Jornal Página 3
Coluna
Dedo na Moleira
Por Waldemar Cezar Neto

Na prefeitura não fazem o básico

Ainda no governo Edson Piriquito sugeri que a Emasa montasse um sistema de alerta à população no caso de incidentes graves no saneamento básico como um colapso na rede de esgotos ou de água.

Claro, não me deram atenção nenhuma.

Em final de 2016, antes mesmo de Fabrício Oliveira assumir, sugeri a mesma coisa, mas também não deram a menor bola.

Ontem às 23h houve um incidente grave, rompeu a adutora que abastece a maior parte da cidade e como não existe este sistema de comunicação e tampouco os veículos de imprensa foram avisados, somente hoje às 8h a administração municipal se deu ao trabalho de avisar o povo.

Comércios, serviços, indústrias, escolas etc. estão sendo afetados e se houvesse aviso imediato os consumidores poderiam economizar ou montar soluções alternativas.

Os recursos tecnológicos para montar sistemas de alerta à população são banais e baratos, a própria Defesa Civil poderia desfrutar desse serviço, mas não fazem porque são desleixados, teimosos e pouco atentos às necessidades dos munícipes.

A Polícia Militar sabe fazer, seu sistema de comunicação denominado Rede de Vizinhos é um sucesso, então qual a dificuldade da prefeitura, que tem milhares de empregados (e quase duas dezenas de jornalistas), executar algo semelhante?

O governo Fabrício foi eleito com a promessa de ser inovador, mas tem se revelado o oposto disso, desatento e retrógrado.
 

Escrito por Waldemar Cezar Neto, 07/11/2018 às 11h02 | waldemar@camboriu.com.br



Waldemar Cezar Neto

Assina a coluna Dedo na Moleira

Lê, pesca, cozinha, escreve e é diretor chefe do Jornal Página 3.


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Fale Conosco - Anuncie no Página 3 - Normas de Uso
© Desenvolvido por Página 3

Endereço: Rua 2448, 360 - Balneário Camboriú - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: jornal@pagina3.com.br

Página 3
Dedo na Moleira
Por Waldemar Cezar Neto

Na prefeitura não fazem o básico

Ainda no governo Edson Piriquito sugeri que a Emasa montasse um sistema de alerta à população no caso de incidentes graves no saneamento básico como um colapso na rede de esgotos ou de água.

Claro, não me deram atenção nenhuma.

Em final de 2016, antes mesmo de Fabrício Oliveira assumir, sugeri a mesma coisa, mas também não deram a menor bola.

Ontem às 23h houve um incidente grave, rompeu a adutora que abastece a maior parte da cidade e como não existe este sistema de comunicação e tampouco os veículos de imprensa foram avisados, somente hoje às 8h a administração municipal se deu ao trabalho de avisar o povo.

Comércios, serviços, indústrias, escolas etc. estão sendo afetados e se houvesse aviso imediato os consumidores poderiam economizar ou montar soluções alternativas.

Os recursos tecnológicos para montar sistemas de alerta à população são banais e baratos, a própria Defesa Civil poderia desfrutar desse serviço, mas não fazem porque são desleixados, teimosos e pouco atentos às necessidades dos munícipes.

A Polícia Militar sabe fazer, seu sistema de comunicação denominado Rede de Vizinhos é um sucesso, então qual a dificuldade da prefeitura, que tem milhares de empregados (e quase duas dezenas de jornalistas), executar algo semelhante?

O governo Fabrício foi eleito com a promessa de ser inovador, mas tem se revelado o oposto disso, desatento e retrógrado.
 

Escrito por Waldemar Cezar Neto, 07/11/2018 às 11h02 | waldemar@camboriu.com.br



Waldemar Cezar Neto

Assina a coluna Dedo na Moleira

Lê, pesca, cozinha, escreve e é diretor chefe do Jornal Página 3.


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade