Jornal Página 3
Coluna
Dedo na Moleira
Por Waldemar Cezar Neto

E aí, vamos votar no Bolsonaro?

Nessa minha curta carreira de eleitor (apesar dos 63 de idade graças à ditadura militar só pude votar em presidente pela primeira vez aos 36) só acumulei decepções.

Collor foi defenestrado sob a acusação de corrupção; Fernando Henrique se deslumbrou com o poder e comprou votos para a emenda da reeleição distribuindo dinheiro público; Lula era o líder político de uma organização criminosa, o PT, e Dilma deu continuidade ao projeto que desastrou o país.

Sarney, tampax do finado Tancredo foi o pior presidente que conheci então dessa turma toda só sobrou o Itamar que conduziu o país com coragem após o afastamento de Collor e lançou as bases para o Plano Real que nos salvou de destino pior.

Itamar era mulherengo, qualidade que nós latinos respeitamos.

Agora, informa o Ibope, a preferência da população se divide entre Lula e Bolsonaro.

Lula é amoral, não posso votar nele.

Bolsonaro cursou a academia de Agulhas Negras e se formou em Educação Física.

Se fosse Física eu ficaria mais tranquilo, porque exige cérebro apurado para raciocínios complexos.

Ele já admitiu que não entende bulhufas de economia, mas pretende presidir um país atolado em problemas econômicos.

Enxergo em Bolsonaro o voluntarismo desastroso de um Collor de Melo misturado com o moralismo safado de um Jânio Quadros, aquele que proibiu corridas de cavalo durante a semana; a exibição na TV de maiôs e peças íntimas; desfiles de misses com maiôs cavados; menores de 18 anos em programas de rádio e TV e ... biquínis nas praias.

O sacripanta, cachaceiro notório, governou sete meses, renunciou e jogou o país numa ditadura militar que durou 24 anos.

Bolsonaro me dá medo pelo que pode fazer e desfazer.

Por isso torço que apareçam outros nomes, talvez o Henrique Meirelles que na semana passada andou se assanhando.

Se a história se repete, basta o país sair da crise que ele está eleito. Como aconteceu com Fernando Henrique, Ministro da Fazenda do Itamar.

Ele é um homem podre de rico, espero que se eleito não roube, de ladrões nos governando estou cheio.
 

Escrito por Waldemar Cezar Neto, 31/10/2017 às 16h46 | waldemar@camboriu.com.br

publicidade





publicidade



Waldemar Cezar Neto

Assina a coluna Dedo na Moleira

Lê, pesca, cozinha, escreve e é diretor chefe do Jornal Página 3.
















Fale Conosco - Anuncie no Página 3 - Normas de Uso
© Desenvolvido por Página 3

Endereço: Rua 2448, 360 - Balneário Camboriú - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: jornal@pagina3.com.br