O MACACO E O RABO (de Direção Coletiva, animação, PE, 2011, 8min 10seg);

 

REGANDO BIGODES (de Thais Vasconcellos e Katia Lund, ficção, RJ, 2012, 11min 10seg);

 

BUD’S SONGS TIME (de Hélder Nóbrega, animação, SP, 2012, 3min 50seg);

 

O FIM DO RECREIO (de Hélder Nóbrega, animação, SP, 2012, 3min 50seg);

 

CHIFRE DE CAMALEÃO (de Marão, animação, RJ, 2009, 7min);

 

DISQUE QUILOMBOLA (de David Reeks, documentário, RJ, 2012, 13min);

 

MINHAS FÉRIAS (de Arnaldo Galvão, animação, SP, 2010, 13min);

 

DIREITA É A MÃO QUE VOCÊ ESCREVE (de Paula Santos, ficção, RJ, 2009, 15 min);

 

TAMANDUABANDEIRA (de Ricardo de Podestá, animação, GO, 2011, 8 min);

 

AS FÉRIAS DE LORD LUCAS (de Tatiana Nequete, ficção, RS, 2008, 15 min);

 

A BRUXINHA LILI E A BALEIA BELENA (de Ducca Rios, Hugo Dourado e Leonardo Copello, animação, BA, 2010, 5min);

 

SONHANDO PASSARINHOS (de Bruna Carolli, ficção, DF, 2011, 11min);

 

TADINHA (de Maria Luiza Barros, Ducca Rios e Leonardo Copello, animação, BA, 2010, 5 min);

 

FADAS DE AREIA (de João Batista Melo, ficção, DF, 2008, 16min);

 

O PAVÃO MISTERIOSO (de Mario Galindo, animação, SP, 2007, 15min).

 

Escrito por André Gevaerd, 31/10/2013 às 14h47 | andre@cineramabc.com

A 5ª Mostra de documentários de Chapecó inicia no dia 06/11

 

Escrito por André Gevaerd, 30/10/2013 às 11h13 | andre@cineramabc.com

Lou Reed participou das filmagens do divertido e imperdível "SEM FÔLEGO" (Blue in the Face)

 

 Veja os trechos onde o poeta e guitarrista do rock expressa suas opiniões.

 

 

 

Escrito por André Gevaerd, 28/10/2013 às 16h01 | andre@cineramabc.com

Exibições Gratuitas de Cinema Marcam Exposição em Balneário Camboriú

 

Desde o dia 15/10 na Câmara de Vereadores em Balneário Camboriú, a população tem acesso gratuito à parte da História do Cinema em Santa Catarina.

 

EXIBIÇÃO ESPECIAL

No dia 25/10, a partir das 19:30h, haverá também uma sessão especial do CINERAMA.BC dentro do “LUZ, CÂMARA, AÇÃO”. Na ocasião serão exibidos os curtas-metragens:

 

Los Teleféricos (Argentina - 2010) - Estória de Lucas, que decide ajudar seu avô e deixa a cidade que sempre mostra os mesmos cenários cinzentos e edifícios repletos de pequenos lares. O avô de Lucas precisa de um teleférico, ele está achando cada vez mais difícil continuar subindo. É uma estória cheia de repetições e simetrias, sobre estradas que vem e vão, mas nunca se encontram, como os próprios teleféricos.

 

Máscara Negra (Brasil - 2010) - Gregório é apaixonado por uma mascarada de carnaval. Seus amigos tiram sarro, mas ele é um romântico convicto. Luisette é uma travesti em busca de carinho. Juntos eles passam uma noite de amor intenso. No dia seguinte, Gregório leva Luisette a um jogo de futebol beneficente com amigos vestidos de mulher. Conforme ela vai jogando bola, ele vai se apaixonando. Luisette o cativa pelo seu amor sincero.

 

EXIBIÇÕES DIÁRIAS

Vale destacar a caixa exibidora de curtas, “CINE JUCA MARIA”, que traz filmes premiados na edição de 2012 do Festival Audiovisual Catarinense, os curtas-metragens OH! e Sereia, além dos curtas jaraguaenses do projeto Jaraguá em Curtas, de Gilmar Moretti e Carlos H. Schroeder, produzidos pelo Escritório de Cinema de Jaraguá do Sul.

 

Ainda no saguão da exposição são exibidas em DVD, as reportagens da TV Câmara sobre a última edição do Festival CINERAMA.BC, a história do cinema na cidade e os três curtas-metragens produzidos na oficina de realização de curta-metragem durante o Festival: Condicional, Direcional e Existencial, realizados por um coletivo instruído por Carlos Daniel Reichel, Guilherme Meneghelli e Verena Meneghelli.

 

 

A exposição recebe o apoio institucional da Fundação Catarinense de Cultura, da Câmara dos Vereadores de Balneário Camboriú e da Fundação Cultural de Balneário Camboriú.

O período para visitação é de 15 a 31 de outubro, na Câmara de Vereadores (Avenida das Flores, 675), de segunda a sexta-feira das 13h às 19h.

 

Maiores informações no site www.cineramabc.com.br

Escrito por André Gevaerd, 21/10/2013 às 12h50 | andre@cineramabc.com

Stanley Kubrick

 

 

A Mostra sobre Stanley Kubrick que estreou ontem no MIS-SP é uma das exposições mais empolgantes de todos os tempos.

 

Ontem um público, com grande presença de cineastas, ficou emocionado com a riqueza das informações e formato de exibição escolhido pelos responsáveis.

 

É uma Mostra para se passar o dia inteiro dentro do museu.

Não pense duas vezes e compareça.

 

 

Exposição / Cinema 

De 11 de outubro de 2013 a 12 janeiro 2014
terças a sextas, das 12 às 21h; sábados, domingos e feriados, das 11 às 20h

Classificação: 12 anos

Espaços variados

O Museu da Imagem e do Som de São Paulo - MIS - fica localizado na Avenida Europa, 158, Jardim Europa, São Paulo - SP

Telefone: (11) 2117-4777

 

Ingressos Online
R$ 20 (não há venda de meia-entrada)
Ingressos somente antecipados à venda a partir de 1/10 pelo site: www.ingressorapido.com.br

 

Recepção MIS
R$ 10 (inteira) R$ 5 (meia)
Ingressos para a mesma data da visitação à venda a partir de 11/10 nos horários: terça à sexta-feiras, das 12h às 21h30; sábados, domingos e feriados, das 11h às 20h30

 

Mais informações no link: www.mis-sp.org.br

 

Escrito por André Gevaerd, 11/10/2013 às 17h26 | andre@cineramabc.com



8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18

André Gevaerd

Assina a coluna CINERAMA BC

Nasceu em Balneário Camboriú, resolveu fazer cinema, mudou-se para São Paulo, fez muitos filmes, voltou para Balneário. Continua fazendo filmes. Diretor do Festival CinemaramaBC e idealizador da sala de cinema e eventos, ArtHouse.