Jornal Página 3
Coluna
Literatura
Por Enéas Athanázio

A RESTINGA

A Restinga! Ali na canhada, entre dois coxilhões, ela se estendia por quilômetros, campo a fora. Bem na baixada, através de curvas caprichosas, o riacho escorria águas claras e geladas, alisando sem cansaço os seixos encontrados no caminho. Em ambas as margens o mato fechado crescia exuberante, formando uma muralha viva e esvoaçante de mil tons de verde. Parecia a linha divisória entre campos, como se a natureza desejasse demarcá-los por razões desconhecidas. Flores do mato, em cores vivas, vermelhas, brancas, amarelas, roxas, enfeitavam um dos panoramas mais lindos daqueles campos. A passarada, com seus cantos e gritos, não silenciava nunca, revezando dia e noite na inesgotável alegria de viver em liberdade.

Cortando-a em diagonal, uma estradinha coleante cruzava a Restinga. Seu leito de chão vermelho semelhava uma cicatriz gigantesca no verde campeiro. Por ela transitavam veículos e cavaleiros, levantando nuvens de poeira, e todos acelerando a marcha na passagem, como se temessem alguma coisa. É que a Restinga, apesar da beleza esfuziante, amargava a triste fama de mal-assombrada. Naquele trecho o viajante, mesmo o mais valente, não escapava do receio atávico que vem do sobrenatural. Persignando-se ou balbuciando alguma oração, tratava de se afastar o quanto antes. A pressa aumentava quando o acaso o levava à noite por tão temidas paragens.

Na Restinga, dizia a voz do povo, morava uma bola de fogo que perseguia os cavaleiros estrada a fora, assustando as montarias, e dispersando tropas. Nas noites escuras, um cavaleiro fantasma troteava em silêncio ao lado do viajante solitário, e isso por longo trecho, só desaparecendo com as luzes da cidade. Um negro velho, morto nos tempos de dantes, quando cavava por ali na busca de uma panela de ouro ao pé de um pinheirão, também costumava se mostrar. Molambento e desgrenhado, corria pela estrada, gritando palavrões e pragas. Pedrinhas e gravetos, jogados por mãos misteriosas de dentro do mato, atingiam os viajeiros com precisão. Gritos, gemidos dolorosos e risadas se ouviam com frequência, ecoando nas coxilhas silenciosas. E além disso, nas noites de sextas-feiras, um carro iluminado e barulhento, apitando e rangendo, percorria aquele mato, com as rodas martelando trilhos inexistentes... Um mistério insondável, a Restinga!

Com escritório na cidade próxima, onde atendia às terças-feiras, muitas vezes cruzei por ali, algumas delas à noite. Embora a experiência não fosse agradável, jamais presenciei tais fenômenos, limitando-me a narrar um pouco do muito que ouvi.

Com a construção da nova estrada, na mexida das pontes e aterros, a Restinga quase desapareceu com sua fama de mistério e assombro. O progresso parece ter desalojado os fantasmas que a habitavam.

Escrito por Enéas Athanázio, 26/11/2018 às 12h19 | e.atha@terra.com.br



Enéas Athanázio

Assina a coluna Literatura

Promotor de Justiça (aposentado), advogado e escritor. Tem 51 livros publicados em variados gêneros literários. É detentor de vários prêmios e pertence a diversas entidades culturais. Assina colunas no Jornal Página 3, na revista Blumenau em Cadernos e no site Coojornal - Revista Rio Total.














Fale Conosco - Anuncie no Página 3 - Normas de Uso
© Desenvolvido por Página 3

Endereço: Rua 2448, 360 - Balneário Camboriú - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: jornal@pagina3.com.br

Página 3
Literatura
Por Enéas Athanázio

A RESTINGA

A Restinga! Ali na canhada, entre dois coxilhões, ela se estendia por quilômetros, campo a fora. Bem na baixada, através de curvas caprichosas, o riacho escorria águas claras e geladas, alisando sem cansaço os seixos encontrados no caminho. Em ambas as margens o mato fechado crescia exuberante, formando uma muralha viva e esvoaçante de mil tons de verde. Parecia a linha divisória entre campos, como se a natureza desejasse demarcá-los por razões desconhecidas. Flores do mato, em cores vivas, vermelhas, brancas, amarelas, roxas, enfeitavam um dos panoramas mais lindos daqueles campos. A passarada, com seus cantos e gritos, não silenciava nunca, revezando dia e noite na inesgotável alegria de viver em liberdade.

Cortando-a em diagonal, uma estradinha coleante cruzava a Restinga. Seu leito de chão vermelho semelhava uma cicatriz gigantesca no verde campeiro. Por ela transitavam veículos e cavaleiros, levantando nuvens de poeira, e todos acelerando a marcha na passagem, como se temessem alguma coisa. É que a Restinga, apesar da beleza esfuziante, amargava a triste fama de mal-assombrada. Naquele trecho o viajante, mesmo o mais valente, não escapava do receio atávico que vem do sobrenatural. Persignando-se ou balbuciando alguma oração, tratava de se afastar o quanto antes. A pressa aumentava quando o acaso o levava à noite por tão temidas paragens.

Na Restinga, dizia a voz do povo, morava uma bola de fogo que perseguia os cavaleiros estrada a fora, assustando as montarias, e dispersando tropas. Nas noites escuras, um cavaleiro fantasma troteava em silêncio ao lado do viajante solitário, e isso por longo trecho, só desaparecendo com as luzes da cidade. Um negro velho, morto nos tempos de dantes, quando cavava por ali na busca de uma panela de ouro ao pé de um pinheirão, também costumava se mostrar. Molambento e desgrenhado, corria pela estrada, gritando palavrões e pragas. Pedrinhas e gravetos, jogados por mãos misteriosas de dentro do mato, atingiam os viajeiros com precisão. Gritos, gemidos dolorosos e risadas se ouviam com frequência, ecoando nas coxilhas silenciosas. E além disso, nas noites de sextas-feiras, um carro iluminado e barulhento, apitando e rangendo, percorria aquele mato, com as rodas martelando trilhos inexistentes... Um mistério insondável, a Restinga!

Com escritório na cidade próxima, onde atendia às terças-feiras, muitas vezes cruzei por ali, algumas delas à noite. Embora a experiência não fosse agradável, jamais presenciei tais fenômenos, limitando-me a narrar um pouco do muito que ouvi.

Com a construção da nova estrada, na mexida das pontes e aterros, a Restinga quase desapareceu com sua fama de mistério e assombro. O progresso parece ter desalojado os fantasmas que a habitavam.

Escrito por Enéas Athanázio, 26/11/2018 às 12h19 | e.atha@terra.com.br



Enéas Athanázio

Assina a coluna Literatura

Promotor de Justiça (aposentado), advogado e escritor. Tem 51 livros publicados em variados gêneros literários. É detentor de vários prêmios e pertence a diversas entidades culturais. Assina colunas no Jornal Página 3, na revista Blumenau em Cadernos e no site Coojornal - Revista Rio Total.